Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 10 Abril |
São Miguel de los Santos
home iconEstilo de vida
line break icon

Como acolher uma gravidez inesperada?

TEST CIĄŻOWY, DWIE KRESKI

Africa Studio | Shutterstock

Edifa - publicado em 07/12/20

Uma gravidez inesperada, um bebê que veio mais cedo do que o planejado ou duas gravidezes muito próximas... Um "bebê surpresa" pode ter um impacto profundo na vida de um casal. No entanto, este novo membro da família abre o casal a um novo caminho humano e espiritual

“E pensar que não poderíamos ter tido …”, Daniel frequentemente repete para si mesmo, ao observar o filho mais novo. “Todos os nossos filhos são presentes de Deus, mas ainda mais o nosso mais novo, pois não tínhamos imaginado sua chegada”. O menino que seus pais não tinham planejado está muito feliz hoje. Mesmo assim, levou tempo para que o casal católico, convencido do valor da vida, entrasse em sintonia e experimentasse totalmente a felicidade. Dez anos atrás, Daniel e Jeanne pensaram que haviam cruzado o limiar da primeira infância. Ficaram encantados em ver seus quatro filhos, de 13 a 5 anos, crescerem e, por eles, dedicarem-se novamente ao trabalho de professores em tempo pleno. “Tínhamos o carro certo e as acomodações certas”, lembra Daniel. E distribuímos todas as nossas coisas de bebê, como se para garantir que não iríamos ter outro filho”.

Quando Jeanne descobriu que estava grávida novamente, foi como um banho frio. A gravidez e o parto deixaram-na com memórias dolorosas, ela sofreu por ter tido que sacrificar novamente a sua vida profissional e não conseguia se alegrar com a gravidez. Ela chorava muito e, pela primeira vez na vida precisou de antidepressivos: “Levei cinco meses para aceitar a nova realidade e dizer a mim mesma: tudo bem, vamos seguir em frente”, lembra ela. “Tive que ouvir a minha mulher, deixá-la chorar o seu desespero, a sua incompreensão, as suas angústias”, confessa Daniel, ainda mais desorientado ao sentir-se muito feliz com ideia deste começo de nova vida. Olhando para trás, aqueles poucos meses passados ​​”compartilhando nossos sentimentos sem entendê-los” foram uma oportunidade para “revisitar nossa vida e perceber o quanto nunca nos faltou nada”.

Quando não planejados, a chegada de um filho pode suscitar sentimentos contraditórios no casal e em cada um dos pais: “Sempre que casais nesta situação me confidenciam seus sentimentos, eles expressaram uma certa preocupação misturada com alegria, disse o padre Sébastien Thomas. É muito paradoxal, mas as duas atitudes podem coexistir na mesma pessoa”.

Momentos de grande provação e revolta interior

Foi assim que Maria se sentiu quando descobriu que um quarto pequenino se convidava para a família, enquanto imaginava junto ao marido “respirar um pouco”, após três partos próximos. “Nosso mais novo tinha 3 anos, tínhamos enfim deixado para trás as noites mal dormidas e começamos a dedicar mais tempo ao nosso relacionamento a dois, assim como para cada um de nossos filhos individualmente, pois tínhamos a impressão de tê-los tido em cadeia nos últimos anos”. Desde o casamento, o casal praticava métodos naturais de controle de natalidade, mas sem muito rigor. Quando teve que “enfrentar a realidade”, Maria “descobriu um sentimento ambivalente”. Ela acabara de assumir uma posição profissional empolgante, feita sob medida para ela e suas demandas de mãe, para a qual foi substituída no anúncio de sua gravidez, em mútuo entendimento. “Mesmo que meu empregador não me culpasse, eu meio que senti que o estava traindo. Fiquei decepcionada com a gravidez e me culpei por estar grávida’. Por fim, as reações alegres das pessoas ao seu redor rapidamente ajudaram ela e seu marido a abordar a chegada da quarta gravidez com mais leveza, especialmente porque percebemos que estávamos longe de ser os únicos a receber uma pequena surpresa como essa”! Uma alegria que culminou no dia do nascimento: “Foi incrível, ficamos totalmente maravilhados. Tal momento continua sendo uma felicidade indescritível, ninguém pode ficar chateado com isso!”

No entanto, quando uma gravidez não planejada é experimentada como uma dificuldade, as reações das pessoas ao seu redor podem ser um consolo para o coração ou fonte de angústia. Olivia tem 33 anos e seis filhos. Ela se sentia exausta quando chegou o quinto pequeno, o anterior tinha apenas cinco meses, e a família morava em uma casa de 73 metros quadrados que lutava para vender. Dois anos depois, “eu rangia os dentes”, diz a jovem mãe, contando-me que assim que terminou de cuidar do recém-nascido e voltou a pensar em seus projetos pessoais, percebeu que estava grávida de novo. Desta vez, a família está bem, mas o marido vai passar vários meses no mar e a jovem precisará dar à luz sozinha. “Psicológica e espiritualmente, vivi momentos de grande provação e revolta interior, às vezes chegando a pensar que eu era totalmente dependente da minha biologia! Tudo com a impressão de estar diante de um verdadeiro tabu no ambiente católico e pró-vida: “Nem sempre senti apoio quando expressava angústia”, lembra ela, evocando “silêncios eloquentes”, ou “observações irrelevantes” como “Você já tem muita sorte de ter alguns filhos”. “Eu senti como se estivesse dizendo alguma obscenidade quando disse que estava cansada”, disse a jovem.

“O Senhor me compreendia. Eu tinha o direito de achar tudo bem difícil”

Porém, “não é pecado não se alegrar”, compreendeu Juliette, a quem o terceiro filho chegou muito rapidamente depois dos dois mais velhos – “Sabíamos que havíamos corrido riscos”, especifica. A notícia não torna a vida da mãe mais fácil, que termina os estudos enquanto o casal vive no celibato geográfico. “Pensei no aborto, dizendo a mim mesma que seria muito prático…”, diz a mãe da família. A tudo isso, acrescenta-se a culpa. “A alegria veio aos poucos, desde o dia em que, no início da minha gravidez, confessei que não podia me alegrar: o padre então me aliviou enormemente. O Senhor me entendeu. Eu tinha o direito de achar isso difícil”.

“Temos o direito de ser cristãos, abertos à vida e de sofrer quando nos surpreendemos com a chegada de um bebê”, diz Helene Perez, conselheira matrimonial, que fala de “espanto” para qualificar a reação de muitos pais que a consultam nessas circunstâncias. As dificuldades associadas a uma gravidez indesejada parecem tão grave quanto a “mentalidade geral, que nos impregna sem o nosso conhecimento, exaltando “o projeto parental” e a “programação” em matéria de fertilidade: hoje é tão fácil eliminar o que não nos convém…”, analisa a orientadora.

No entanto, uma gravidez surpresa é legitimamente percebida como um choque, em particular para a mulher, que se sente “fragilizada no seu corpo e no seu ser profundo”. Para ela, assim como o luto – o da família dos sonhos – são necessários passos para se chegar à aceitação da gravidez, como raiva ou depressão. Sem falar no caminho do perdão, quando um cônjuge culpa o outro pela gravidez, ou deixa de ouvir o seu sofrimento.

O dia em que a angústia dá lugar à alegria de acolher a vida

Ao cônjuge que está lidando com a angústia do outro, assim como aos que estão ao redor do casal, Helene Perez recomenda “ouvir a dor ou a reclamação, sem transferir seus próprios filtros de compreensão para o outro”. “O que você precisa antes de mais nada é de alguém que irá consolá-lo e recebê-lo sem moralizar demais a situação”.

“As nossas comunidades cristãs devem ser um lugar de consolo e apoio para todos os que se encontram em perigo”, afirma o Padre Alain Dumont, sensibilizado pelo fato de certas famílias “muitas vezes estarem extremamente sozinhas”.Ao longo de sua trajetória, ele já testemunhou a ajuda que uma comunidade paroquial pode trazer ao cercar uma família fragilizada pela chegada surpresa de um bebê: “Muitas pessoas no mundo cristão nos doam coisas, e não é o fato do que elas dizem que pode machucar, mas o fato de como elas doam. A Igreja nunca julgará o sofrimento. Mas assim que ela ouvir sobre o sofrimento, ela se embasará em seus fundamentos”.

Na grande maioria das situações, a gravidez é um período de desenvolvimento humano e espiritual em que a ansiedade vai dando lugar à alegria de acolher a vida. “O nosso caçula, que chegou dez anos depois dos seus quatro irmãos, trouxe um verdadeiro frescor às nossas relações familiares, marcadas naquela época pelo confronto por vezes duro com os nossos adolescentes”, diz Francisco, após uma gravidez experimentada com dificuldade por Anne, sua esposa. Depois dos filhos mais velhos terem nascido tão próximos um do outro, ele também teve a sensação de aproveitar melhor a primeira infância de seu último filho. Quanto às necessidades materiais, elas foram muitas, mas a descontração do pai experiente e a ajuda dos filhos mais velhos, que ficaram todos muito felizes por acolher e cuidar do irmão mais novo, compensou tudo: Para ele, já não precisávamos de babá! No plano espiritual, “este nascimento surpresa fez-nos sentir a nossa pobreza e obrigou-nos a assumi-la com humildade”, testemunha.

Sophie Le Pivain

Tags:
CasamentoGravidez
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Jim Caviezel
J-P Mauro
Jim Caviezel fez o que pode ser considerado um dos maiores discur...
2
ALTAR BOY,
Un cammino chiamato famiglia
Coroinha desmaia durante Via Sacra, mas a cru...
3
Padre Gilvan Manuel da Silva perde pais e irmãos para covid-19
Reportagem local
Padre perde pais e irmãos para covid-19 e afirma: “Continua...
4
Reportagem local
Santo Sudário, novo estudo: “Não é imagem de morto, mas de ...
5
PRINCE PHILIP
Cerith Gardiner
11 fatos interessantes sobre o falecido príncipe Philip
6
FRANCISCO AND JACINTA MARTO
Tom Hoopes
As lições dos pastorinhos de Fátima aplicadas ao coronavírus
7
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
10 coisas sobre São José que você precisa saber
Ver mais