Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Festividade do dia

quarta-feira 23 janeiro
Santo André Chong (Tyong) Hwa- Gyŏng

Bispo e Mártir (†1840)

PIANO
Compartilhar
Santo do dia

André Chong (ou Tsieng) Hwa-Gyŏng nasceu por volta de 1808, no distrito Cheongsan de Chungcheong, Coréia do Sul.
Já adulto, teve que deixar sua cidade natal para viver sua fé cristã com mais liberdade, mas perdeu praticamente todos os seus bens materiais, inclusive os que garantiam sua subsistência.
Além de catequista, trabalhou para encontrar um refúgio seguro para o monsenhor Laurent Imbert, o terceiro vigário apostólico da Coréia, e encontrou-o na casa de seu amigo André Son Kieng-sie.
Um dia, ele encontrou um homem, Kim Yo-sang, que lhe deu boas notícias: oficiais do governo decidiram acabar com as perseguições aos cristãos e queriam receber o batismo das mãos do bispo Imbert e assim precisavam saber onde ele estava. Ficou muito feliz com a notícia, mas depois de pensar sobre aquilo durante uma a noite inteira, disse que iria avisá-lo sozinho. Forçado, no entanto, a ser seguido pelos guardas, ele consentiu, sob a condição de que ficassem no meio do caminho e não fossem adiante.
Assim, à uma hora da madrugada de 10 e 11 de agosto de 1839, seguido unicamente por Kim Yo-sang, que parou a alguma distância da casa de André Son Kieng-sie, André foi ver o bispo e contou-lhe o que tinha acontecido. Monsenhor Imbert compreendeu que era uma armadilha, mas não escapou: para evitar problemas para o seu povo, entregou-se àqueles que vieram prendê-lo, em 11 de agosto de 1839.
André Chong, libertado a pedido do bispo, foi novamente enganado por espiões que queriam saber onde os missionários Jacques Chastan e Pierre Maubant haviam se escondido, pois há poucos dias haviam fugido para o sul. “Ele tem a metade do que é preciso para fazer um bom e útil cristão neste país: a simplicidade da pomba”, comentou, citando o Evangelho segundo Mateus, o padre Maubant.
O pobre homem, incluindo seu erro, queria se entregar às autoridades, mas os missionários ordenaram que ele se escondesse e não acreditasse mais em ninguém, a menos que ele fosse um de seus ajudantes que escapasse da prisão. No entanto, foi descoberto.
Por duas vezes André já havia sido preso e pouco depois de libertado, porque sua simplicidade de espírito não parecia constituir um grande perigo. A terceira, no entanto, nem sua natureza, nem o serviço involuntário dado ao governo lhe renderam libertação. Embora tenha sido repetidamente submetido à tortura de dobrar os ossos, permaneceu firme na fé.
Depois de cinco meses de prisão, foi executado por estrangulamento em Seul, em 23 de janeiro de 1840. Monsenhor Imbert e Padres Chastan e Maubant, por outro lado, haviam sido decapitados em 21 de setembro de 1839, enquanto isto o filho de André que havia apostatado, também se arrependeu e foi igualmente estrangulado.
A causa de André Chong Hwa-Gyŏng juntou-se à de outros mártires coreanos, cujas mortes devido ao ódio à fé cristã foram ratificadas por decreto tornado público em 9 de maio de 1925. Tal medida abriu o caminho para a beatificação de todos, celebrada em 5 de julho de 1925.
O grupo ao qual eles pertenciam foi reunido a outro, num total de cento e dois beatos.
Estes cento e dois beatos foram canonizados juntos, pelo Papa São João Paulo II, na Praça Youido, em Seul, durante a sua viagem apostólica à Coréia do Sul, Papua Nova Guiné, Ilhas Salomão e Tailândia no dia 6 de maio de 1984.

Descubra outros santos clicando aqui

Oração para esta manhã

Como um rebanho conduzistes vosso povo
e o guiastes por Moisés e Aarão!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
Criador das alturas celestes,
vós fixastes caminhos de luz
para a lua, rainha da noite,
para o sol, que de dia reluz.

Vai-se a treva, fugindo da aurora,
E do dia se espalha o clarão.
Nova força também nos desperta
e nos une num só coração.

O nascer deste dia convida
a cantarmos os vossos louvores.
Do céu jorra uma paz envolvente,
harmonia de luz e de cores.

Ao clarão desta luz que renasce,
Fuja a treva e se apague a ilusão.
A discórdia não trema nos lábios,
A maldade não turve a razão.

Quando o sol vai tecendo este dia,
brilhe a fé com igual claridade,
cresça a espera nos bens cresça
a espera nos bens prometidos
e nos una uma só caridade.

Escutai-nos, ó Pai piedoso,
e vós, Filho, do Pai esplendor,
que reinais, com o Espírito Santo,
na manhã sem ocaso do amor.

Salmo 76(77)
Somos afligidos de todos os lados, mas não vencidos (2Cor 4,8).

Quero clamar ao Senhor Deus em alta voz,
em alta voz eu clamo a Deus: que ele me ouça!
No meu dia de aflição busco o Senhor;
sem me cansar ergo, de noite, as minhas mãos,
e minh’alma não se deixa consolar.

Quando me lembro do Senhor, solto gemidos,
e, ao recordá-lo, minha alma desfalece.
Não me deixastes, ó meu Deus, fechar os olhos,
e, perturbado, já nem posso mais falar!

Eu reflito sobre os tempos de outrora,
e dos anos que passaram me recordo;
meu coração fica a pensar durante a noite,
e de tanto meditar, eu me pergunto:

Será que Deus vai rejeitar-nos para sempre?
E nunca mais nos há de dar o seu favor?
Por acaso, seu amor foi esgotado?
Sua promessa, afinal, terá falhado?

Será que Deus se esqueceu de ter piedade?
Será que a ira lhe fechou o coração?
Eu confesso que é esta a minha dor:
‘A mão de Deus não é a mesma: está mudada!’

Mas, recordando os grandes feitos do passado,
vossos prodígios eu relembro, ó Senhor;
eu medito sobre as vossas maravilhas
e sobre as obras grandiosas que fizestes.

São santos, ó Senhor, vossos caminhos!
Haverá deus que se compare ao nosso Deus?
Sois o Deus que operastes maravilhas,
vosso poder manifestastes entre os povos.
Com vosso braço redimistes vosso povo,
os filhos de Jacó e de José.

Quando as águas, ó Senhor, vos avistaram,
elas tremeram e os abismos se agitaram
e as nuvens derramaram suas águas,
a tempestade fez ouvir a sua voz,
por todo lado se espalharam vossas flechas.

Ribombou a vossa voz entre trovões,
vossos raios toda a terra iluminaram,
a terra inteira estremeceu e se abalou.

Abriu-se em pleno mar vosso caminho
e a vossa estrada, pelas águas mais profundas;
mas ninguém viu os sinais dos vossos passos.
Como um rebanho conduzistes vosso povo
e o guiastes por Moisés e Aarão.

Glória ao Pai...

Leitura breve Rm 8,35-37
Quem nos separará do amor de Cristo? Tribulação? Angústia? Perseguição? Fome? Nudez? Perigo? Espada? Mas, em tudo isso, somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou!

Bendirei o Senhor Deus, bendirei em todo o tempo.
Seu louvor em minha boca, seu louvor eternamente.

BENEDICTUS
Sirvamos ao Senhor em santidade enquanto perdurarem nossos dias.

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Bendito seja Deus, nosso Salvador, que prometeu permanecer conosco todos os dias até o fim do mundo. Dando-lhe graças, peçamos:

R. Ficai conosco, Senhor!

Ficai conosco, Senhor, durante todo o dia,
e que jamais se ponha em nossa vida o sol da vossa justiça. R.

Nós vos consagramos este dia como uma oferenda agradável,
e nos comprometemos a praticar somente o bem. R.

Fazei, Senhor, que todo este dia transcorra como um dom da vossa luz,
para que sejamos sal da terra e luz do mundo. R.

Que a caridade do Espírito Santo inspire nossos corações e nossas palavras,
a fim de permanecermos sempre em vossa justiça e em vosso louvor. R.

(Intenções livres)

Pai nosso ...

Oração
Acendei, Senhor, em nossos corações a claridade de vossa luz, para que, andando sempre no caminho de vossos mandamentos, sejamos livres de todo erro. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Meditação do dia

É permitido o fazer bem no sábado?

O Senhor trabalha no dia de sábado? Com certeza, porque se não fosse assim o céu desapareceria, a luz do sol se apagaria, a terra perderia consistência, todos os frutos perderiam a seiva e a vida dos homens pereceria se, por causa do sábado, a força construtiva do universo deixasse de agir. Mas, de fato, não há qualquer interrupção; durante o sábado, tal como nos seis outros dias, os elementos do universo continuam a cumprir a sua função. Através deles, o Pai trabalha, pois, em todo momento, o faz através do Filho que nasceu dele e por quem tudo foi feito. […] Pelo Filho, a ação do Pai prossegue no dia de sábado. Consequentemente, não há repouso em Deus, pois nenhum dia vê cessar a obra de Deus.
É assim a ação de Deus. Mas, então, em que consiste o seu repouso? A obra de Deus é a obra de Cristo. E o repouso de Deus é Deus, é Cristo, pois tudo o que pertence a Deus está verdadeiramente em Cristo, a tal ponto que o Pai pode descansar nele.

Santo Hilário de Poitiers
Bispo de Poitiers, doutor da Igreja (†367).

Oração para esta tarde

Ouvi isto, povos todos do universo,
muita atenção, ó habitantes deste mundo!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
Devagar, vai o sol se escondendo,
deixa os montes, o campo e o mar,
mas renova o presságio da luz,
que amanhã vai de novo brilhar.

Os mortais se admiram do modo
pelo qual, generoso Senhor,
destes leis ao transcurso do tempo,
alternância de sombra e fulgor.

Quando reina nos céus o silêncio
e declina o vigor para a lida,
sob o peso das trevas a noite
nosso corpo ao descanso convida.

De esperança e de fé penetrados,
saciar-nos possamos, Senhor,
de alegria na glória do Verbo
que é do Pai o eterno esplendor.

Este é o sol que jamais tem ocaso
e também o nascer desconhece.
Canta a terra, em seu brilho envolvida,
nele o céu em fulgor resplandece.

Dai-nos, Pai, gozar sempre da luz
que este mundo ilumina e mantém,
e cantar-vos, e ao Filho, e ao Espírito,
canto novo nos séculos. Amém.

Salmo 48(49) 2-13
Vivei como filhos da luz. E o fruto da luz chama-se: bondade, justiça, verdade (Ef 5,8-9).

Ouvi isto, povos todos do universo,
muita atenção, ó habitantes deste mundo;
poderosos e humildes, escutai-me,
ricos e pobres, todos juntos, sede atentos!

Minha boca vai dizer palavras sábias,
que meditei no coração profundamente;
e inclinando meus ouvidos às parábolas,
decifrarei ao som da harpa o meu enigma:

Por que temer os dias maus e infelizes,
quando a malícia dos perversos me circunda?
Por que temer os que confiam nas riquezas
e se gloriam na abundância de seus bens?

Ninguém se livra de sua morte por dinheiro
nem a Deus pode pagar o seu resgate.
A isenção da própria morte não tem preço;
não há riqueza que a possa adquirir,
nem dar ao homem uma vida sem limites
e garantir-lhe uma existência imortal.

Morrem os sábios e os ricos igualmente;
morrem os loucos e também os insensatos,
e deixam tudo o que possuem aos estranhos;
os seus sepulcros serão sempre as suas casas,
suas moradas através das gerações,
mesmo se deram o seu nome a muitas terras.

Não dura muito o homem rico e poderoso;
é semelhante ao gado gordo que se abate.

Glória ao Pai...

Leitura breve 1Pd 5, 5b-7
Revesti-vos todos de humildade no relacionamento mútuo, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá a sua graça aos humildes. Rebaixai-vos, pois, humildemente, sob a poderosa mão de Deus, para que, na hora oportuna, ele vos exalte. Lançai sobre ele toda a vossa preocupação, pois é ele quem cuida de vós.

Protegei-nos, Senhor, como a pupila dos olhos.
Guardai-nos, defendei-nos, sob a vossa proteção.

MAGNIFICAT
Ó Senhor, manifestai o poder de vosso braço, dispersai os soberbos e elevai os humildes.

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,

como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Irmãos e irmãs caríssimos, exultemos em Deus nosso Salvador, cuja alegria é enriquecer-nos com seus dons; e peçamos com todo fervor:

R. Dai-nos, Senhor, a vossa graça e a vossa paz!

Deus eterno, para quem mil anos são o dia de ontem que passou,
lembrai-nos sempre que a vida é como a erva que de manhã floresce e à tarde fica seca. R.

Alimentai o vosso povo com o maná, para que não passe fome,
e dai-lhe a água viva para que nunca mais tenha sede. R.

Fazei que os vossos fiéis procurem e saboreiem as coisas do alto,
e vos glorifiquem com o seu trabalho e o seu descanso. R.

Concedei, Senhor, bom tempo às colheitas,
para que a terra produza muito fruto. R.

Livrai-nos, Senhor, de todos os perigos,
e abençoai os nossos lares. R.

(Intenções livres)

Dai aos que morreram contemplar a vossa face,
e fazei-nos também participar, um dia, da mesma felicidade. R.

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Salve, Regina, mater misericordiae
Vita, dulcedo, et spes nostra, salve.
Ad te clamamus, exsules, filii evae.
Ad te suspiramus, gementes et flentes
in hac lacrimarum valle.

Eia ergo, Advocata nostra,
illos tuos misericordes oculos
ad nos converte.
Et Iesum, benedictum fructum ventris tui,
nobis post hoc exsilium ostende.
O clemens, O pia, O dulcis Virgo Maria.

Ora pro nobis sancta Dei Genetrix.
Ut digni efficiamur promissionibus Christi. Amen.
(Tradução)

Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos os degredados filhos de Eva.
A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.
Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho do dia

Evangelho segundo São Marcos 3,1-6.

Jesus entrou de novo na sinagoga, onde estava um homem com uma das mãos atrofiada.
Os fariseus observavam Jesus para verem se Ele ia curá-lo ao sábado e poderem assim acusá-l’O.
Jesus disse ao homem que tinha a mão atrofiada: «Levanta-te e vem aqui para o meio».
Depois perguntou-lhes: «Será permitido ao sábado fazer bem ou fazer mal, salvar a vida ou tirá-la?». Mas eles ficaram calados.
Então, olhando-os com indignação e entristecido com a dureza dos seus corações, disse ao homem: «Estende a mão». Ele estendeu-a e a mão ficou curada.
Os fariseus, porém, logo que saíram dali, reuniram-se com os herodianos para deliberarem como haviam de acabar com Ele.