Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 05 Fevereiro |
São Jesus Mendes Montoya
Aleteia logo
Daily Prayer
Festividade do diaHistórias de Santos

São Calisto I

Papa e mártir (†222)

AVILA

Palickap-(CC BY-SA 4.0)

O décimo sexto papa da Igreja católica iniciou seu pontificado no ano 218 e, quatro anos mais tarde, o encerraria seguindo os mesmos passos de São Pedro, o primeiro papa: derramou seu sangue na cidade de Roma. As primeiras notícias sobre a vida de São Calisto nos dão conta que ele era originariamente um escravo. Seu senhor, um cristão que fora também escravo, teria confiado a Calisto uma grande quantidade de dinheiro para que ele pudesse abrir um banco. Ao que parece, viúvas e cristãos começaram a depositar com grande confiança as suas economias nas mãos de Calisto, mas, segundo os relatos antigos, ele teria tido um revés e perdido todo o dinheiro. Após várias peripécias, Calisto – talvez para escapar de seu senhor – provocou deliberadamente uma desordem numa sinagoga. Chamadas as autoridades, ele foi preso e condenado “ad metalla”, isto é, a trabalhar na extração de minério das minas na Sardenha. Por outro lado, mais ou menos na mesma época, Márcia, a concubina do imperador Cômodus – que era provavelmente cristã – pediu ao Bispo de Roma, o papa Vítor um elenco contendo o nome dos cristãos que haviam sido condenados aos trabalhos forçados nas minas da Sardenha; sua intenção era de prover à libertação desses apenados. Papa Vítor, no entanto, não inclui o nome de Calisto nessa lista de libertação, que é levada até a Sardenha por um presbítero chamado Jacinto. Chegando na Sardenha, Jacinto encontra Calisto, que imediatamente lhe suplica de incluir seu nome nessa lista. Por piedade, Jacinto atende a seu pedido. Retornando à Roma, Calisto é perdoado e retorna à comunidade cristã. Aos poucos, reconquista a confiança e, com a eleição do novo papa Zefirino, ele é nomeado administrador dos bens eclesiásticos e responsável pelo cemitério na via Ápia, que era o cemitério “oficial” da comunidade cristã – mais tarde esse cemitério receberá seu nome, como homenagem póstuma; até hoje, as catacumbas de São Calisto são meta de peregrinações. Com a morte de Zefirino, Calisto é eleito papa. Seu pontificado ocorre num momento difícil de lutas internas na Igreja. No entanto, sua experiência desastrada e o perdão que havia experimentado, talvez o tenham tornado particularmente sensível às questões mais difíceis: o fato, é que seu ministério se caracterizou pelo uso da misericórdia. O martirológio romano recorda São Calisto papa da seguinte maneira: “São Calisto I, papa, mártir: como diácono, depois de um longo exílio na Sardenha, cuidou do cemitério na via Ápia, conhecido com o seu nome, onde recolheu as relíquias dos mártires para futura veneração das futuras gerações; eleito papa promoveu a reta doutrina e reconciliou com benevolência os “lapsi” (em latim, “caídos”, referência aos cristãos que haviam apostatado durante as perseguições) coroando finalmente o seu laborioso episcopado com um martírio luminoso. Neste dia (14 de outubro) se comemora a deposição de seu corpo no cemitério de Calepodius, em Roma, na via Aurélia”.

Access our archives of daily saint biographies here
PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais