Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Festividade do dia

quinta-feira 21 fevereiro
São Roberto Southwell

Mártir Jesuíta (†1595)

CHAPEL
Compartilhar
Santo do dia

Robert Southwell nasceu, no ano de 1561, em Horsham Saint Faith, na região de Norfolk, Inglaterra.
Ainda muito jovem foi enviado à França para concluir seus estudos, uma vez que todas as instituições acadêmicas inglesas haviam se tornado protestantes. Ele estudou no English College, em Douai, e no Lycée Louis-le-Grand, em Paris. Retornou a Douai em 15 de junho de 1577.
Um ano depois partiu para Roma com a intenção de se juntar à Companhia de Jesus. Foi admitido para um período de provação na casa de Sant’Andrea em 17 de outubro de 1578 e em 1580 foi incorporado à Companhia de Jesus. Após concluir o noviciado iniciou os estudos de filosofia e teologia no Colégio dos Jesuítas, em Roma. Durante esse período, trabalhou como um dos líderes da Congregação. Foi ordenado sacerdote em 1584.
Em 1586 foi para enviado para a Inglaterra como missionário jesuíta, juntamente com Henry Garnet. Quando chegou a Londres tentou ajudar outros padres católicos a entrar na Inglaterra e a encontrar acomodação, pois era justamente o momento da afirmação na ilha da Igreja Anglicana, nascida da divisão entre o rei Henrique VIII e o Romano Pontífice. Administrou, também, os sacramentos nos países ao redor da capital e escreveu livros e panfletos sobre a fé católica em nome de uma gráfica secreta fundada por Garnet. Em 1591, ocupou a maior parte de seu tempo escrevendo. Embora o nome de Southwell não estivesse publicamente associado a nenhum de seus trabalhos, sua atividade literária era suspeita pelo governo.
Uma mulher, ou mais precisamente o testemunho dela contra o padre jesuíta foi decisivo para revelar a presença de Southwell na Inglaterra. Depois de seis anos de trabalho missionário, Southwell foi preso em Uxendon Hall, Harrow. Ele tinha o hábito de visitar a casa de Richard Bellamy, que morava perto de Harrow e estava sob suspeita por conta de seus contatos com Jerome Bellamy, que havia sido executado. Uma de suas filhas, Anne Bellamy, foi presa e aprisionada na portaria de Holborn. Tendo sido interrogada e estuprada por Richard Topcliffe, o principal caçador de sacerdotes e torturador da rainha, ela delatou Southwell e ele foi imediatamente preso.
Primeiramente foi levado para a casa de Topcliffe, ao lado da prisão de Gatehouse, onde foi submetido à tortura das “algemas”. Permaneceu em silêncio na custódia de Topcliffe por quarenta horas. A rainha, então, ordenou que Southwell fosse levado para Gatehouse, onde uma equipe de torturadores do Conselho Privado ‘trabalhou’ nele. Ao serem malsucedidos, deixaram-no “ferido, morrendo de fome, coberto de vermes e piolhos, para deitar em sua própria sujeira”. Após cerca de um mês, ele foi transferido, por ordem do Conselho, para confinamento solitário na Torre de Londres. De acordo com as primeiras narrativas, seu pai pedira à rainha que seu filho, se fosse culpado pela lei, deveria sofrer daquela maneira, mas, se não fosse culpado, deveria ser tratado como um cavalheiro, e que, como pai, deveria poder lhe fornecer o necessário para viver. Nenhuma evidência documentada de tal petição sobreviveu, mas algo do tipo deve ter acontecido, já que seus amigos foram capazes de fornecer-lhe comida e roupas, enviar-lhe as obras de São Bernardo e uma Bíblia. Seu superior, Henry Garnet, contrabandeou um breviário para ele. Southwell permaneceu na Torre por três anos, sob a supervisão de Topcliffe.
Em 1594, o Conselho Privado aprovou uma resolução para a acusação de Southwell sob acusação de traição. Ele foi removido da torre para a prisão de Newgate, onde foi colocado em um buraco chamado Limbo.
Em 21 de fevereiro de 1595, já condenado, Southwell foi enforcado em Tyburn. A execução da sentença contra um ladrão de estrada notório havia sido marcada para a mesma data, mas em um lugar diferente – talvez para afastar as multidões – e, no entanto, muitos testemunharam a morte de Southwell. Tendo sido arrastado pelas ruas em uma carruagem, ele foi enforcado fazendo o sinal da cruz com suas mãos marcadas e recitando uma passagem bíblica. Ficou pendurado na forca por um breve tempo, fazendo o sinal da cruz enquanto pôde. Seu corpo, sem vida, foi então estripado e esquartejado. Sua cabeça decepada foi exibida para a multidão, mas ninguém gritou o tradicional “Traidor!”.
Foi beatificado em Roma no dia 15 de dezembro de 1929, pelo Papa Pio XI e canonizado no mesmo local pelo Papa Paulo VI no dia 25 de outubro de 1970.

Descubra outros santos clicando aqui

Oração para esta manhã

Voltai-vos para nós, Deus do universo!
Visitai a vossa vinha e protegei-a!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém

Hino
Já o dia nasceu novamente.
Supliquemos, orando, ao Senhor
que nos guarde do mal neste dia
e por atos vivamos o amor.

Ponha freios à língua e a modere,
da discórdia evitando a paixão;
que nos vele o olhar e o defenda
da vaidade e de toda a ilusão.

Sejam puros os seres no íntimo,
dominando os instintos do mal.
Evitemos do orgulho o veneno,
moderando o impulso carnal.

Para que, no final deste dia,
quando a noite, em seu curso, voltar,
abstinentes e puros, possamos
sua glória e louvores cantar.

Glória ao Pai, ao seu Unigênito
e ao Espírito Santo também.
Suba aos Três o louvor do universo
hoje e sempre, nos séculos. Amém.

Salmo 80(81)
Cuidai, irmãos, que não se ache em algum de vós um coração transviado pela incredulidade (Hb 3,12).

Exultai no Senhor, nossa força,
e ao Deus de Jacó aclamai!
Cantai salmos, tocai tamborim,
harpa e lira suaves tocai!
Na lua nova soai a trombeta,
na lua cheia, na festa solene!

Porque isto é costume em Jacó,
um preceito do Deus de Israel;
uma lei que foi dada a José,
quando o povo saiu do Egito.

Eis que ouço uma voz que não conheço:
‘Aliviei a tuas costas de seu fardo

cestos pesados eu tirei de tuas mãos.
Na angústia a mim clamaste, e te salvei,
de uma nuvem trovejante te falei,
e junto às águas de Meriba te provei.

Ouve, meu povo, porque vou te advertir!
Israel, ah! se quisesses me escutar:
Em teu meio não exista um deus estranho
nem adores a um deus desconhecido!
Porque eu sou o teu Deus e teu Senhor,
que da terra do Egito te arranquei.
Abre bem a tua boca e eu te sacio!

Mas meu povo não ouviu a minha voz,
Israel não quis saber de obedecer-me.
Deixei, então, que eles seguissem seus caprichos,
abandonei-os ao seu duro coração.

Quem me dera que meu povo me escutasse!
Que Israel andasse sempre em meus caminhos!
Seus inimigos, sem demora, humilharia
e voltaria minha mão contra o opressor.

Os que odeiam o Senhor, o adulariam,
seria este seu destino para sempre;
eu lhe daria de comer a flor do trigo,
e com o mel que sai da rocha o fartaria’.

Glória ao Pai...

Leitura breve Rm 14,17-19
O Reino de Deus não é alimento, nem bebida, mas é justiça e paz e alegria no Espírito Santo. É servindo a Cristo, dessa maneira, que seremos agradáveis a Deus e teremos a aprovação dos homens. Portanto, busquemos tenazmente tudo o que contribui para a paz e a edificação de uns pelos outros.

Penso em vós no meu leito, de noite, nas vigílias, suspiro por vós
Para mim fostes sempre um socorro!

BENEDICTUS
Anunciai ao vosso povo a salvação e perdoai-nos, ó Senhor, nossos pecados!

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Bendigamos a Deus, nosso Pai, que protege os seus filhos e filhas e não despreza as suas súplicas; e peçamos-lhe humildemente:

R. Iluminai, Senhor, nossos caminhos!

Nós vos damos graças, Senhor, porque nos iluminastes por meio de vosso Filho Jesus Cristo;
concedei-nos a sua luz ao longo de todo este dia. R.

Que a vossa Sabedoria hoje nos conduza,
para que andemos sempre pelos caminhos de uma vida nova. R.

Ajudai-nos a suportar com paciência as dificuldades por amor de vós,
a fim de vos servirmos cada vez melhor na generosidade de coração. R.

Dirigi e santificai nossos pensamentos, palavras e ações deste dia,
e dai-nos um espírito dócil às vossas inspirações. R.

(Intenções livres)

Pai nosso ...

Oração
Senhor, luz verdadeira e fonte da luz, concedei-nos perseverar na meditação de vossa Palavra e viver iluminados pelo esplendor de vossa verdade. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Meditação do dia

E vós? Quem dizeis que eu sou?

Devo proclamar seu nome: Jesus é o Cristo, o Filho do Deus vivo. Ele revela o Deus invisível, ele é o primogênito de toda criatura, é nele que tudo se mantém. Ele é o Senhor da humanidade e seu Redentor. Ele nasceu, morreu e ressuscitou por nós.
Ele é o centro da história e do mundo; nos conhece e nos ama; é o companheiro e o amigo da nossa vida; é o homem das dores e da esperança. É ele quem virá e quem um dia será nosso juiz e - esperamos - a plenitude eterna de nossa existência, nossa bem-aventurança.
Não acabaria nunca de falar sobre Ele, pois Ele é a luz e a verdade. É muito mais, é o caminho, a verdade e a vida. Ele é o pão e a fonte de água viva que satisfaz nossa fome e nossa sede. É o nosso pastor, nosso guia, nosso modelo, nosso conforto, nosso irmão. Como nós, e mais que nós, ele se fez pequeno, pobre, humilhado. Foi um trabalhador, conheceu o infortúnio e foi paciente. Por nossa causa Ele falou, operou milagres e fundou um novo reino onde os pobres são felizes, onde a paz é o princípio para vivermos juntos, onde os puros de coração e aqueles que choram são levantados e consolados, onde aqueles que têm fome e sede de justiça são saciados, onde os pecadores podem ser perdoados, onde todos são irmãos.[...]
Jesus Cristo é o começo e o fim, o Alfa e o Ômega; ele é o rei do novo mundo; ele é o segredo da história; ele é a chave do nosso destino. Ele é o mediador, a ponte entre o céu e a terra. Ele é mais perfeito do que qualquer outro o Filho do Homem, porque ele é o Filho de Deus, eterno e infinito. Ele é o filho de Maria, abençoado entre todas as mulheres, sua mãe de acordo com a carne e nossa mãe através da participação no Espírito de seu Corpo Místico.
Jesus Cristo é nossa constante pregação; é o nome dele que proclamamos até os confins da terra e através de todas as eras. [...]
Jesus Cristo deve ser louvado não apenas pelo que ele é em si mesmo; ele deve ser exaltado e amado pelo que ele é por nós, por cada um de nós, por todos os povos e por todas as culturas. Cristo é nosso Salvador. Cristo é nosso maior benfeitor. Cristo é nosso libertador. Precisamos de Cristo, para sermos homens genuínos e dignos na ordem temporal e homens salvos e elevados à ordem sobrenatural.
São Paulo VI
262° Papa da Igreja Católica (†1978).

Oração para esta tarde

Chegou agora a salvação e o poder
a realeza do Senhor e nosso Deus.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
Ó Deus, autor da luz
da aurora matutina,
mostrai-nos vossa glória,
que o dia já declina.

A tarde traz o ocaso,
o sol já vai morrendo,
e deixa o mundo às trevas,
às leis obedecendo.

Aos servos que vos louvam,
cansados do labor,
as trevas não envolvam,
pedimos, ó Senhor.

Assim, durante a noite,
guardados pela graça,
na luz da vossa luz,
a treva se desfaça.

Ouvi-nos, Pai bondoso,
e vós, Jesus, também.
A vós e ao Santo Espírito
louvor eterno. Amém.

Cântico Ap 11,17-18; 12,10b-12a

Graças vos damos, Senhor Deus onipotente,
a Vós que sois, a Vós que éreis e sereis,
porque assumistes o poder que vos pertence,
e enfim tomastes posse como rei!

As nações se enfureceram revoltadas,
mas chegou a vossa ira contra elas
e o tempo de julgar vivos e mortos,
e de dar a recompensa aos vossos servos,
aos profetas e aos que temem vosso nome,
aos santos, aos pequenos e aos grandes.

Chegou agora a salvação e o poder
a realeza do Senhor e nosso Deus,
e o domínio de seu Cristo, seu Ungido.
Pois foi expulso o delator que acusava
nossos irmãos, dia e noite, junto a Deus.

Mas o venceram pelo sangue do Cordeiro
e o testemunho que eles deram da Palavra,
pois desprezaram sua vida até à morte.
Por isso, ó céus, cantai alegres e exultai
e vós todos os que neles habitais!

Leitura breve 1Pd 1,22-23
Pela obediência à verdade, purificastes as vossas almas, para praticar um amor fraterno sem fingimento. Amai-vos, pois, uns aos outros, de coração e com ardor. Nascestes de novo, não de uma semente corruptível, mas incorruptível, mediante a palavra de Deus, viva e permanente.

O Senhor é o meu Pastor: não me falta coisa alguma.
Pelos prados me conduz.

MAGNIFICAT
O Senhor saciou com os seus bens os famintos e sedentos de justiça.

A minh’alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,

como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Elevemos os corações cheios de gratidão a nosso Senhor e Salvador, que abençoa o seu povo com toda sorte de bênçãos espirituais; e peçamos com fé:

R. Abençoai, Senhor, o vosso povo!

Deus de misericórdia, protegei o Santo Padre, o Papa Francisco, e o nosso Bispo N.,
e fortalecei-os para que guiem fielmente a vossa Igreja. R.

Protegei, Senhor, o nosso país,
e afastai para longe dele todos os males. R.

Multiplicai, como rebentos de oliveira ao redor de vossa mesa, os filhos que querem se
consagrar ao serviço do vosso reino,
a fim de vos seguirem mais de perto na castidade, pobreza e obediência. R.

Conservai o propósito de vossas filhas que vos consagraram sua virgindade,
para que sigam a vós, Cordeiro divino, aonde quer que vades. R.

(Intenções livres)

Que os nossos irmãos e irmãs falecidos descansem na vossa eterna paz,
e confirmai a sua união conosco por meio da comunhão de bens espirituais. R.

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Salve, Regina, mater misericordiae
Vita, dulcedo, et spes nostra, salve.
Ad te clamamus, exsules, filii evae.
Ad te suspiramus, gementes et flentes
in hac lacrimarum valle.

Eia ergo, Advocata nostra,
illos tuos misericordes oculos
ad nos converte.
Et Iesum, benedictum fructum ventris tui,
nobis post hoc exsilium ostende.
O clemens, O pia, O dulcis Virgo Maria.

Ora pro nobis sancta Dei Genetrix.
Ut digni efficiamur promissionibus Christi. Amen.
(Tradução)

Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos os degredados filhos de Eva.
A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.
Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho do dia

Evangelho segundo São Marcos 8,27-33.

Naquele tempo, Jesus partiu com os seus discípulos para as povoações de Cesareia de Filipe. No caminho, fez-lhes esta pergunta: «Quem dizem os homens que Eu sou?».
Eles responderam: «Uns dizem João Batista; outros, Elias; e outros, um dos profetas».
Jesus então perguntou-lhes: «E vós, quem dizeis que Eu sou?». Pedro tomou a palavra e respondeu: «Tu és o Messias».
Ordenou-lhes então severamente que não falassem d’Ele a ninguém.
Depois, começou a ensinar-lhes que o Filho do homem tinha de sofrer muito, de ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos escribas; de ser morto e ressuscitar três dias depois.
E Jesus dizia-lhes claramente estas coisas. Então, Pedro tomou-O à parte e começou a contestá-l’O.
Mas Jesus, voltando-Se e olhando para os discípulos, repreendeu Pedro, dizendo: «Vai-te, Satanás, porque não compreendes as coisas de Deus, mas só as dos homens».

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.