Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri

Como evitar brigas na hora de dividir a herança

Inheritance

fizkes | Shutterstock

Edifa - publicado em 22/09/20

A herança muitas vezes desperta sentimentos antigos que todos nós preferiríamos deixar de lado. Ao preparar um testamento ou herdar uma propriedade dos pais, é importante garantir que a divisão de bens não se transforme em uma briga

Os cristãos se comportam melhor do que outros na hora de dividir os bens? O irmão Jean Emmanuel Ena explora a dimensão espiritual da herança e nos dá alguns pontos referenciais para avançar em direção à uma partilha justa.

Por que você diz que a hora de repartir os bens também é hora de fazer um balanço?

A partilha da herança geralmente nos conduz a questionamentos, quando como vivemos a crise da meia-idade. Portanto, é hora de fazer um balanço interior. O que herdei de meus pais? O que vou aceitar da herança deles e o que vou recusar, para além dos bens materiais? Porque o que eu herdei vai muito além dos bens, mas diz respeito à cultura, à mentalidade, à fé.

Outra reflexão a fazer é sobre a minha maneira de possuir esses bens. O dinheiro é comumente visto como segurança material, mas na verdade é a segurança emocional que buscamos. Os homens muitas vezes se identificam com o que têm, não com o que são: “Quanto mais tenho, mais sou. O rico é aquele que tem mais do que eu”. E, por outro lado, ninguém nunca te diz: “Eu sou rico”! Por fim, podemos nos questionar sobre o relacionamento que estamos nutrindo com os nossos irmãos, de sangue ou não.

Qual é a atitude certa a tomar com os irmãos e irmãs?

Em primeiro lugar, coloque o relacionamento familiar nas mãos do Senhor e reflita: “Será que nunca ousei dizer o que penso aos meus pais porque estava à espera da herança, ou será que busquei a verdade?”

Alguns vivem a síndrome do “menino ou menina perfeitos”. Nunca viveram uma crise real na adolescência porque sempre quiseram corresponder à imagem que seus pais faziam deles. Nunca se posicionaram como adultos. Sempre fizeram o que lhes foi pedido: não fale de dinheiro, não fique com raiva, “se comporte”. Muitas vezes, o período de divisão da herança faz explodir essa falsa identidade, e é o relacionamento a dois que sofre porque o cônjuge não é mais o mesmo depois de um episódio assim!

Quanto ao relacionamento com irmãos e irmãs, você deve se perguntar: “Qual é a natureza do meu relacionamento com eles: de dependência, dominação ou competição?” Quando eu apresento meus irmãos e meus sentimentos por eles ao Senhor, sou levado a uma correção e uma purificação das relações.

Todos os conflitos são negativos?

O momento de partilha dos bens revela o verdadeiro estado de uma família, que vai além do estado aparente – com todos os fingimentos e toda a polidez que o acompanha. Conheci uma família católica rica e praticante. O momento da herança, no entanto, revelou a verdadeira situação espiritual dos membros da família e causou em muitos uma crise de identidade. Eles se perguntavam quais eram seus verdadeiros valores e o que queriam transmitir aos filhos. Às vezes essa crise é muito benéfica, porque chega a questionar a nossa própria forma de viver, o valor que damos à segurança material. A herança pode realmente mexer com as nossas estruturas.

A parábola do filho pródigo pode nos lançar uma luz

O filho mais novo pede a sua herança, como se declarasse a morte do pai. Sua relação com o pai já estava corrompida. Como ele se sente culpado, passa a pensar que não tem mais o direito de paternidade. Mas a filiação não se perde, porque a verdadeira herança é a relação pai-filho. O mais velho, por sua vez, é como um empregado em relação ao pai. Essa é a chamada síndrome da criança modelo. Ele diz “Eu te sirvo” e não “Eu te amo, eu sou seu filho”.

Como ter uma boa relação com o irmão se a relação com o pai trepida em suas bases? Pedindo a Deus para vir e tudo restaurar! A divisão da herança é um momento essencial que toca a morte, o ser e o ter, minha relação com Deus e com a minha família. Já presenciei divisões de herança muito leves graças a relacionamentos verdadeiros.

Qual seria a melhor maneira de pensar sobre a herança?

De forma prática, obter a sua parte na herança geralmente significa ter bens materiais e segurança material. Os pais sacrificam a vida inteira pelos filhos a ponto de se ausentarem quando os filhos teriam preferido sua presença. Que hierarquia de valores eles transmitiram? Garantiram o futuro material de seus filhos, mas os prejudicaram espiritual e emocionalmente.

“Minha fé muda minha noção de herança, ou eu tenho a mesma abordagem daqueles que não acreditam? Nesse caso minha fé não é vista como um critério primário? A palavra de Deus está em primeiro lugar, mesmo quando meu ambiente me diz o contrário!”. Na hora da partilha é bom lutar pela justiça, mas com esta pergunta em mente: “Como posso garantir que esses bens recebidos de meus pais sirvam ao bem de todos? Porque se prejudico o bem comum, estou prejudicando a mim mesmo”.

O que a escritura diz?

O povo de Israel é apenas o administrador da Terra Prometida. Nós também não somos proprietários, mas apenas administradores. Todo bem pertence a Deus, seja material ou espiritual, intelectual ou físico. Não somos a sua fonte, ela é exterior, e nós somos chamados a fazer frutificar a herança que recebemos.

Sempre tendemos a idolatrar os bens materiais e dar-lhes o lugar que pertence a Deus. Se Deus está em primeiro lugar em nossa vida, ele nos ajudará a administrá-los. Ele certamente nos pedirá que prestemos contas da maneira como administramos nossos bens, com respeito pelas pessoas. Concordamos em vender nossa alma para dar uma herança importante a nossos filhos? Será que essa é uma boa herança? Devemos distinguir com sinceridade e verdade.

Além disso, a segunda bem-aventurança “Bem-aventurados os mansos, porque eles receberão a terra por herança” (Mt 5, 5) vincula mansidão e herança. Não obtemos essa graça sendo descuidados, mas acolhendo-a. Com Cristo, somos co-herdeiros da vida eterna. Esta vida em que estamos nos estabelecendo não é a única!

Florence Brière-Loth

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
avósFamíliaFilhosMorte
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais