Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 14 Junho |
Santo Eliseu
home iconEstilo de vida
line break icon

Problemas de dinheiro no casal: como evitar conflitos?

PLANOWANIE BUDŻETU DOMOWEGO

Shutterstock

Edifa - publicado em 10/05/21

O amor não leva a conta, diz o ditado popular. No entanto, falar muitas vezes de dinheiro no casal pode evitar ter que acertar as contas...

“No século XIX, a sociedade estava obcecada com o saber; no século XX, com o poder; no século XXI, o dinheiro é o que manda”, afirma o padre Geoffroy Marie, prior de Notre-Dame de Cana, em Troussures (França), que há vinte e cinco anos recomenda retiros para casais. A influência da sociedade de consumo sobre os casais nunca foi tão forte: “Quem não fala de dinheiro pode respirar a poluição sem perceber”, diz o padre. A relação com o dinheiro deve ser abordada a partir do namoro, de acordo com o prior, porque “esta questão importante esconde uma dimensão antropológica”, a tal ponto que o padre Guillaume de Menthière, um padre que mora em Paris, teve que acrescentar um módulo sobre este assunto em seus preparativos para o casamento. O dinheiro deve ser gasto, acumulado ou transmitido? Como dar a essa preocupação o seu devido lugar?

Contrato de casamento, conta conjunta …

Antes mesmo do noivado, a escolha do contrato de casamento revela os anseios de cada um. No regime de bens comunitários, o mais coerente por traduzir economicamente a indissolubilidade do casamento, os bens adquiridos durante a vida conjugal são repartidos igualmente entre os cônjuges. No regime de separação de bens, por outro lado, cada um continua a ter o que ganha. Os noivos deveriam falar sobre o que o contrato escolhido lhes inspira – muitas vezes proposto pelos pais ou unilateralmente – porque um dos cônjuges pode ficar chateado e ler na proposta uma certa desconfiança no casal. “Em caso de problema, ele quer que o dinheiro fique na família”, interpretou uma jovem esposa ao saber que seu noivo caminhava para uma separação de bens. No entanto, o marido tranquilizou-a ao explicar que, tendo criado uma empresa, escolheu esse contrato para protegê-la em caso de falência.

A título de reflexão, os casais contentam-se em responder à pergunta: “Quem paga o quê?” Quando a criança chega, a questão de ficar em casa é realmente falada ou muitas vezes se torna um tabu? Aldo Naouri, especialista em relações intrafamiliares, dedica um lugar importante a esse assunto em seu livro Les Couples et leur argent [Os casais e o seu dinheiro]. Segundo ele, o acesso das mulheres ao mercado de trabalho significou “uma mudança brutal na mentalidade dos nossos entes mais próximos, homens ou mulheres, que ainda não foi totalmente digerida”. A mulher que decide ficar em casa sem receber um salário é um ponto que também é cada vez mais mencionado nos conflitos conjugais vividos por Sabrina de Dinechin, presidenta da Associação de Mediadores Cristãos da Família, na França. A mediadora deve usar todo o seu talento para que os casais entendam que “não só participam das necessidades do casal contribuindo com dinheiro forte e rápido, mas também no dia a dia, principalmente com os cuidados que uma mãe pode ter com seu filho: atenção, tarefas, tempo…”. Uma mãe que não ganha dinheiro deve poder dispor do que seu marido ganha e até mesmo tomar as rédeas da economia comum, cada qual contribuindo com seu grão de areia específico dentro da família.

Quer seja a conta comum ou sejam feitos pagamentos compensatórios, “não há patrimônio financeiro objetivo para um casal”, avisa a mediadora de família, Véronique Gervais. É aí que reside todo o problema. O dinheiro nem sempre representa o mesmo para ambos os cônjuges. Em primeiro lugar, o fato dos pais serem pessoas que gastam muito o dinheiro ou poupadores pode ter um impacto na maneira como consideram o dinheiro para os seus filhos. Será então conveniente para os cônjuges “desenraizarem-se das suas cidades de origem para finalmente se reenraizarem juntos”, explica Aldo Naouri.

A vida de casado está repleta de dilemas financeiros

Então, o dinheiro pode ter uma carga simbólica diferente. Um homem muito ocupado pode compensar sua ausência abastecendo sua esposa financeiramente, por exemplo. “O dinheiro é mais do que dinheiro”, analisa a mediadora de família. “Não significa necessariamente agarrar-se a 10 euros, pode responder a um pedido de reparação, a uma necessidade de segurança, a uma forma de se afirmar, de existir aos olhos do outro”. O dinheiro pode representar o sucesso, o poder ou um teste de segurança. Um dos cônjuges pode trabalhar muito porque precisa de uma avaliação, o outro por falta de segurança emocional. Se os casais investigassem a origem de suas divergências financeiras, poderiam se entender melhor.

Tanto mais que toda a vida conjugal está marcada por dilemas financeiros, como aponta Dominique Larricq, monitora da equipe francesa de casais Tandem: “Viajar ou ajudar um parente?”, “Comprar ou deixar em herança?”. “No momento que cada um tenha claro qual é a sua relação com o dinheiro, eles podem refletir (como um casal) sobre seu uso justo comum”, explica Flore Barbet-Massin, coordenadora do programa Zachée. Este programa de autoformação francês de treze tardes seguindo a doutrina social da Igreja, com aulas e grupos de conversação, propõe principalmente exercícios práticos. Ao identificar seus “bens fúteis e férteis”, Flore e Christophe, por exemplo, “perceberam o que estava perturbando em seu caminho”. Ao conhecer melhor suas fraquezas mútuas, eles podem se entender melhor e ajudar um ao outro a não cair em suas excentricidades. Flore é mais resistente à “terapia por meio das compras”, como ela chama com humor; Christophe se obriga a seguir melhor as contas para tranquilizá-la. Juntos, eles aprendem a “saber onde enfatizar” entre gastar e acumular….

As decisões econômicas do casal demonstrarão uma adesão ao espírito do mundo, ou, ao contrário, seu distanciamento. É aí que o dinheiro pode tornar suas prioridades concretas. “Desistir da aposentadoria ou pagar os estudos dos filhos?”, as duas partes podem divergir. Diante de impasses, o padre Geoffroy-Marie refere-se a uma questão mais fundamental: “O uso do meu dinheiro permitirá que eu seja quem eu sou, em relação a mim mesmo, meu cônjuge ou nosso relacionamento como casal?” Quer administre a abundância ou a falta, o casal cristão deve se perguntar sobre sua relação com o dinheiro à luz do Evangelho. O perigo? “A idolatria”, de acordo com o padre Geoffroy-Marie, ou quando a relação com o dinheiro pesa sobre o casal até o ponto de influenciar na percepção do próprio sentido de sua vida.

Fazer um balanço uma vez por ano

Um casal não é definido por sua riqueza ou pobreza material, mas por quem ele realmente é. Tornar-se proprietário ajudará você a crescer? Você tem que aceitar aquele trabalho que é mais bem pago, mas requer mais tempo? Querer acumular a qualquer preço, mesmo que seja para transmiti-lo, corre o risco de fazer do dinheiro uma divindade. E, portanto, ficar separado de Deus.

“Como encontrar um trabalho justo de ter que permitir o crescimento do ser?”, pergunta o padre Geoffroy-Marie, que destacou que “uma pessoa ancorada no ser tem uma relação mais fácil com o dinheiro, mais desapegada”. O padre “exorta os noivos” a falar sobre o assunto e repete com insistência nos seus retiros de Troussures que é necessário fazer um balanço como casal uma vez por ano. Na verdade, “por trás da relação com o dinheiro, há uma relação com a vida e quem não fala disso coloca um lugar importante na vida de casal entre parênteses”, diz o padre Geoffroy-Marie.

O padre Geoffroy-Marie pede então aos esposos que se perguntem como podem levar em conta o perigo do dinheiro, denunciado na Bíblia. “Por que Jesus critica tanto os ricos? Não por causa de suas contas bancárias, mas porque essas riquezas podem facilmente se transformar em alienação”. A riqueza é neutra se não afeta nem o ser nem a felicidade do casal e se não inspira uma lógica de posse. Sentir-se culpado por possuir é estéril, mas o dinheiro pode ajudar a construir relacionamentos com outras pessoas, dando e compartilhando. Ser marido e mulher também não ajudam um ao outro a tomar boas decisões?

Olivia de Fournas

Tags:
CasamentoDinheiroTrabalho
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BABY GIRL
Mathilde de Robien
12 nomes de meninas cujo significado é ligado a Deus
2
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
3
Reportagem local
Poderoso filme de 1 minuto sobre casamento rende prêmio a cineast...
4
POPE FRANCIS - PENTECOST MASS - SUNDAY
Comunidade Shalom
Depois da Comunhão, o que (e por quem) é mais aconselhável rezar?
5
Reportagem local
Papa Francisco explica quais são os piores inimigos da oração
6
PASSION OF THE CHRIST
Cerith Gardiner
7 provações e tribulações que Jim Caviezel enfrentou ao interpret...
7
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da noite
Ver mais