Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Festividade do dia

quarta-feira 9 outubro
São John Henry Newman

Cardeal (†1890)

LANDSCAPE
Compartilhar

Era de estatura alta e magro. Seus olhos tinham uma cor cinza-escura e denotavam uma inteligência acima da média. Seus cabelos constantemente desalinhados, deixavam intuir a rebelião de seu interior riquíssimo. Diz-se que com apenas dez anos de idade já se sentia chamado a servir a glória de Deus. Esse era John Henry Newman, um jovem londrino nascido no dia 22 de fevereiro de 1801, filho de um banqueiro anglicano e de uma mãe descendente ainda de huguenotes franceses. Em 1824, após os estudos num dos melhores colégios de Londres, Newman foi ordenado padre anglicano e seguiu na carreira acadêmica, tornando-se professor tutor. Aos 27 anos de idade foi nomeado pároco da igreja de Santa Maria de Oxford e, nesse período, começou a publicar seus primeiros estudos na área de patrologia e história eclesiástica. Era um jovem destinado ao sucesso, mas internamente, um pensamento corroía sua consciência cristã: como seria possível a Igreja Anglicana, fundada por um rei adúltero, Henrique VIII, ser a verdadeira Igreja de Cristo? Em 1833 o jovem padre empreende uma viagem para a Itália. Em Roma sentiu os preconceitos anglicanos que carregava dentro de si contra a Roma papal, mas, ao mesmo tempo, sentia o fascínio que a Sé Apostólica exercitava em sua consciência de historiador e de cristão em busca da verdade. Prosseguiu sua viagem e chegando na ilha da Sicília, caiu doente a ponto tal que se acreditava perdido. Um dos funcionários que o acompanhavam pediu que ele fizesse seu testamento, mas ouviu de Newman: “Não morrerei: nunca cometi pecado contra a Luz. Tenho uma tarefa a fazer na Inglaterra”. De fato, sem que ninguém esperasse, ele ficou curado e retomou sua viagem de retorno. Ao voltar para Oxford, reuniu em torno de si um grupo para discutir pontos fundamentais da Igreja Anglicana. As discussões se tornaram conhecidas e começaram a chegar acusações contra o grupo. A mais contundente era de que eram “papistas”. O fascínio pelos antigos textos dos Padres da Igreja estimulava Newman a continuar em suas buscas. No dia 24 de setembro de 1843 fez sua última pregação na igreja. Descendo do púlpito, tirou suas roupas de padre anglicano e as depositou sobre a balaustrada da igreja: deixava de ser anglicano. Seguiu um longo período de meditação e no dia 8 de outubro de 1845, John Henry Newman pronunciava seus votos de abjura ao anglicanismo, tronando-se efetivamente católico. Muitos de seus admiradores o seguiram. Enviado para Roma, Newman ingressou no Colégio de Propaganda Fide e aí completou seus estudos teológicos. No dia 26 de maio de 1847 recebeu a ordenação sacerdotal e, encorajado pelo Papa Pio IX, voltou para a Inglaterra, para fundar o “Oratório de São Felipe Neri”. Muitos revezes se apresentariam a Padre Newman nessa retomada do catolicismo na Inglaterra, mas ele não se deixou abater. Fiel à Igreja católica, iniciou uma grande empresa de defesa da fé católica, escrevendo diversos volumes para esse fim. Muitos começaram a nutrir simpatia e admiração por esse padre que vivia na modéstia e respondia a seus opositores com o perdão e com as orações. Diante de sua atividade pastoral e intelectual tão intensa, o Papa Leão XIII o criou cardeal em 1879. Viveu ainda onze anos, na mais pura simplicidade, irradiando luz por meio de seus escritos. Faleceu em 1890. Em seu túmulo foram gravadas as palavras “Ex umbris et imaginibus in Veritatem”, isto é, “Das sombras e das figuras à verdade”. Foi canonizado no dia 13 de outubro de 2019, no Pontificado do Papa Francisco.

Descubra outros santos clicando aqui

Adoremos o Senhor, pois foi ele quem nos fez.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
Ó noite, ó treva, ó nuvem,
não mais fiqueis aqui!
Já surge a doce aurora,
o Cristo vem: parti!

Rompeu-se o véu da terra,
cortado por um raio:
as coisas tomam cores,
já voltam do desmaio.

Assim também se apague
a noite do pecado,
e o Cristo em nossas almas
comece o seu reinado.

Humildes, vos pedimos
em nosso canto ou choro:
ouvi, ó Cristo, a prece,
que sobe a vós, em coro.

Os fogos da vaidade
a vossa luz desfaz.
Estrela da manhã,
quão doce vossa paz.

Louvor ao Pai, ó Cristo,
louvor a vós também;
reinais, no mesmo Espírito,
agora e sempre. Amém.

Cântico Is 33,13-16

A promessa é para vós e vossos filhos, e para todos aqueles que estão longe (At 2,39).

Vós que estais longe, escutai o que eu fiz!
Vós que estais perto, conhecei o meu poder!
Os pecadores em Sião se apavoraram,
e abateu-se sobre os ímpios o terror:
'Quem ficará junto do fogo que devora?
Ou quem de vós suportará a eterna chama?'

É aquele que caminha na justiça,
diz a verdade e não engana o semelhante;
o que despreza um benefício extorquido
e recusa um presente que suborna;
o que fecha o seu ouvido à voz do crime
e cerra os olhos para o mal não contemplar.

Esse homem morará sobre as alturas,
e seu refúgio há de ser a rocha firme.
O seu pão não haverá de lhe faltar,
e a água lhe será assegurada.

Glória ao Pai...

Leitura breve Jó 1,21; 2,10b
Nu eu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei para lá. O Senhor deu, o Senhor tirou; como foi do agrado do Senhor, assim foi feito. Bendito seja o nome do Senhor! Se recebemos de Deus os bens, não deveríamos receber também os males?

Para os vossos mandamentos, inclinai meu coração!
Dai-me a vida em vossa Lei!

BENEDICTUS
Oh! morte preciosa que comprou a eternidade
pelo preço de seu sangue!

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces

Oremos a Cristo que nos alimenta e protege a Igreja, pela qual deu sua vida; e digamos com fé:

R. Lembrai-vos, Senhor, da vossa Igreja!

Bendito sejais, Senhor Jesus Cristo, Pastor da Igreja, que nos dais hoje luz e vida;
– ensinai-nos a vos agradecer tão precioso dom. R.

Velai com bondade sobre o rebanho reunido em vosso nome,
– para que não se perca nenhum daqueles que o Pai vos confiou. R.

Conduzi a Igreja pelo caminho dos vossos mandamentos,
– e que o Espírito Santo a mantenha sempre fiel. R.

Alimentai a Igreja com a vossa Palavra e o vosso Pão,
– para que, fortalecida por este alimento, ela vos siga com alegria. R.

(Intenções livres)
Pai nosso ...

Oração
Ó Deus, que mandastes São Dionísio e seus companheiros anunciar aos gentios a vossa glória e os fortalecestes no martírio, concedei que, seguindo seu exemplo, saibamos nos desprender das glórias do mundo, sem temer as suas ciladas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Ensina-nos a rezar...

Credes, irmãos, que Deus não saiba o que vos é necessário? Ele que conhece nosso desamparo, conhece antecipadamente nossos desejos. Por isso, quando o Senhor ensinou o Pai-nosso, recomendou a seus discípulos que fossem sóbrios nas palavras: “Quando rezeis, não useis muitas palavras com fazem os pagãos, pois vosso Pai sabe o que vos faz falta antes mesmo que o peçais”. Se nosso Pai sabe o que nos falta, porque então é necessário dizê-lo, mesmo em poucas palavras?... Senhor, se já o sabeis, é necessário rezar? Pois bem, aquele que aqui nos diz: “não useis muitas palavras em vossas orações”, nos diz também em outra passagem: “Pedi e recebereis”, e para que ninguém creia que ele diga isso de passagem, em outro lugar adiciona: “Buscai e achareis”, e para que ninguém pense que é uma maneira simples de falar, vede como ele termina: “Batei na porta e vos será aberto”. Quer, pois, o Senhor que, para receber, primeiro peças, que para encontrar, primeiro te coloques a procurar, e, por fim, para entrar não deixes de bater à porta... Para que pedir? Para que buscar? Para que chamar? Para que nos cansar rezando, buscando, chamando como para fazer saber àquele que tudo sabe? E ainda lemos em outra parte: “É preciso rezar sem parar, sem cansar”... Pois bem, para esclarecer este mistério, pede, busca, chama! Se o Senhor cobre com véus este mistério, é que quer que te exercites em buscar e encontrar tu mesmo a explicação. Todos nós devemos mutuamente nos encorajar a rezar.

Santo Agostinho
Sermão 80
Bispo de Hipona e doutor da Igreja (354-430).

Suba até vós nossa oração como a oferta de incenso!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino

Santíssimo Deus do céu,
que o céu encheis de cor
e dais à luz beleza
de ígneo resplendor;

criais no quarto dia
a rota chamejante
do sol e das estrelas,
da lua fulgurante.

Assim, à luz e às trevas
limites vós fixais.
Dos meses o começo
marcastes com sinais.

Fazei a luz brilhar
em nosso coração.
Tirai da mente as trevas,
da culpa a servidão.

Ouvi-nos, Pai bondoso,
e vós, único Filho,
reinando com o Espírito
na luz de eterno brilho.

Salmo 126(127)

Vós sois a construção de Deus (1Cor 3,9)

Se o Senhor não construir a nossa casa,
em vão trabalharão seus construtores;
Se o Senhor não vigiar nossa cidade,
em vão vigiarão as sentinelas!

É inútil levantar de madrugada,
ou à noite retardar vosso repouso,
para ganhar o pão sofrido do trabalho,
que a seus amados Deus concede enquanto dormem.

Os filhos são a bênção do Senhor,
o fruto das entranhas, sua dádiva.
Como flechas que um guerreiro tem na mão,
são os filhos de um casal de esposos jovens.

Feliz aquele pai que com tais flechas
consegue abastecer a sua aljava!
Não será envergonhado ao enfrentar
seus inimigos junto às portas da cidade.

Glória ao Pai...

Leitura Ef 3,20-21
A Deus, que tudo pode realizar superabundantemente, e muito mais do que nós pedimos ou concebemos, e cujo poder atua em nós, a ele a glória, na Igreja e em Jesus Cristo, por todas as gerações, para sempre. Amém.

Libertai-me, ó Senhor, ó meu Deus, tende piedade!
Não junteis a minha vida à dos maus e sanguinários.

MAGNIFICAT
Quão feliz é nossa Igreja, ilustrada pelo sangue,
pelo sangue glorioso destes mártires de Cristo

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,

como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Bendigamos a Deus, que enviou seu Filho ao mundo como Salvador e Mestre do seu povo; e peçamos humildemente:

R. Que vosso povo vos louve, Senhor!

Nós vos damos graças, Senhor, porque nos escolhestes como primícias da salvação,
– e nos chamastes para tomar parte na glória de nosso Senhor Jesus Cristo. R.

A todos os que invocam o vosso santo nome, concedei que vivam unidos na verdade de vossa palavra,
– e sejam sempre fervorosos no vosso amor. R.

Criador de todas as coisas, vosso Filho quis trabalhar no meio de nós com suas próprias mãos;
– lembrai-vos de todos aqueles que trabalham para comer o pão com o suor do seu rosto. R.

Lembrai-vos também dos que se dedicam ao serviço do próximo,
– para que nem o fracasso nem a incompreensão dos outros os façam desistir de seus propósitos. R.

(Intenções livres)

Concedei a vossa misericórdia aos nossos irmãos e irmãs falecidos,
– e não os deixeis cair em poder do espírito do mal. R.

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Salve, Regina, mater misericordiae
Vita, dulcedo, et spes nostra, salve.
Ad te clamamus, exsules, filii evae.
Ad te suspiramus, gementes et flentes
in hac lacrimarum valle.

Eia ergo, Advocata nostra,
illos tuos misericordes oculos
ad nos converte.
Et Iesum, benedictum fructum ventris tui,
nobis post hoc exsilium ostende.
O clemens, O pia, O dulcis Virgo Maria.

Ora pro nobis sancta Dei Genetrix.
Ut digni efficiamur promissionibus Christi. Amen.
(Tradução)
Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos degredados filhos de Eva.
A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.
Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho segundo São Lucas 11,1-4.

Naquele tempo, estava Jesus em oração em certo lugar. Ao terminar, disse-Lhe um dos discípulos: «Senhor, ensina-nos a orar, como João Baptista ensinou também os seus discípulos».
Disse-lhes Jesus: «Quando orardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o vosso nome; venha o vosso reino;
dai-nos em cada dia o pão da nossa subsistência; perdoai-nos os nossos pecados,
porque também nós perdoamos a todo aquele que nos ofende; e não nos deixeis cair em tentação’».

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.