Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 19 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Guia de sobrevivência para pais de um adolescente apaixonado

shutterstock_78816772.jpg

@ Ross Petukhov I Shutterstock

Edifa - publicado em 15/07/20

A adolescência é o momento em que nossos filhos têm suas primeiras experiências amorosas. Como você pode inspirá-los com os valores que os ajudarão a navegar neste estágio inicial de suas vidas sem causar danos? Como ajudá-los a basear suas vidas na rocha do amor verdadeiro?

As reações às descobertas de amor de nossos filhos variam de acordo com cada pai e cada mãe: da total recusa dos pais em ouvir falar do assunto (com o risco de parar de ouvir os filhos) até a aceitação sem reservas, inclusive o apoio.

Embora seja infinitamente mais fácil falar do que fazer, enunciar princípios do que aplicá-los, tentaremos refletir juntos sobre essas questões. Como podemos reagir aos primeiros amores de nossos adolescentes?

Peça ajuda ao Senhor

Vamos começar perguntando ao Senhor o que Ele pensa. Vamos ver a pergunta sob o seu ponto de vista, vamos examinar a situação à sua luz.

Certamente, a resposta não será dada imediatamente, mas olhar para Deus é dizer a ele: “O que você espera de nós? O que devemos fazer para que Sua vontade seja realizada em nós e em cada um de nossos filhos?” Perguntar isso ao Senhor é a mesma coisa que estar preparados para receber Sua luz.

Também devemos explicar aos nossos filhos que o ser humano é “uno”, corpo e coração inseparavelmente ligados.

Visto que a pessoa é um espírito encarnado, isto é, uma alma que se expressa num corpo e um corpo animado por um espírito imortal, ela é chamada a amar em sua totalidade unificada.

O amor também inclui o corpo humano e o corpo se torna participante do amor espiritual. Em outras palavras, não podemos brincar de amor: queiramos ou não, num relacionamento amoroso, toda a pessoa está totalmente envolvida.

A noiva e o noivo prometidos (os reais, aqueles que vivem castamente o namoro) sabem bem que é preciso uma boa dose de prudência e até heroísmo para não “fazer a Páscoa antes da Quaresma” e se contentar em apertar as mãos enquanto os corpos eles exigem uma união completa.

Ajude-os a evitar o drama

Também deve ser dito aos adolescentes que não podemos dar o corpo sem dar o coração. Mesmo os mais céticos não podem fingir se render: dando seus corpos, eles dão – um pouco, muito, apaixonadamente – seus corações.

A ruptura dói e causa estragos ainda mais importantes, pois ninguém, especialmente os adultos, parece levar a sério. Quantos meninos e meninas se aproximam da idade adulta feridos por essas sucessivas rupturas!

Portanto, os amores adolescentes não são triviais. É normal que os adolescentes testem seu poder de sedução, mas cabe a nós, pais, ajudá-los a permanecer livres para amar de verdade. Nesse sentido, o testemunho que os jovens mais velhos, recém-saídos da adolescência, podem oferecer é insubstituível.

Christine Ponsard

Tags:
AmorEducaçãoFilhos
Top 10
Ver mais