Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Oração do dia
Festividade do diaHistórias de Santos

Bem-aventurada Anna Rosa Gattorno

Viúva, religiosa e fundadora (†1900)

Public Domain

Bem-aventurada Anna Rosa Gattorno

Nascida em Gênova no dia 14 de outubro de 1831, Anna Rosa provinha de uma família de posses e que havia se estabelecido na famosa cidade italiana. Seus pais eram pessoas muito piedosas e desde a mais tenra idade a formaram nos ideais da vida cristã. Transcorreu a vida com certa tranquilidade e, com a idade de 21 anos, casou-se com o primo Jerônimo Custo, transferindo-se em seguida para a cidade de Marselha. Um revés nos negócios, no entanto, obrigou o jovem casal a retornar para Gênova, marcado agora pela pobreza. Outros problemas sinalizariam a vida da família de Anna: sua filha primogênita desenvolveu uma doença que a deixou surda e muda por toda a vida; além disso, seis anos após ter se casado, Anna assistiu a morte de seu marido e, alguns meses depois, a morte do filho mais novo. Diante dessas tragédias pessoais, Anna experimentou o que ela mesma chamara de “a sua conversão”. Tendo por guia seu confessor, o padre Giuseppe Firpo, Anna emitiu os votos privados perpétuos de castidade e de obediência na festa da Imaculada Conceição do ano 1858; em seguida, emitiu também o voto de pobreza como terciária franciscana. Em 1862 observou ter recebido do Senhor o dom dos estigmas, que eram vividos por ela com maior intensidade todas as sextas-feiras; apesar desse dom extraordinário, Anna procurou diligentemente ocultá-lo. Além de cuidar sempre de seus filhos, ela começou a se dedicar a obras de caridade: “dediquei-me com maior fervor às obras piedosas e a visitar os hospitais e os pobres doentes em suas casas, socorrendo-os com esmolas quando eu podia e servindo-os em tudo”. Em momento algum Anna quis abrir mão de seu papel de mãe de família, no entanto as pressões para que ela fundasse um grupo religioso voltado à caridade eram grandes. Após um longo discernimento, Anna desejou ouvir do próprio papa a confirmação de sua vocação. Desse modo, numa audiência do dia 3 de janeiro de 1866, o papa Pio IX a encorajou a abraçar a causa e a fundar uma obra nova voltada à caridade. Assim nascia a congregação das “Filhas de Sant’Ana, mãe de Maria Imaculada”. O grupo prosperou tanto que, já no ano de 1878 as primeiras Filhas de Sant’Ana eram enviadas para a Bolívia, Brasil, Chile, Peru, Eritreia, França e Espanha. Anna viveu todo o resto de sua vida a serviço do Senhor, até que no ano 1900, contagiada por uma grave gripe, ela foi piorando pouco a pouco, até que no dia 6 de maio, após ter recebido os sacramentos, morreu santamente na casa geral. Considerando a época em que viveu, a Bem-aventurada Anna Rosa representou uma expressão singular dos desígnios de Deus. Por meio de sua tríplice experiência de esposa, mãe e viúva e, depois, de religiosa fundadora, ela mostrou o quanto as mulheres podiam contribuir na difusão de um autêntico e genuíno espírito cristão em meio à sociedade por meio de formas novas que superavam os velhos conceitos que até então haviam se vigorado na sociedade cristã da época.

Descubra outros santos clicando aqui
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais