Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Festividade do dia

quarta-feira 11 dezembro
Bem-aventurados Martinho Lumbreras Peralta e Melquior Sanchez Perez

Sacerdotes Agostinianos e mártires (†1632)

JESUS
Compartilhar

Martinho Lumbreras nasceu em 1598 na Espanha, na região de Saragoça. Sua família fazia parte da nobreza da local. Ainda jovem entrou nas fileiras dos Agostinianos recoletos, fazendo seus votos em 1619. Sentindo o chamado à missão, partiu em 1622 para as ilhas Filipinas com outros missionários Agostinianos. Chegando em seu destino, após uma longa e árdua viagem, foi para o convento de Manila. Aí desempenhou algumas funções, como a de Mestre de noviços. Sendo oriundo de Saragoça, divulgou e cultivou nas Filipinas o culto de veneração à Virgem do Pilar. Contudo, seu desejo era o de partir para o Japão, mesmo sabendo dos perigos que a Igreja sofria nas terras nipônicas. Após alguns pedidos, em 1632 foi enviado para o Japão, tendo como companheiro o padre Melquior de Santo Agostinho; este, por sua vez, era também espanhol da cidade de Granada; havia nascido em 1599 e fizera seus votos na Congregação Agostiniana com 19 anos de idade. Desde 1622 estava como missionário nas Filipinas; durante esses anos, aprendeu as línguas locais e se destacou nos trabalhos apostólicos. Graças a uma negociação com comerciantes chineses, os dois missionários puderam ser levados para o Japão. Após uma travessia que durou oito dias, ambos chegaram em Nagasaki onde iriam estabelecer uma base. Infelizmente, por uma inimizade surgida entre os chineses que os haviam levado até ali, alguns resolveram denunciar a presença dos dois missionários cristãos para as autoridades. Ao serem informados da traição, Martinho e Melquior buscaram se refugiar nas colinas em torno da cidade. Encontraram o padre Domingos Equicia, missionário no Japão já há algum tempo. Puderam então se dedicar à aprendizagem da língua japonesa, mas, três meses depois, sentindo o impulso para a missão, resolveram descer até a cidade de Nagasaki. Foram capturados no dia 3 de novembro de 1632. Após tentativas de fazê-los renegar a fé, as autoridades, irritadas, os condenaram à morte: deveriam ser assados vivos. Acenderam fogueiras próximas aos postes onde foram atados: os algozes não apertaram muitos os laços, pois diziam que se quisessem salvar, bastava renegar a fé no Cristo e saírem por vontade própria do suplício. O primeiro a morrer foi Melquior, após quatro horas exposto ao fogo; Martinho resistiu por dezoito horas, causando maravilha naqueles que os observavam para ver se renegariam a fé. Suas mortes ocorreram no dia 11 de dezembro de 1632. Foram beatificados por São João Paulo II no dia 24 de abril de 1989.

Descubra outros santos clicando aqui

Vinde, adoremos o Rei que vai chegar.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
Em meio à treva escura,
ressoa clara voz.
Os sonhos maus se afastem,
refulja o Cristo em nós.

Despertem os que dormem
feridos de pecado.
Um novo sol já brilha,
o mal vai ser tirado.

Do céu desce o Cordeiro
Que traz a salvação.
Choremos e imploremos
Das culpas o perdão.

E ao vir julgar o mundo
No dia do terror,
Não puna tantas culpas,
Mas venha com amor.

Ao Pai e ao seu Filho
poder e majestade,
e glória ao Santo Espírito
por toda a eternidade.

Cântico 1Sm 2,1-10

Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes.Encheu de bens os famintos (Lc 1,52-53).

Exulta no Senhor meu coração,
e se eleva a minha fronte no meu Deus;
minha boca desafia os meus rivais
porque me alegro com a vossa salvação.

Não há santo como é santo o nosso Deus,
ninguém é forte à semelhança do Senhor!
Não faleis tantas palavras orgulhosas,
nem profiram arrogâncias vossos lábios!

Pois o Senhor é o nosso Deus que tudo sabe.
Ele conhece os pensamentos mais ocultos.
O arco dos fortes foi dobrado, foi quebrado,
mas os fracos se vestiram de vigor.

Os saciados se empregaram por um pão,
mas os pobres e os famintos se fartaram.
– Muitas vezes deu à luz a que era estéril,
mas a mãe de muitos filhos definhou.

É o Senhor quem dá a morte e dá a vida,
faz descer à sepultura e faz voltar;
é o Senhor quem faz o pobre e faz o rico,
é o Senhor quem nos humilha e nos exalta.

O Senhor ergue do pó o homem fraco,
e do lixo ele retira o indigente,
para fazê-los assentar-se com os nobres
num lugar de muita honra e distinção.

As colunas desta terra lhe pertencem,
e sobre elas assentou o universo.
Ele vela sobre os passos de seus santos,
mas os ímpios se extraviam pelas trevas.

Ninguém triunfa se apoiando em suas forças;
os inimigos do Senhor serão vencidos;
sobre eles faz troar o seu trovão,
o Senhor julga os confins de toda a terra.
O Senhor dará a seu Rei a realeza
e exaltará o seu Ungido com poder.

Glória ao Pai...

Leitura breve Is 7,14b-15
Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel; ele se alimentará de manteiga e mel até quando aprender a fugir do mal e a procurar o bem.

O Senhor é contigo, ó Maria, alegra-te, cheia de graça.
Ele voltou seu olhar para ti: realizou toda a sua esperança.

BENEDICTUS
Não sois vós quem falareis,
é o Espírito do Pai que em vós há de falar.

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Supliquemos, irmãos caríssimos, a nosso Senhor Jesus Cristo, que em sua misericórdia vem nos visitar;
e alegres repitamos:

R. Vinde, Senhor Jesus!

Vós, que, quando vierdes, havereis de manifestar vossa glória nos eleitos,
– mostrai agora, neste advento, a vossa clemência e bondade para com os pecadores. R.

Senhor Jesus Cristo, a alegria de nossa alma é vos louvar;
– visitai-nos com a vossa salvação. R.

Vós, que iluminastes os caminhos de nossa vida com a luz da fé,
– fazei que sempre vos agradecemos pelas obras de justiça e fidelidade. R.

(Intenções livres)

Pai nosso ...

Oração
Concedei-nos, ó Deus, permanecer fiéis ao culto dos vossos mártires, promovido na vossa Igreja pelo papa São Dâmaso. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Vinde a mim vós todos que estais oprimidos de trabalhos...

Por que todos nos cansamos, senão por que somos mortais que carregamos vasos de barro que nos colocam em tantas angústias? Mas se os frágeis vasos da carne nos afligem, nos desdobremos nos espaços da caridade. Para que diz: “Vinde a mim vós todos que estais oprimidos de trabalhos”, senão para que não nos cansemos? “Aprendei de mim...” Não para criar o mundo, não para fazer grandes maravilhas, mas aprendei de mim a ser manso e humilde de coração. Queres ser grande? Começa sendo pequeno. Tentas construir um edifício grande e alto? Pensa primeiro em sua fundação de humildade. E quanto mais tentas de elevar o edifício, mais profundamente precisas cavar sua fundação. E até que ponto tem que tocar a cúpula do nosso prédio? Até a presença de Deus. Aqueles que ousadamente carregavam o jugo do Senhor em suas cabeças enfrentaram perigos tão difíceis que parece que são chamados, não do trabalho para o descanso, mas da inação para o trabalho, como diz o próprio apóstolo (2Cor 6): “O Espírito Santo é certamente aquele que renova o homem interior dia após dia, no meio das ruínas do homem exterior e, uma vez que tenha experimentado a tranquilidade espiritual, neste afluxo das delícias de Deus, na esperança dos bens eternos, todo o presente perde sua aspereza e tudo aquilo que é pesado torna-se leve. Os homens sofrem por serem despedaçados e queimados, não apenas para não sofrer as penas eternas, mas também para evitar, através de uma dor muito viva, mas momentânea, outros sofrimentos prolongados. Que tempestades e inclemências não sofrem os comerciantes, a fim de obter riquezas banais? As mesmas penas são sentidas tanto por aqueles que não buscam essas riquezas como aqueles que as procuram. Mas neles, elas não são tão terríveis, porque o amor suaviza e torna fáceis as coisas mais inclementes e difíceis. Com quanta maior razão tornará mais fácil tudo o que é difícil, a caridade que visa a verdadeira felicidade e não a paixão, que, por sua vez, tende a um fim miserável?
Santo Agostinho
Sermo 69,1-2; 70,1
Bispo de Hipona e doutor da Igreja (354-430).

Vinde, adoremos o Rei que vai chegar.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
Eterna luz dos homens,
dos astros Criador,
ouvi as nossas preces,
de todos Redentor.

Ao ver compadecido
do mundo a perdição,
em vosso amor viestes
trazer-lhe a salvação.

Se a sombra do pecado
a tudo escurecia,
Esposo, vós saístes
do seio de Maria.

Ao simples ecoar
do vosso nome eterno,
joelhos vão dobrando
o céu, a terra, o inferno.

Um dia voltareis,
Juiz e Rei de tudo.
Oh daí-nos hoje a graça,
na tentação escudo.

Ao Pai e ao Filho glória,
ao Espírito também,
louvor, honra e vitória,
Agora e sempre. Amém

Salmo 66(67)

Sabei que esta salvação de Deus já foi comunicada aos pagãos (At 28,28).

Que Deus nos dê a sua graça e sua bênção,
e sua face resplandeça sobre nós!
Que na terra se conheça o seu caminho
e a sua salvação por entre os povos.

Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor,
que todas as nações vos glorifiquem!

Exulte de alegria a terra inteira,
pois julgais o universo com justiça;
os povos governais com retidão,
e guiais, em toda a terra, as nações.

Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor,
que todas as nações vos glorifiquem!

A terra produziu sua colheita:
o Senhor e nosso Deus nos abençoa.
Que o Senhor e nosso Deus nos abençoe,
e o respeitem os confins de toda a terra!

Glória ao Pai...

Leitura 1Cor 4,5
Não queirais julgar antes do tempo. Aguardai que o Senhor venha. Ele iluminará o que estiver escondido nas trevas e manifestará os projetos dos corações. Então, cada um receberá de Deus o louvor que tiver merecido.

Eis o tempo favorável, eis o dia da salvação!
O Reino de Deus está perto.

MAGNIFICAT
Cidade de Deus, hás de ser renovada
e verás o teu Justo no meio de ti.

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,

como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Roguemos humildemente, irmãos caríssimos, a Jesus Cristo que libertou das trevas do pecado; e o invoquemos com toda confiança:

R. Vinde, Senhor Jesus!

Reuni, Senhor, numa só fé todos os povos da terra,
- e confirmai para com eles vossa aliança eterna. R.

Cordeiro de Deus, que viestes tirar o pecado do mundo,
- purificai-nos de toda mancha de pecado. R.

Vós, que viestes salvar o que estava perdido,
- vinde novamente para que não se percam os que remistes com o vosso sangue. R.

Concedei a vossa alegria eterna, quando vierdes no último dia,
- àqueles que vos procuram na fé e na esperança. R.

(Intenções livres)

Vós, que haveis de vir para julgar os vivos e os mortos,
- admiti com bondade entre os eleitos os nossos irmãos e irmãs falecidos. R.

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Alma Redemptoris mater,
Quae pervia caeli porta manes
Et Stella Maris
Succurre cadenti
Surgere qui curat populo

Tu quae genuisti
Natura mirante
Tuum sanctum Genitorem
Virgo prius, ac posterius
Gabrielis ab ore
Sumens illud Ave
Peccatorum miserere

(Tradução)
Ó Doce mãe do Redentor
Que permanece, do céu, uma porta aberta
E estrela do mar
Ajuda teu povo que está caindo
E que deseja se levantar

Tu que destes à luz
Com toda natureza admirando
Teu Santo Criador
Virgem antes e depois
Recebendo aquela saudação
Da boca de Gabriel
Tende piedade de nós pecadores

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho segundo São Mateus 11,28-30.
Naquele tempo, Jesus exclamou: «Vinde a Mim, todos os que andais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei.
Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas.
Porque o meu jugo é suave e a minha carga é leve».

Boletim
Receba Aleteia todo dia