Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Agosto |
Bem-aventurado Gabriel Maria de Benifayó
Aleteia logo
Oração do dia
Festividade do diaHistórias de Santos

São Policarpo 

Bispo e mártir (†155)  

shutterstock_1873447120.jpg

Kzenon | Shutterstock

Policarpo nasceu no ano de 69, na cidade de Esmirna, cidade do Sudoeste da atual Turquia situada na Região do Egeu. Seus pais eram cristãos e segundo o testemunho de Santo Irineu, que o ouviu discursar quando jovem, foi discípulo do Apóstolo São João. Nomeado bispo de Esmirna na virada do século (em meados do ano 100), desempenhou as funções de seu ministério durante cinquenta anos. Em 154 foi a Roma para discutir com Papa Aniceto sobre a data oficial da Páscoa, que já era um assunto de tensão entre cristãos do Oriente e do Ocidente. Não conseguiram chegar a um acordo, mas mantiveram boas relações. Policarpo combateu numerosas seitas que ele julgava heréticas, particularmente algumas gnósticas e notadamente os Marcionitas. Hospedou Inácio de Antioquia quando este passou por sua cidade a caminho do martírio em Roma. Os dois bispos se tornaram amigos e Inácio escreveu para ele, a partir de Troas, uma carta de agradecimento pela acolhida e pedindo que enviasse missionários para fortificar sua comunidade na fé cristã. Foi graças a Policarpo que se conservou o corpo das sete cartas de Inácio, pois ele as fez circular nas comunidades da Ásia Menor. Quando surgiu a perseguição comandada pelo imperador e filósofo Marco Aurélio, Policarpo já estava em idade avançada. Após ser interrogado pelo representante do imperador foi condenado a ser queimado vivo numa data desconhecida, por volta do ano 155.

Em sua Carta a Florino, Santo Irineu de Lion, reconhece que foi dele que recebeu sua fé que era proveniente da tradição joanina. A única obra, atribuída a Policarpo, que sobreviveu aos nossos dias é a Epístola de Policarpo aos Filipenses, enviada no ano 110. É um mosaico de referências às Escrituras em grego, preservada no relato de Santo Irineu sobre a vida do bispo de Esmirna. Nela há um trecho do “Martírio” que tem a forma de carta circular da Igreja de Esmirna para as demais igrejas da província do Ponto, é parte de uma coleção de escritos dos Padres apostólicos. Juntamente com os Atos dos Apóstolos, que contém o relato do martírio de Santo Estevão, o ‘Martírio de Policarpo’ é considerado como sendo um dos relatos mais antigos e genuínos de martírios cristãos e um dos poucos relatos sobreviventes, compostos à época das perseguições.

Descubra outros santos clicando aqui
PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais