Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Festividade do dia

sábado 16 fevereiro
São Tétrades de Bourges

Bispo (†século V-VI)

CHURCH
Compartilhar
Santo do dia

Foi bispo de Bourges e viveu entre o século V e VI. Na lista dos bispos, aparece na 16ª colocação. A cidade de Bourges é das poucas Sés francesas que conservaram os dípticos originais em marfim em que foram inscritos os catálogos dos bispos que conduziram a diocese até o ano de 1294. Apesar disso, o catálogo apresenta algumas incongruências. De fato, não se sabe com precisão a data de governo de São Tétrades, certamente antes de 506 – alguns creem que a data mais correta seria 494. O fato é que em 506 ele participou no concílio de Adge, onde foram tomadas decisões importantes para aquela comunidade cristã. Entre os vinte cânones aprovados, consta aquele que prescreve a obrigação de receber a Eucaristia, pelo menos, três vezes por ano. Em 511 participa do primeiro concílio nacional de Órelans onde foram lançadas as bases da renovação cultural e social da Igreja: nessa reunião foram aprovados cerca de 31 cânones, dentre estes, um que aprovava o celibato do clero. São Gregório de Tours chega a citar São Tétrade como “bendito bispo”. Já por volta do século XVII São Tétrade aparece com o título de santo. Sua festa foi fixada para o dia 16 de fevereiro na cidade de Bourges.

Descubra outros santos clicando aqui

Oração para esta manhã

Ao Senhor pertence a terra e tudo o que contém: vinde todos, adoremos!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
No céu refulge a aurora
e nasce um novo dia.
As trevas se dissipem:
a luz nos alumia.

Bem longe os fantasmas,
os sonhos e ilusões!
Do mal que vem das trevas
quebremos os grilhões.

Na aurora derradeira
possamos, preparados,
cantar de Deus a glória,
na sua luz banhados.

Louvor e glória ao Pai,
ao Filho seu também,
e ao Divino Espírito
agora e sempre. Amém.

Salmo 116(117)

Eu digo: ... os pagãos glorificam a Deus, em razão da sua misericórdia (Rm 15,8.9).

Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes,
povos todos, festejai-o!
Pois comprovado é seu amor para conosco,
para sempre ele é fiel!

Glória ao Pai...

Leitura breve 2Pd 1,10-11
Irmãos, cuidai cada vez mais de confirmar a vossa vocação e eleição. Procedendo assim, jamais tropeçareis. Desta maneira vos será largamente proporcionado o acesso ao reino eterno de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo.

A vós grito, ó Senhor, a vós clamo e vos digo: Sois vós meu abrigo!
Minha herança na terra dos vivos.

BENEDICTUS
Iluminai, ó Senhor, os que jazem nas trevas
e na sombra da morte.

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Bendigamos a Cristo que se fez em tudo semelhante a seus irmãos para ser um sumo-sacerdote fiel e misericordioso junto de Deus, em nosso favor. Peçamos-lhe, dizendo:

R. Dai-nos, Senhor, as riquezas da vossa graça!

Sol de justiça, que no batismo nos destes a luz da vida,
– nós vos consagramos este novo dia. R.

Nós vos bendiremos em cada momento deste dia,
– e glorificaremos vosso nome em todas as nossas ações. R.

Vós, que tivestes por mãe a Virgem Maria, sempre dócil à vossa palavra,
– dirigi hoje os nossos passos segundo a vossa vontade. R.

Concedei-nos que, enquanto peregrinamos em meio às coisas deste mundo passageiro, aspiremos à imortalidade celeste,
– e que, pela fé, esperança e caridade, saboreemos desde já as alegrias do vosso reino. R.

(Intenções livres)
Pai nosso ...

Oração
Fazei, Senhor, brilhar em nossos corações o esplendor da ressurreição, para que, livres das trevas da morte, cheguemos à luz da vida eterna. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Meditação do dia

Tomou os sete pães, e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que os distribuíssem...

Jesus partiu o pão. Se não o tivesse partido, como teriam chegado até nós suas migalhas? Mas o partiu, o distribuiu e o deu aos pobres. O partiu por graça, para quebrar a cólera do Pai e a sua. Deus o havia dito: nos teria quebrado se seu eleito não tivesse se colocado diante dele para apartar sua cólera do extermínio. Manteve-se diante de Deus e o apaziguou. Mas, ele mesmo, voluntariamente se partiu, ofereceu sua carne, quebrada pelo sofrimento. Aí quebrou, de certo modo, as tábuas da primeira aliança, afim de que nós não estivéssemos já sob a Lei. Quebrou o jugo de nosso cativeiro. Quebrou tudo o que nos quebrava para reparar em nós tudo o que estava quebrado e para libertar os oprimidos. Bom Jesus, ainda hoje também quebraste a cólera, partindo o pão para nós, pobres mendigos, continuamos a ter fome. Parte, pois, a cada dia, este pão para os que tem fome. Porque hoje e todos os dias recolheremos algumas migalhas, e a cada dia de novo teremos necessidade de nosso pão quotidiano. Dai-nos hoje o pão nosso de cada dia. Se tu não no-lo dás, quem nos dará? Em nosso desamparo e nossa necessidade não temos ninguém que nos parta o pão, ninguém para nos alimentar, ninguém para refazer nossas forças, senão tu, nosso Deus

Balduíno de Ford
Abade cisterciense (†1190, aprox.).

Oração para esta tarde

Senhor, clamo por vós: correi em meu socorro!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
Ó Deus, fonte de todas as coisas,
vós enchestes o mundo de dons
e, depois de criar o universo,
concluístes que tudo era bom.

Terminando tão grande trabalho,
decidistes entrar em repouso,
ensinando aos que cansam na luta,
que o descanso é também dom precioso.

Concedei aos mortais que suplicam,
os seus erros lavarem no pranto
e andarem nos vossos caminhos,
descobrindo da vida o encanto.

Deste modo, ao chegar para a terra
a aflição do temível Juiz,
possam todos, repletos de paz,
se alegrar pela vida feliz.

Esse dom concedei-nos, Deus Pai,
pelo Filho Jesus, Sumo Bem,
no Espírito Santo Paráclito,
que reinais para sempre. Amém.
Cântico Fl 2,6-11

Cristo, o Servo de Deus

Embora fosse de divina condição,
Cristo Jesus não se apegou ciosamente
a ser igual em natureza a Deus Pai.

Porém esvaziou-se de sua glória
e assumiu a condição de um escravo,
fazendo-se aos homens semelhante.

Reconhecido exteriormente como homem,
humilhou-se, obedecendo até à morte,
até à morte humilhante numa cruz.

Por isso Deus o exaltou sobremaneira
e deu-lhe o nome mais excelso, mais sublime,
e elevado muito acima de outro nome.

Para que perante o nome de Jesus
se dobre reverente todo joelho,
seja nos céus, seja na terra ou nos abismos.

E toda língua reconheça, confessando,
para a glória de Deus Pai e seu louvor:
'Na verdade Jesus Cristo é o Senhor!'

Glória ao Pai...

Leitura Cl 1,2b-6a
A vós, graça e paz da parte de Deus nosso Pai. Damos graças a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, sempre rezando por vós, pois ouvimos acerca da vossa fé em Cristo Jesus e do amor que mostrais para com todos os santos, animados pela esperança na posse do céu. Disso já ouvistes falar no Evangelho, cuja palavra de verdade chegou até vós. E como no mundo inteiro, assim também entre vós ela está produzindo frutos e se desenvolve.

Do nascer do sol até o seu ocaso, louvado seja o nome do Senhor!
Sua glória vai além dos altos céus.

MAGNIFICAT
Felizes de vós, que sois pobres, porque vosso é o Reino de Deus!
Felizes de vós, os famintos, pois todos sereis saciados!

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,

como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Demos graças a Deus que auxilia e protege o povo que escolheu como sua herança para que viva feliz. Recordando seu amor, aclamemos dizendo:

R. Senhor, nós confiamos em vós!

Deus de bondade, nós vos pedimos pelo nosso Papa Francisco e pelo nosso bispo N.;
– protegei-os com o vosso poder e santificai-os com a vossa graça. R.

Confortai os doentes e tornai-os participantes da paixão de Cristo por seus sofrimentos,
– para que sintam continuamente a sua consolação. R.

Olhai com amor para os que não têm onde morar,
– e fazei que encontrem uma digna habitação. R.

Dignai-vos multiplicar e conservar os frutos da terra,
– para que a ninguém falte o pão de cada dia. R.

(Intenções livres)

Envolvei com vossa misericórdia os que morreram,
– e dai-lhes um lugar no céu. R.

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Salve, Regina, mater misericordiae
Vita, dulcedo, et spes nostra, salve.
Ad te clamamus, exsules, filii evae.
Ad te suspiramus, gementes et flentes
in hac lacrimarum valle.

Eia ergo, Advocata nostra,
illos tuos misericordes oculos
ad nos converte.
Et Iesum, benedictum fructum ventris tui,
nobis post hoc exsilium ostende.
O clemens, O pia, O dulcis Virgo Maria.

Ora pro nobis sancta Dei Genetrix.
Ut digni efficiamur promissionibus Christi. Amen.
(Tradução)
Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos degredados filhos de Eva.
A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.
Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho do dia

Evangelho segundo São Marcos 8,1-10.

Naqueles dias, juntou-se novamente uma grande multidão e, como não tinham que comer, Jesus chamou os discípulos e disse-lhes:
«Tenho pena desta multidão; há já três dias que estão comigo e não têm que comer.
Se os despedir sem alimento para suas casas, desfalecerão no caminho, porque alguns vieram de longe».
Responderam-Lhe os discípulos: «Como se poderia saciá-los de pão, aqui num deserto?».
Mas Jesus perguntou: «Quantos pães tendes?». Eles responderam: «Temos sete».
Então Jesus ordenou à multidão que se sentasse no chão. Depois tomou os sete pães e, dando graças, partiu-os e deu-os aos discípulos, para que os distribuíssem, e eles distribuíram-nos à multidão.
Tinham também alguns pequenos peixes. Jesus pronunciou sobre eles a bênção e disse que os distribuíssem também.
Comeram e ficaram saciados. Dos bocados que sobraram encheram sete cestos.
Eram cerca de quatro mil pessoas. Então Jesus despediu-os
e, subindo para o barco com os discípulos, dirigiu-se para a região de Dalmanutá.