Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
Oração do dia
Festividade do diaHistórias de Santos

Santos Aretas e trezentos e quarenta companheiros

Príncipe († 523) Comemoração: 24 de outubro

HANDS

Public Domain

No início do século VI, etíopes, partindo de Axum, capital religiosa e política da Etiópia, atravessaram o Mar Vermelho para impor seu domínio sobre os judeus e os árabes que viviam na área correspondente ao atual Iêmen.

Um dia, o rei judeu Dhu Nuwas, recentemente convertido ao judaísmo, liderou a revolta contra os invasores etíopes que queriam espalhar a religião cristã nas terras conquistadas: tendo tomado a cidade de Zafar, ele massacrou o exército e o clero.

Depois que uma igreja foi transformada em sinagoga, resolveram atacar Najran, uma das principais fortalezas cristãs daquele país. Ele encontrou uma forte resistência, mas Dhu Nuwas venceu apenas quando prometeu uma anistia aos habitantes se eles se rendessem. Ele deixou seus soldados saquearem a cidade inteira e condenar todos os cristãos que preferiam não abandonar sua fé.

O líder da resistência era um certo Banu Harith, conhecido como Aretas pelos textos greco-latinos, que o Martyrologium Romanum acredita ser o príncipe da cidade de Najran. Ele foi decapitado junto com os membros das tribos que o apoiaram, enquanto muitos padres, diáconos e virgens consagrados também foram queimados vivos. Dhu Nuwas tentou atrair a esposa de Aretas, Ruma, como sua concubina, mas com sua recusa, ele retaliou executando suas quatro filhas na frente de seus olhos e decapitando-a. O martirológio católico estabelece como 340 o número de cristãos que sofreram, com Aretas, martírio em tais circunstâncias, mas outras fontes afirmam que também podem ter sido mais de quatro mil. Tudo isso aconteceu na época do imperador Justino e sob o comando de Dhu Nuwas (ou Dun’an), rei dos homeritas.

O próprio Dhu Nuwas elaborou um relato detalhado do que aconteceu em uma carta a outro rei árabe. Também estavam inclusos no grupo dois bispos cristãos, cujos testemunhos combinados com os de alguns refugiados de Najran contribuíram para espalhar por todo o Oriente Médio as notícias do trágico massacre e a veneração pelos santos mártires. Por muito tempo, o eco dessa história ainda ressoou e até Maomé mencionou o massacre no capítulo 85 do Alcorão, condenando os culpados ao inferno. O patriarca de Alexandria, no Egito, escreveu aos bispos orientais recomendando que as vítimas fossem por todas as igrejas comemoradas como mártires cristãos.

A história destes mártires, Aretas e de sua esposa Ruma, bem como a de todos os outros companheiros de martírio, do século VI, no julgamento do cardeal Barônio, mereceram ser mencionados também no Martirológio Romano em 24 de outubro, substituindo o fato de que todos eles provavelmente eram seguidores da heresia monofisista. Assim, Barônio reconheceu indiretamente como a palma do martírio superou a mancha da heresia, a menos que seu pouco conhecimento das igrejas orientais nem sequer o fizesse tocar na dúvida da ortodoxia doutrinária da Igreja.

Descubra outros santos clicando aqui
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais