Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 17 Abril |
Santa Catarina Tekakwitha
home iconEstilo de vida
line break icon

Retornar ao trabalho depois dos 40 anos, missão impossível? 

BEAUTIFUL WOMAN WORKING

By Roman Samborskyi | Shutterstock

Edifa - publicado em 28/12/20

Após os 40 e depois de terem passado vários anos dedicando-se exclusivamente aos filhos, algumas mulheres decidem voltar-se novamente ao mercado de trabalho. Eles testemunham sua corrida de obstáculos

No currículo, há um intervalo de dez, quinze, às vezes até vinte anos em que não exerceram nenhuma atividade profissional. Um período que essas mães, embora graduadas, optaram por dedicar à educação de seus filhos. Até o dia em que, movidos por desejo pessoal ou necessidade, começaram a procurar emprego.

“Sempre precisei ter planos. À medida que as crianças cresciam, minha agenda ficava mais leve”, explica Isabelle, mãe de nove filhos que conseguiu seu primeiro emprego remunerado em 2016 aos 46 anos. “Comecei a fazer voluntariado, depois com os filhos iniciando o ensino superior, achei que uma compensação financeira seria bem-vinda. Laurence nunca teve tempo para trabalhar como assistente social, profissão que se formou na véspera do casamento, antes de dar à luz seus seis filhos.”

“Aos 47 anos, queria ser útil de uma forma diferente e sabia que tinha o meu valor na área. Foi um desafio. E dizia a mim mesma que se ficasse em casa ia acabar andando em círculos, principalmente quando as crianças saíssem do ninho!”, brinca.

Carreira

É acima de tudo a sede de reconhecimento social que levou Valéria, 43, a considerar uma carreira profissional. “Optei por ficar em casa para cuidar dos meus cinco filhos. Estava feliz, mas profundamente irritada com a visão negativa que a sociedade tem das mães que são donas de casa. Eu precisava provar para mim mesma que era capaz de trabalhar. Outras pessoas não tiveram escolha, devido à viuvez ou divórcio.

“Trabalhar, sim, mas em que exatamente? E quem iria querer uma recém chegada grisalha?” Valéria se perguntou. Apesar de sua grande motivação e uma especialização em direito público, esta parisiense sentiu-se incapaz de entrar no mundo do trabalho. “Para mim, foi como entrar em um mundo desconhecido. Eu nunca tinha trabalhado. Nos jantares, eu sentia que estava errando o alvo. Não consegui entender uma palavra das conversas de trabalho que eram crivadas de abreviaturas e palavras próprias da área. Adorava escrever e ler jornais. Então um amigo sugeriu que eu me tornasse jornalista. Pensei comigo mesma: ‘Por que não?’. Eu tinha 38 anos”.

Comece humildemente e não seja exigente

Primeiro passo: monte o seu currículo. Primeiro tapa também: “Enquanto eu vivia a cem milhas por hora desde o nascimento do meu filho mais velho, minha vida se resumia em cinco linhas!”. Seguindo o conselho do marido, Valéria acrescentou seus vários compromissos como delegar, escrever artigos no jornal da escola, liderar o grupo na Unidade de Escoteiros da França. Uma amiga a ajudou com uma entrevista de emprego fictícia em um bistrô.

“Eu não estava começando! Como eu não tinha experiência profissional, ela me aconselhou a destacar minhas qualidades pessoais e me ajudou a identificá-las: trabalhadora, pontual, organizada, sociável, motivada. Ela também me deu um conselho precioso: se alguém lhe perguntar algo específico que você não sabe, você responde: “Não sei fazer, mas posso aprender!”. Mostre que está motivada!”. Graças à sua rede de amigos Valéria conseguiu um primeiro estágio em um grande jornal. “Eu não poderia fingir que estava pronta para uma posição de jornalista. Então comecei do início, modestamente. Durante as reuniões editoriais, eu estava sentado em um banco com os alunos do terceiro ano que estavam fazendo estágio de observação!”.

Atualização

Começar com humildade e não ser exigente, essa também era a política de Sophie, que teve de arrumar emprego aos 42 anos por motivos financeiros. Um mestrado em gestão enterrado na memória, nenhuma experiência profissional, a certeza de que ninguém a esperava em lugar nenhum. A mãe de quatro filhos empurrou a porta da ANPE (Agência Nacional de Emprego). Pouco convencida pelas chamadas sessões de “coaching”, ela consultou, no entanto, um extenso catálogo de cursos de treinamento financiados pelas autoridades locais.

“Fiz um curso de atualização de três meses em contabilidade e automação de escritório, seguido de um estágio prático de três semanas. Lá aprendi a usar o Word e o Excel, pois os computadores ainda eram escassos quando eu era estudante. E acima de tudo, a formadora me disse que “eu não estava sem fazer nada há quinze anos”, que como mãe fui versátil: sabia gerir horários complicados e imprevistos, adaptar-me a diferentes situações e personalidades. Ela me devolveu minha autoconfiança”. No final do estágio, bingo! O mesmo treinador informa que um de seus ex-estagiários está procurando assistente.

“A posição proposta não correspondia às minhas ambições, era longe de casa, numa estrutura muito grande e bastante fria, mas aceitei, dizendo a mim mesma que sempre me daria uma experiência. Posteriormente, Sophie encontrou uma posição administrativa “não muito interessante, mas próxima dela” em um pequeno negócio. Graças à movimentação de pessoal, gradualmente subiu na hierarquia e agora está encarregada de compras. “Essa é a vantagem das empresas pequenas”, ela enfatiza, “você pode se mover mais facilmente de uma posição para outra”.

Voluntariado, uma transição suave

Esta valiosa experiência profissional que falta ao seu currículo, algumas mulheres adquiriram, muitas vezes sem se dar conta, através do voluntariado, de acesso mais fácil. “É um verdadeiro trampolim para a vida profissional. A transição está ocorrendo sem problemas, porque não passamos pelo mesmo estresse de um trabalho remunerado, enquanto desenvolvemos nossas habilidades”, disse Laurence que, após trabalhar para uma associação de famílias adotivas, foi contratada por uma associação de ajuda mútua dentro da Marinha francesa. “Como esposa de marinheiro, estive em um ambiente que me era familiar, o que facilita muito a tarefa”.

Isabelle também fez suas primeiras tentativas de gerente de negócios de forma voluntária, criando um centro de compras para famílias. “Tirei minha inspiração de minha vida diária como mãe. Tudo que eu perdi ao criar meus filhos, incluindo uniformes escolares, se tornou uma inspiração para começar meu negócio. Uma atividade para a qual seus estudos de enfermagem mal a haviam preparado. “Quando comecei, mal sabia enviar um email!”, lembra a mãe, que trabalhava muito, até quarenta horas por semana, cuidando da casa.

“Essas habilidades adquiridas no mundo associativo abriram o mundo dos negócios para mim. Também é verdade que uma grande família é administrada um pouco como uma PME. Mas nós não vamos assim de gerenciar compras em casa para administrar um negócio. São dois mundos muito diferentes. Sem a minha experiência de voluntariado, não teria conseguido”, garante. Sem falar que esses poucos anos permitiram que ele construísse uma sólida agenda de endereços. Um precioso passo que abriu as portas de uma rede de pronto entrega infantil na qual fundou um departamento de “uniformes escolares”.

De volta aos bancos da escola 

Para iniciar uma atividade profissional, outras mães voltam à escola. Muitas delas fazem concurso para professores de escolas. Mathilde, decidiu passar a magistratura aos 46 anos. “Eu havia exercido a advocacia por cinco anos antes de me dedicar aos meus quatro filhos. Eu poderia ter tentado entrar novamente em uma empresa, mas passar em uma competição me permitiu saber objetivamente do que eu ainda era capaz. Eu precisava saber se meus neurônios haviam ultrapassado a data de validade”, ela ri.

Ela se inscreveu em uma preparação. Foi um ano agitado. “Eu me sentia um pouco velho com meu caderno e canetas enquanto todos os outros faziam suas anotações no computador. Mas a parte mais difícil foi sentar e me concentrar por horas ouvindo as aulas. Eu havia perdido o hábito. Cinco horas de competição simulada me aguardavam todas as tardes de sábado. E como a competição foi em setembro, passei o verão revisando, mas estava me divertindo intelectualmente”, lembra ela. Seu marido teve que assumir o commando em casa. “Ele cuidava de tudo: suprimentos, reuniões de pais e professores, direção. Era tudo novo para ele também. Desde o início do nosso casamento, eu tinha administrado tudo. Depois de ter passado no concurso, fiz um estágio de oito meses no interior. Eu só voltava para casa nos fins de semana. Felizmente ele estava lá. Eu senti que ele estava orgulhoso de mim. Sem sua ajuda e incentivo, eu não teria conseguido”.

Para as sortudas de ter um marido ao lado, o apoio deles pode ter sido essencial. Apoio logístico, mas também técnico (na busca de anúncios de emprego, na ajuda na redação da carta de apresentação, assessoria para a entrevista de emprego, introdução à informática) e, principalmente, ajuda psicológica. Alguns, porém, ficam irritados ao ver suas esposas saindo de casa. Camille teve que lutar muito para que seu marido aceitasse um trabalho de meio período em uma imobiliária. “Não era vital financeiramente, é claro, mas eu precisava disso para meu equilíbrio pessoal”, explica ela. Para ele, o argumento não era válido. Eu aguentei graças ao incentivo de minha mãe e meus amigos. Finalmente, quando percebeu que a casa não estava caindo e que as crianças não estavam incomodadas, ele precisou ceder”.

Cuide de seus filhos e prospere no mundo do trabalho ao mesmo tempo!

Como aquelas que sempre trabalharam, essas mulheres se preocupam em preservar o equilíbrio familiar, mas com uma dificuldade adicional: a da mudança de regime, que deve ser acompanhada com delicadeza. “Se você trabalhar, é um estranho que vai me buscar seu filho na escola”, a filha de Caroline ficou assustada. Habituados à presença da mãe, os filhos devem aprender a se defender sozinhos. Os de Françoise começaram protestando. “Tivemos que ensinar-lhes novas regras. Eles perceberam que algumas coisas não eram feitas por eles mesmos, que se não limpassem a mesa do café da manhã, iriam encontrar suas tigelas na hora do almoço. Isso fez bem a eles e a mim também!”, explica a mãe que reservou suas quartas-feiras para seus filhos.

Secretária de meio período e trabalhando em casa, Marie acha difícil separar a vida familiar da vida profissional. “Como sempre estive disponível 24 horas por dia para eles, as crianças correm para o meu escritório sem avisar. Tive de impor uma regra: quando minha porta estiver fechada, não devo ser incomodada. Isabelle, por sua vez, providenciou para estar presente no final da aula e para os deveres noturnos, mesmo que isso significasse trabalhar à noite quando as crianças estivessem dormindo. “Eles continuam sendo minha prioridade, mas também tenho que ter certeza de que sou competente no escritório. Tudo isso requer uma organização militar. Na verdade, você tem que marcar todas as caixas, caso contrário, você paga de um lado ou de outro”.

Confiança

Sim, as aconselho aos recrutadores. Por estarem motivadas e precisarem lutar para atingir seus objetivos, essas novas “mulheres ativas” são ultra conscienciosas e combativas. “Eu estava no topo de tudo para atender a confiança que foi depositada em mim. Comprei livros para me atualizar”, lembra Claire, que retomou a profissão de enfermagem após um intervalo de quinze anos. “Quando sabemos que temos apenas quinze anos para ‘fazer uma carreira’, damos o nosso melhor”, diz Valéria. E acima de tudo, elogia Mathilde, “temos o entusiasmo de um iniciante, uma certa experiência de vida e uma grande capacidade de adaptação graças aos nossos filhos”.

Entusiasmada e feliz. “As mulheres têm sorte de terem várias vidas”, conclui Françoise. O que não podíamos fazer antes, podemos fazer depois. Tive a sorte de poder cuidar de meus filhos quando eles precisavam e continuar a prosperar no mundo do trabalho. Agradeço ainda mais porque minhas filhas provavelmente não terão as mesmas condições que eu”.


Busy - Mom - Mother - Baby - Work

Leia também:
Marido, filhos, trabalho, lazer… Ao quê a mulher deve dar a prioridade?

Elisabeth Caillemer

Tags:
FamíliaMulherTrabalho
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Não desprezem o templo nem posem de católicos avançados, alerta o...
3
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
4
SPANISH FLU
Bret Thoman, OFS
Como o Padre Pio encarou a pandemia de gripe espanhola
5
MARY, CRUSH, SNAKE
Desde la Fe
10 poderosas armas para lutar contra o demônio
6
Frei Jorge e o cãozinho frei Carmelito
Francisco Vêneto
Humanizar os animais não é amá-los, pois desrespeita sua natureza...
7
Aleteia Brasil
Havia um santo a bordo do Titanic?
Ver mais