Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 26 Novembro |
São Silvestre Guzzolini
home iconEstilo de vida
line break icon

10 chaves para encontrar paz de espírito e vivê-la diariamente

MORNING

Gergely Zsolnai | Shutterstock

Edifa - publicado em 05/11/20

Como passar pelos momentos de angústia e medo, permanecendo na confiança e no abandono? A seguir encontre um guia precioso para manter a paz de coração

Em um mundo angustiado e violento, onde podemos encontrar paz? Talvez numa praia de uma ilha deserta, em uma aconchegante sala de estar assistindo a um bom filme, no fundo de um monastério isolado ou em meditação? A busca do homem contemporâneo é desesperada: ele deseja a paz de espírito, mas não acredita mais nela. Parece-lhe impossível apaziguar as suas paixões íntimas e o fogo dos seus desejos, assim como extinguir os conflitos recorrentes que perturbam o planeta.

Mas o que é a paz? O grande Blaise Pascal parece cético: “Não há paz aqui”, escreveu ele. Santo Agostinho também não é otimista: “Estamos aqui embaixo divididos entre a concupiscência que nos puxa para baixo e Deus que nos puxa para cima; corpo e alma só serão totalmente reconciliados no céu. Então, impossível ter paz na terra?”

São Tomás de Aquino aconselha a começar por pôr ordem a si mesmo e as suas relações com os outros através do exercício das virtudes: força, temperança, justiça, prudência. Mas que luta! No entanto, a paz não se tornou hoje um imperativo vital? Não apenas para nosso bem-estar pessoal, mas para este mundo. Depois de passar mil dias e mil noites em oração sobre uma pedra, São Serafim de Sarov assegurou: “Adquira a paz interior e milhares ao seu redor encontrarão a salvação”. A paz começa com você mesmo.

Paz de espírito não é mera satisfação

Para o cristão, ela não se esconde no longo e tranquilo rio de uma vida organizada e descomplicada do “Deixe-me em paz!”. Ela não pode ser confundida com a satisfação de uma criança mimada, um bem-estar psicológico imediato, nem ser reduzida a uma ordem social que proporcione segurança efetiva. Também não pode ser conquistada com relaxamento, nem após a guerra.

“Há uma falsa paz que é uma mentira, uma cegueira, mais ou menos consciente, que consiste numa instalação num egoísmo fechado e confortável, uma fuga”, adverte um monge cartuxo do irmão Aloïs, que reza o Taizé. A paz está presente em meio a provações e lutas”. A paz imperturbável é, segundo São Serafim de Sarov , o sinal específico da presença do Espírito Santo. “Com todas as nossas forças, empenhemo-nos em salvaguardar a paz da alma e não nos indignemos quando os outros nos ofendem, incentiva. Precisamos evitar toda raiva e preservar a mente e o coração de todo movimento impensado.”.

É na realidade concreta e por vezes dolorosa da vida quotidiana, com os seus imprevistos e surpresas, que devemos procurar manter “a nossa alma em paz diante de Nosso Senhor”, segundo a expressão do Padre François Libermann ( 1802-1852), judeu convertido, fundador dos Padres do Espírito Santo. Simplificando nossa vida em torno de um único desejo: buscar a vontade de Deus em tudo e ter total confiança nele. Então, ao irradiar essa paz ao nosso redor – que nesse aspecto é como a violência – ela contamina, ela irradia e se alimenta daquilo que incendeia.

Aqui estão as 10 chaves para alcançar essa paz de espírito.

1. Não se desespere

“Se nos olharmos racionalmente, só enxergaremos nossas fraquezas, nossos apegos, nossas ambiguidades”, comenta o franciscano Éloi Leclerc, autor de A sabedoria de um pobre (em tradução livre. Para encontrar paz, você deve olhar para Deus e apenas olhar para si mesmo em Deus. “Nossa extrema pobreza nos coloca na necessidade absoluta de recorrer sempre a Deus”, afirmou também o padre François Libermann.

Recorrer a este Deus rico de misericórdia, que quer dizer etimologicamente: cujo coração cheio de ternura se inclina sobre a nossa miséria. E sob nossa pobreza, descobrir o tesouro escondido do nosso ser interior, modelado à imagem de Deus. Devemos aprender a nos amar com o olhar de Deus, ou seja, infinitamente melhor e mais caridoso que o nosso. Não nos preocupar com nossas quedas, não nos perturbar por nossas misérias ou por nossa aparente mornidão.

“A visão da nossa incapacidade e da nossa nulidade deve ser um grande tema de paz para nós ”, assegura o padre Libermann. É por isso que Deus enviou seu filho Jesus, não para nos julgar, mas para nos salvar e nos dar vida novamente. Ao purificar o nosso coração, Deus nos torna capazes de fazer obras ainda maiores, imbuídos de amor, porque o seu Espírito, que nos liberta, pode finalmente operar em nós. Portanto, não se desespere! É um trabalho para toda a vida.

2. Peça a graça da confiança

“As razões pelas quais perdemos a paz são sempre más razões”, explica o Padre Jacques Philippe, autor de Em Busca da Paz e a Perseguindo (em tradução livre). “A alma encontraria sua força, sua riqueza e toda sua perfeição no Espírito de Nosso Senhor, se apenas quisesse se abandonar à sua conduta”, escreveu o padre Libermann. “Mas porque ela o abandona e quer agir sozinha e em si mesma, ela encontra em si mesma apenas a mais profunda desordem, miséria e incapacidade”.

Segundo o padre Jacques Philippe, a falta de paz de espírito vem da falta de confiança em Deus. Sua condição é de “boa vontade” ou “pureza de coração”: esta disposição estável e constante do coração do homem se decide amar a Deus mais do que tudo e confiar nele nas pequenas coisas. “Não devemos temê-lo”, insistia o padre Libermann, “é um grande insulto a ele que é tão bom, tão gentil, tão amável e tão cheio de ternura e misericórdia por nós”. Um dos inimigos da paz é este pessimismo tingido de cinismo que respiramos todos os dias. Com efeito, “o pessimismo atua em profundidade, destrói o desejo de agir pelos outros, extingue até a ansiedade da inteligência, gera desânimo”, comenta Andrea Riccardi , fundadora da Comunidade Sant’Egidio .

3. Priorizar as prioridades

Em uma cultura do instantâneo, o evento mais próximo (passado ou futuro) tende a invadir nosso campo de consciência. Não tendemos a privilegiar “o urgente” em nossas vidas em detrimento do “importante”? Todos nós temos agendas lotadas, mas nos perguntamos: cheias de quê? Prioridades não faltam: pessoais, familiares, profissionais, amigáveis, sociais ou mesmo associativas. Um erro comum é favorecer apenas uma, por paixão ou por urgência, em detrimento das outras.

Por exemplo, você só gasta tempo com seu filho quando ele está em uma situação de fracasso escolar. Temos que voltar às nossas prioridades periodicamente e colocar as coisas em ordem, como fazemos com um armário. Pensemos no conselho que Jesus dá a Marta, que está agitada e ocupada e “resmunga” porque Maria, sua irmã, escuta a palavra do filho de Deus: “Marta, Marta, andas muito inquieta e te preocupas com muitas coisas; no entanto, uma só coisa é necessária; Maria escolheu a boa parte, que não lhe será tirada” (Lc 10,41-42).

4. Pratique “a opção preferencial pelos pobres”

Não é porque temos a consciência limpa e a sensação de estarmos em paz que somos homens e mulheres serenos. Uma certa satisfação egoísta pode nos dar a ilusão disso. Numa das suas conferências quaresmais, São Tomás de Aquino mostra que só a caridade traz a paz perfeita. Na verdade, diz ele, é “um fato da experiência que o desejo pelas coisas temporais não é satisfeito por sua posse”. Quando uma coisa é obtida, já queremos outra. O coração dos ímpios é como um mar fervente que não pode ser aplacado”.

Como podemos permanecer em paz de espírito quando mais e mais homens e mulheres são forçados à miséria da qual somos nós, por nossa falta de partilha, os atores inconscientes? Não podemos ignorar essas realidades, seria muito fácil, como afirma o profeta Jeremias: “tratam com negligência as feridas do meu povo, e exclamam: “Tudo vai bem! Tudo vai bem!”, quando tudo vai mal” (Jr 6:14).

“Se procuras a paz, vai ao encontro dos pobres”, aconselhou São João Paulo II, convencido de que a extrema pobreza das massas humanas gera as situações de calamidade do nosso tempo. Não é sobre sentir-se culpado, mas sim permitir-se ser desafiado. E se o clamor dos pobres fosse o de Cristo? Quando se é rico, não se gosta de falar sobre pobreza. No entanto, a maioria de nós é “rica”. É grande a tentação de se refugiar em “pequenos paraísos”, especialmente quando você se sente oprimido e desamparado. O Evangelho sempre nos inspira a encontrar novos caminhos. A imagem dos pobres é apenas o espelho da pobreza do nosso coração. A única resposta para a pobreza é mais amor.

5. Não perca de vista o propósito da vida

“Aquele que tem um ‘porquê’ que ocupa o lugar de uma meta, de um fim, pode conviver com qualquer ‘como’”, disse Nietzsche. O psiquiatra vienense Victor Frankl fez a mesma observação no inferno dos campos de concentração: aqueles que conseguiam sair tinham pelo menos um motivo para ter esperança. Portanto, o bem-estar profundo se baseia, antes de mais nada, na necessidade essencial de dar sentido à própria vida.

E quanto mais alto o objetivo, mais a nossa vida tem significado e mais o nosso ser se realiza em dar e florescer. Madre Teresa, quando cuidava dos pobres, era o próprio Cristo que ela cuidava. Cumprir o dever para o qual somos chamados é bom; fazer isso por amor é melhor. Infinitamente melhor! Principalmente quando procuramos pesar cada decisão à luz da vontade de Deus e viver de acordo com a “opção preferencial por Deus”.

6. Perdoe aqueles que o ofenderam

Disputas, conflitos, crises, nos fazem sofrer. Podem às vezes levar discussões e rupturas graves. Às vezes, podemos ser dolorosamente afetados a ponto de reter um rancor duradouro e um sentimento persistente de amargura. Ressentimento e ódio são venenos terríveis. O perdão é o único antídoto eficaz para encontrar o caminho da paz de espírito. Muitas vezes é um ato heróico, fruto de um longo processo.

Na verdade, dependendo da seriedade, dos efeitos, dos autores e das circunstâncias da ofensa, o caminho que leva ao perdão pode demorar. Isso é normal, pois o perdão é o amor pelo inimigo (e você também pode ser seu próprio inimigo). É como uma linha do horizonte a ser alcançada. “Se estás, portanto, para fazer a tua oferta diante do altar e te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; só então vem fazer a tua oferta” (Mt 5,23-24).

7. Não se deixe subjugar pelo medo

Para Andrea Riccardi, o medo é uma doença do nosso tempo, “que vestimos com noções mais nobres”. Temos medo que nos falte, medo de perder ou não adquirir. Medo do futuro, da morte, do sofrimento. Também o medo de não estar à altura. E o medo dos olhos dos outros. Nossos medos afetam todas as áreas de nossa vida e frequentemente nos incapacitam. Além disso, o medo leva ao pecado (podemos reler o livro de Gênesis para nos convencer disso). Temos razão em ter medo de que nunca teremos certeza de nada. Viver em paz supõe parar o motor de nossa imaginação que puxa em alta velocidade os carros de nossas preocupações.

“Não tenha medo!” Encontramos, dizem eles, essa injunção trezentas e sessenta e cinco vezes na Bíblia. O que significa uma vez por dia. Esta foi a primeira palavra dita por São João Paulo II em tempos difíceis. “Qual de vós, por mais que se esforce, pode acrescentar um só côvado à duração de sua vida?” (Mt 6:27). Como manter a paz de espírito? Entregando nosso passado à misericórdia de Deus (por meio do perdão) e o nosso futuro à Providência (por meio do abandono). E vivendo apenas o hoje. “Não vos preocupeis, pois, com o dia de amanhã: o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias. A cada dia basta o seu cuidado” (Mt 6,34).

8. Renda-se a Deus incondicionalmente

Dificuldades, crises e provações são inevitáveis. A realidade nem sempre se curva às nossas vontades “sagradas”. A confiança em Deus nos ajuda a aceitar humildemente os acontecimentos, a enfrentá-los da melhor maneira possível, a vê-los como caminhos de santidade e paz. Pe Jacques Philippe, ecoando as palavras de São Paulo, descreve a vida cristã não como uma batalha espiritual (Efésios 6: 10-17). Devemos vestir a armadura de Deus: a fé, a palavra de Deus, a oração, os sacramentos. “Tudo posso naquele que me fortalece”, assegura o Apóstolo que nos transmite esta promessa divina: “A minha graça vos basta! Pois meu poder se manifesta na fraqueza”.

O importante, diz São Francisco de Sales, não é “manter os nossos corações em paz, mas trabalhar por ela”. É um caminho a ser refeito todos os dias: não desanime; comece com pequenos passos e tente ser fiel a eles; perseverar na oração para se recuperar constantemente sob o olhar de Jesus. “Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças. E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus” (Fl 4, 6-7).

9. Deixe de lado o espírito de rivalidade e comparação

A comparação é um dos piores venenos contra a paz de espírito. Tornar-se o mais belo, o mais forte, o mais poderoso é algo que se realiza às custas dos outros. A cultura do “chefinho” é hipócrita e muito nociva. O espírito de rivalidade desperta sentimentos de inveja, ciúme e orgulho, que por sua vez geram tristeza. O pensamento crítico também vem da mesma convicção de que “nós somos os melhores”: julgamos os outros por referência ao que somos, o que temos, o que experimentamos. Ao contrário da crença popular, você não precisa estar em rivalidade para desenvolver seus dons e qualidades. Amar é querer o bem do outro, sem necessariamente fazer o papel de vítima, ou pior, de “alma caridosa”. Não há via de mão única no amor! Devemos também aceitar receber. E quem quer ser “campeão”, que saiba compreender aquele que perde.

10. Aprenda a viver o momento, aqui e agora

“Não é o lugar que deve ser mudado, mas a alma”, disse o sábio Sêneca. A paz não se esconde em uma ilha deserta ou no fundo de um mosteiro. Uma chave simples para adquirir esta serenidade que predispõe à paz é acolher cada momento que passa como uma dádiva de Deus: os tons fulvos do outono, a neve, os primeiros rebentos da primavera surgindo, a criança brincando, uma boa refeição com os amigos, uma visita a uma região desconhecida. Maravilhe-se com isso.

A alegria às vezes se esconde na degustação consciente dos “pequenos” prazeres da vida cotidiana, como tão bem os descreveu o escritor Philippe Delherm. Não é surpreendente que o Dr. Vittoz (grande terapeuta suíço que deu seu nome a um famoso método de reabilitação) insista tanto na importância do equilíbrio psíquico das pessoas, da recepção do mundo exterior pelos nossos sentidos, e da consciência do momento presente. Isso nos leva ao louvor e à adoração. Porque quem se maravilha acaba vendo a assinatura do Criador em sua criação. E fica como uma criança, cheia de confiança neste Deus de ternura.

“Sede dóceis e flexíveis nas mãos de Deus”, recomenda o padre Libermann. Você sabe o que fazer para isso: fique em paz e descanse, não se inquiete nem se preocupe com nada, esqueça o passado, viva como se não houvesse futuro, viva para Jesus no momento que vivemos; ou melhor, viva como se não tivéssemos vida em nós, deixando que Jesus viva à vontade”.


BUSINESSMAN

Leia também:
O segredo para encontrar a serenidade em meio às preocupações da vida




Leia também:
Como Jesus transformou as humilhações em amor, serenidade e ternura?

Loïc Joncheray e Luc Adrian

Tags:
EstressePazVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados
Pe. Gabriel Vila Verde
Confissão não é para contar problemas, mas pa...
RED WEDNESDAY
Reportagem local
Perseguição aos cristãos no mundo é denunciad...
Ver mais