Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 24 Novembro |
Santas Flora e Maria
home iconEstilo de vida
line break icon

Aborto espontâneo: um sofrimento também para as crianças 

CRIANÇA ABRAÇA MÃE

Shutterstock

Edifa - publicado em 28/10/20

Perder um filho "no útero" tem consequências para os pais, mas também para os outros filhos. Por isso, é importante dar-lhes atenção especial para superar esse momento difícil

Qualquer sofrimento pode ter consequências na vida das crianças. Esse momento é um momento que elas terão que enfrentar no futuro. O luto perinatal não foge a essa regra para os irmãos mais velhos que perderam um irmãozinho ou irmãzinha antes do nascimento. Corrine Charroy, psicóloga clínica, estudou as consequências de um aborto espontâneo em crianças, nascidas ou não. Existem consequências negativas que podem ser evitadas prestando atenção aos sinais de angústia das crianças.

Você já encontrou crianças chocadas após um aborto espontâneo?

Seu impacto me parece cada vez mais importante, de acordo com sua posição entre os irmãos e, principalmente, a capacidade de sua mãe ter ficado de luto pelo filho falecido. Às vezes, uma criança nascida após um aborto espontâneo sofre de distúrbios de comportamento: agitação, acessos de raiva, enurese, problemas de sono.

Em que os pais devem prestar atenção?

Não há razão para se preocupar se a criança não manifestar problemas específicos. Cuidado com a culpa que um irmão mais velho ainda jovem pode desenvolver se não aceitasse esse novo nascimento. Ele pode se sentir abandonado pela mãe e viver uma angústia de separação, alimentando sentimentos hostis. Quando a morte chega, ele pode se sentir responsável dela, se estiver perto da idade do pensamento mágico. Cabe aos pais acompanhá-lo em suas emoções e ajudá-lo a verbalizá-las: “Você pode ter ficado com ciúmes e isso é normal, não fique culpado por isso, não é sua culpa que o bebê tenha morrido e também não é culpa da mamãe”.

Pode chegar outro bebê rapidamente após um aborto espontâneo. Tem certeza que não sofrerá consequências?

Aí está a questão do filho substituto. Depois de um aborto espontâneo, não é estranho que apareça uma nova gravidez rapidamente, como se a mulher demonstrasse assim que estivesse viva. No entanto, ela pode repentinamente culpar a si mesma mais tarde, acreditando que ela traiu o bebê anterior. Por outro lado, às vezes acontece que o próximo filho é libertado, como entre parênteses, mas com o terceiro a mãe sai de sua mente e começa o luto que ela não havia feito.

Como reagir então?

É fundamental que a criança morta volte ao seu lugar. Às vezes, basta simplesmente falar com simplicidade sobre esse irmãozinho ou irmãzinha que não conheceram para acalmar a preocupação. Cada um volta ao seu lugar, o próximo que “substitui” o filho falecido ocupa a sua posição legítima. Cada um é único, ninguém pode substituir ou tomar o lugar de ninguém.

Pensar que um bebê morreu no ventre da mãe não é traumatizante para uma criança?

Os pesadelos revelam essa angústia de morte ligada ao ventre materno. É conveniente explicar às crianças, com palavras adaptadas à sua idade, que não é o mesmo ventre ou útero que carrega todos os filhos da mãe, que uma mucosa se renova a cada gravidez, como um novo berço para cada um.

E se mostrar sinais de angústia?

No caso de distúrbios alimentares, somáticos ou do sono, realizar algum trabalho terapêutico pode ajudar a criança a se conectar com o acontecimento. A questão é dar a palavra à ela. Os pais podem perguntar: “Talvez eu esteja errado, mas tenho a impressão que…”.

Ela pode não saber responder com sim ou não, talvez os pais podem errar, mas a criança terá passado pela experiência de ser ouvida, acompanhada e capaz de colocar em palavras o que sente, sem se sentir julgada ou culpada. As terapias nada mais fazem do que ajudar o pequeno paciente a nomear o que o preocupa e, assim, começar a se livrar disso.




Leia também:
Gestante com câncer recusa aborto: ela e o bebê sobrevivem




Leia também:
Picharam um lema pró-aborto na igreja, mas a resposta do padre foi sensacional

Stéphanie Combe

Tags:
AbortoFamília
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Medalha de São Bento
pildorasdefe.net
Oração a São Bento para afastar o mal e pedir...
Reportagem local
Oração para afastar o mal de um recinto
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
AGNUS DEI,LAMB
Jesús Colina
Ninguém consegue ouvir este “Agnus Dei” sem s...
Ver mais