Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 26 Novembro |
São Silvestre Guzzolini
home iconEstilo de vida
line break icon

O que fazer quando as escolhas dos filhos não correspondem às nossas?

TEENAGERS

Martin Novak - Shutterstock

Edifa - publicado em 19/11/20

Saber tomar decisões corretas não é algo inato. Temos um papel importante como pais, para desempenhar nesse sentido, na vida de nossos filhos quando eles são crianças ou adolescentes. Mas como você reage quando, como adulto, suas decisões não parecem adequadas?

“Faça o que você quiser!”. Aplicada à relação educacional, essa frase pode parecer um sinal de confiança. É uma forma de confiar na capacidade de nosso filho, dele tomar uma decisão por si mesmo. E sabemos bem que chegará necessariamente o tempo em que nossos filhos terão de fazer as suas escolhas e tomar suas decisões sem nós, embora ainda seja possível e até desejável que saibam pedir conselhos. Porém, aquele “Faça o que você quiser” – que pode ter outras formulações – também pode ter um duplo sentido. Às vezes, está manchado de amargura e resignação e sua tradução mais ou menos decifrável por nossos filhos é parecida a esta: “Já que você acredita, ao contrário de mim, que é uma boa idéia, então faça o que eu não quero para você e que eu não posso te impedir de fazer”.

Acompanhar a decisão de nossos filhos mesmo que não nos agrade

Com ou sem razão, às vezes lamentamos as decisões e escolhas dos nossos filhos, mas somos obrigados a nos conformar: a escolha do cônjuge, a orientação profissional, etc.

Chega um momento em que, se não fugimos à nossa missão de conselho, se temos a consciência tranquila, teremos até que organizar esse casamento e acompanhar essa decisão, salvo em casos excepcionais que devem ser bem valorizados e com humildade. No entanto, nossa não-aceitação é um assunto delicado. Pode esconder certo orgulho social, uma decepção com nossos filhos que pode estar enraizada em nossas próprias decepções pessoais, nossas frustrações adultas. Então, cabe a nós buscar conselhos, temendo que o afastamento ganhe o jogo.

Mesmo quando exista ruptura, ainda assim deve ser um ato educativo, um ato de gerar e amar nossos filhos, e não um julgamento que os degrada e humilha. As disputas podem ter um final feliz muitos anos depois. Às vezes, isso vai acontecer só no Céu.

Aprender a aceitar as escolhas dos filhos

Mais delicada é esta maneira de dizer as coisas pelas quais – sem perceber – o adulto se habituou a fazer o filho sentir-se culpado ao se tornar independente, às vezes libertando-se de um rito familiar que estabelecemos e ao qual nos agarramos desajeitadamente. “Todos os dias 15 de agosto de cada ano, nos encontramos na casa dos seus avós!” ou “Seus irmãos e irmãs se alternam nas festas entre as duas famílias políticas”.

Existem muitas estratégias adultas pelas quais nos certificamos de não perder tudo, como ramos fracos que cedem sob o peso desses princípios para preencher nosso medo do vazio. A culpa como forma de governo é uma perversão que revela um duplo psicológico, um déficit espiritual, um medo afetivo e que engendra a tirania. O ascetismo da paternidade é o abandono do poder, não da fé, nem da esperança e nem da caridade.


FAMILY, HAPPY, OUTDOOR

Leia também:
As cinco chaves para uma boa educação segundo Dom Bosco


Daughter, Mother, Grandmother

Leia também:
Será que os avós devem ter espaço na educação dos netos?

Abade Vincent de Mello

Tags:
EducaçãoFilhosMaternidadePaternidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados
Pe. Gabriel Vila Verde
Confissão não é para contar problemas, mas pa...
RED WEDNESDAY
Reportagem local
Perseguição aos cristãos no mundo é denunciad...
Ver mais