Aleteia
Festividade do dia

quarta-feira 3 junho
Santa Clotilde

Rainha dos Francos (†545)

MARY
Compartilhar

Nascida em Lion por volta do ano 475, Clotilde veio ao mundo num momento de grande transição: em 476 o império romano do Ocidente conhecia seu ocaso e boa parte da Europa era devassada por vários povos bárbaros, muitas vezes em situação de luta entre tribos. Em 481 seu pai, o rei Quilderico I foi assassinado e ela, juntamente com a mãe e uma irmã mais velha, buscou refúgio em Genebra. Em meio ao sofrimento da perda violenta do pai – mais tarde também sua mãe será vítima de assassinato – e de se encontrar na situação de refugiada, Clotilde encontrava grande consolo na oração e na ajuda aos mais pobres. Sua sorte muda quando é pedida em casamento por Clodoveu, o rei dos Francos. Inicialmente, Clodoveu era pagão e afeito aos costumes bárbaros. Apesar disso, Clotilde consegui convencê-lo em deixar batizar os filhos na fé cristã. Com a ajuda de São Remígio, o bispo de Reims, Clotilde foi aos poucos convencendo seu marido a abraçar a fé cristã. O ponto de viragem para Clodoveu se deu numa batalha contra os Alamanos: encurralado, Clodoveu invocou o Deus de sua esposa e foi vitorioso na batalha. Diante disso ele abraçou a fé católica e foi batizado na noite de natal em Reims pelo próprio São Remígio. Praticamente todos os seus súditos imitaram o gesto do rei e abraçaram a fé cristã. Após vinte anos de matrimônio, Clotilde ficou viúva, retirando-se para a cidade de Tours onde estava o túmulo de São Martinho, santo de sua devoção. Aí viveu uma vida de oração penitência e caridade. Fundou vários mosteiros e igrejas. Morreu santamente no dia 3 de junho de 545.

Descubra outros santos clicando aqui

Ao Senhor, Rei dos mártires, vinde, adoremos.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
De Cristo o dom eterno,
dos mártires vitória,
alegres celebremos
com cânticos de glória.

São príncipes da Igreja,
na luta triunfaram.
Do mundo sendo luzes,
à glória já chegaram.

Venceram os terrores,
as penas desprezaram.
Na morte coroados,
à luz feliz chegaram.

Por ímpios torturados,
seu sangue derramaram.
Mas, firmes pela fé,
na vida eterna entraram.

Invictos na esperança,
guardando a fé constantes,
no pleno amor de Cristo
já reinam triunfantes.

Já têm no Pai a glória,
no Espírito a energia,
e exultam pelo Filho,
repletos de alegria.

Pedimos, Redentor,
unidos ser também
dos mártires à glória
no vosso Reino. Amém.

Salmo 35(36)

Quem me segue, não andará nas trevas, mas terá a luz da vida (Jo 8,12).

O pecado sussurra ao ímpio
lá no fundo do seu coração;
o temor do Senhor, nosso Deus,
não existe perante seus olhos.
Lisonjeia a si mesmo pensando:
"Ninguém vê nem condena o meu crime"!

Traz na boca maldade e engano;
já não quer refletir e agir bem.
Arquiteta a maldade em seu leito,
nos caminhos errados insiste
e não quer afastar-se do mal.

Vosso amor chega aos céus, ó Senhor,
chega às nuvens a vossa verdade.
Como as altas montanhas eternas
é a vossa justiça, Senhor;
e os vossos juízos superam
os abismos profundos dos mares.

Os animais e os homens salvais:
quão preciosa é, Senhor, vossa graça!
Eis que os filhos dos homens se abrigam
sob a sombra das asas de Deus.
Na abundância de vossa morada,
eles vêm saciar-se de bens.

Vós lhes dais de beber água viva,
na torrente das vossas delícias.
Pois em vós está a fonte da vida,
e em vossa luz contemplamos a luz.
Conservai aos fiéis vossa graça,
e aos retos, a vossa justiça!

Não me pisem os pés dos soberbos,
nem me expulsem as mãos dos malvados!
Os perversos, tremendo, caíram
e não podem erguer-se do chão.

Glória ao Pai...

Leitura breve 2Cor 1,3-5
Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e Deus de toda consolação. Ele nos consola em todas as nossas aflições, para que, com a consolação que nós mesmos recebemos de Deus, possamos consolar os que se acham em toda e qualquer aflição. Pois, à medida que os sofrimentos de Cristo crescem para nós, cresce também a nossa consolação por Cristo.

Os santos e os justos viverão eternamente.
E a sua recompensa é o Senhor.

BENEDICTUS
Felizes de vós, os perseguidos por causa da justiça do Senhor,
porque o Reino dos céus há de ser vosso!

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Irmãos, celebremos nosso Salvador, a Testemunha fiel, nos mártires que deram a vida pela palavra de Deus; e digamos:

R. Com vosso sangue nos remistes, Senhor!

Por intercessão de vossos mártires que abraçaram livremente a morte para testemunharem a sua fé,
– dai-nos, Senhor, a verdadeira liberdade de espírito. R.

Por intercessão de vossos mártires, que proclamaram a fé, derramando o próprio sangue,
– dai-nos, Senhor, pureza e constância na fé. R.

Por intercessão de vossos mártires que, carregando a cruz, seguiram vossos passos,
– dai-nos, Senhor, suportar com coragem as dificuldades da vida. R.

Por intercessão de vossos mártires, que lavaram suas vestes no sangue do Cordeiro,
– dai-nos, Senhor, vencer todas as ciladas da carne e do mundo. R.

(Intenções livres)

Pai nosso ...

Oração

Ó Deus, que fizestes do sangue dos mártires semente de novos cristãos, concedei que o campo da vossa Igreja, regado pelo sangue de São Carlos e seus companheiros, produza sempre abundante colheita. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Deus, é um Deus de vivos, e não de mortos
O Credo cristão — profissão da nossa fé em Deus Pai, Filho e Espírito Santo, e na sua ação criadora, salvadora e santificadora — culmina na proclamação da ressurreição dos mortos no fim dos tempos, e na vida eterna. [...] A ressurreição dos mortos foi revelada progressivamente por Deus ao seu povo. A esperança na ressurreição corporal dos mortos impôs-se como consequência intrínseca da fé num Deus criador do homem todo, alma e corpo. [...] Os fariseus e muitos contemporâneos do Senhor esperavam a ressurreição. Jesus ensina-a firmemente. E aos saduceus, que a negavam, responde: “Não andareis vós enganados, ignorando as Escrituras e o poder de Deus?”. A fé na ressurreição assenta na fé em Deus, que “não é um Deus de mortos, mas de vivos”. Mas há mais: Jesus liga a fé na ressurreição à sua própria pessoa: “Eu sou a Ressurreição e a Vida”. É o próprio Jesus que, no último dia, há de ressuscitar os que nele tiverem acreditado, comido o seu Corpo e bebido o seu Sangue.

Catecismo da Igreja Católica
§§ 988-994.
Exposição da fé e da doutrina da Igreja (1997).

Vinde, adoremos o Deus dos mártires!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
Dos que partilham a glória dos santos,
queremos juntos cantar louvores
e celebrar as ações gloriosas
da nobre estirpe de tais vencedores.

Temeu o mundo e os lançou na prisão,
por desprezarem os seus atrativos
como de terra sem água e sem flores,
e vos seguiram, Jesus, Rei dos vivos.

Por vós, contenda feroz enfrentaram
sem murmurar, nem queixar-se de ofensa,
de coração silencioso e espírito
bem consciente, em fiel paciência.

Que verbo ou voz poderá descrever
o prêmio eterno que aos mártires dais?
Louros vermelhos, brilhantes de sangue,
são seus ornatos, troféus imortais.

A vós, ó Deus Uno e Trino, pedimos:
dai-nos a paz, a ventura e o bem,
lavai a culpa, afastai todo o mal.
Vós que reinais pelos séculos. Amém.

Salmo 26(27)

I

Esta é a morada de Deus entre os homens (Ap 21,3).

O Senhor é minha luz e salvação;
de quem eu terei medo?
O Senhor é a proteção da minha vida;
perante quem eu tremerei?

Quando avançam os malvados contra mim,
querendo devorar-me,
são eles, inimigos e opressores,
que tropeçam e sucumbem.

Se os inimigos se acamparem contra mim,
não temerá meu coração;
se contra mim uma batalha estourar,
mesmo assim confiarei.

Ao Senhor eu peço apenas uma coisa,
e é só isto que eu desejo:
habitar no santuário do Senhor
por toda a minha vida;
saborear a suavidade do Senhor
e contemplá-lo no seu templo.

Pois um abrigo me dará sob o seu teto
nos dias da desgraça;
no interior de sua tenda há de esconder-me
e proteger-me sobre a rocha.

E agora minha fronte se levanta
em meio aos inimigos.
Ofertarei um sacrifício de alegria,
no templo do Senhor.
Cantarei salmos ao Senhor ao som da harpa
e hinos de louvor.

Glória ao Pai…

Leitura 1Pd 4,13-14

Alegrai-vos por participar dos sofrimentos de Cristo, para que possais também exultar de alegria na revelação da sua glória. Se sofreis injúrias por causa do nome de Cristo, sois felizes, pois o Espírito da glória, o Espírito de Deus, repousa sobre vós.

Regozijai-vos no Senhor, ó justos, exultai!
Corações retos, alegrai-vos!

MAGNIFICAT
Alegrem-se nos céus os amigos do Senhor, que seguiram os seus passos;
derramaram o seu sangue por amor a Jesus Cristo, e com ele reinarão.

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,
como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Nesta hora em que o Rei dos mártires ofereceu sua vida na última Ceia e a entregou na cruz, demos-lhe graças, dizendo:

R. Nós vos louvamos e bendizemos, Senhor!

Nós vos agradecemos, ó Salvador, fonte e exemplo de todo martírio, porque nos amastes até o fim: R.

Porque viestes chamar os pecadores arrependidos para o prêmio da vida eterna: R.

Porque destes à vossa Igreja, como sacrifício para a remissão dos pecados, o Sangue da nova e eterna Aliança: R.

Porque a vossa graça nos mantém até hoje perseverantes na fé: R.

(Intenções livres)

Porque associastes à vossa morte, neste dia, muitos de nossos irmãos e irmãs: R.

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Salve, Regina, mater misericordiae
Vita, dulcedo, et spes nostra, salve.
Ad te clamamus, exsules, filii evae.
Ad te suspiramus, gementes et flentes
in hac lacrimarum valle.

Eia ergo, Advocata nostra,
illos tuos misericordes oculos
ad nos converte.
Et Iesum, benedictum fructum ventris tui,
nobis post hoc exsilium ostende.
O clemens, O pia, O dulcis Virgo Maria.

Ora pro nobis sancta Dei Genetrix.
Ut digni efficiamur promissionibus Christi. Amen.
(Tradução)
Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos degredados filhos de Eva.
A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.
Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho segundo São Mateus 10,7-13.
Naquele tempo, disse Jesus aos seus Apóstolos: «Ide e proclamai que está próximo o reino dos Céus.
Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, sarai os leprosos, expulsai os demónios. Recebestes de graça, dai de graça.
Não adquirais ouro, prata ou cobre, para guardardes nas vossas bolsas;
nem alforge para o caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem cajado; porque o trabalhador merece o seu sustento.
Quando entrardes em alguma cidade ou aldeia, procurai saber de alguém que seja digno e ficai em sua casa até partirdes daquele lugar.
Ao entrardes na casa, saudai-a,
e se for digna, desça a vossa paz sobre ela; mas se não for digna, volte para vós a vossa paz».

Boletim
Receba Aleteia todo dia