Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Festividade do dia

sábado 22 junho
São João Fisher

Cardeal mártir (†1535)

CHAPEL
Compartilhar

Em 1469 nasceu João, filho do rico comerciante Robert Fisher e sua esposa Agnes, na localidade de Beverly, Yorkshire, Reino Unido. Ingressou na Universidade de Cambridge com a idade de 14 anos, onde completou seus estudos de forma brilhante, chegando a obter o título de Doutor em teologia.
Em 17 de dezembro de 1491 foi ordenado sacerdote, em York, e nomeado vigário de Northallerton.
Em 1497, a condessa Margherita Beaufort de Richmond (1443-1509), avó do futuro Henrique VIII, escolheu-o como capelão e confessor pessoal.
Professor da Universidade de Cambridge, foi promovido entre os docentes da Universidade, adquirindo o título de chanceler, em 1504, mesmo ano em que foi nomeado bispo de Rochester, com direito a sentar-se na Câmara dos Lordes. Sua ação em favor da vida intelectual foi decisiva para o desenvolvimento de Cambridge: um bom latinista, aos 48 anos começou a estudar grego e, depois dos seus cinquenta anos, hebraico. Foi escolhido para representar o episcopado inglês no Concílio de Latrão, em 1512, ao qual, entretanto, não pôde comparecer.
De 1523 a 1533, lutou contra a Reforma, multiplicando seus escritos contra Lutero.
No caso do divórcio do rei Henrique VIII, ele se opôs às reivindicações do soberano emitindo um definitivo “non possumus”. Visto falhar uma proposta conciliatória no juramento de fidelidade ao rei “até onde a lei de Cristo permitir”, disse não ao Ato de Supremacia de 1534, que impunha a submissão completa do clero à coroa, e disse não ao divórcio, contra a lei de Deus. Pressionado pelo soberano, naquele mesmo ano, o Parlamento, aprovou o Ato de Traição. Essa lei tornou a negação ao Ato de Supremacia uma forma de traição, cuja punição era a morte. O bispo Fisher e Sir Thomas Morus foram executados em virtude dessa lei.
O destino de Fisher está intimamente ligado ao de Thomas Morus, com quem foi preso no dia 13 de abril de 1534 sob a acusação de lesa-majestade. Ambos foram aprisionados na Torre de Londres e em 17 de junho de 1535, a sentença de morte por decapitação foi emitida contra eles.
Esperando poupar a vida do Bispo, o Papa Paulo III elevou-o a Cardeal da cátedra de San Vitale no consistório de 22 de junho daquele ano, oferecendo-lhe a oportunidade de passar o resto de seus dias em Roma, no exílio. No entanto, Henrique VIII não permitiu a sua libertação do cativeiro. Assim, os futuros dois mártires, em suas celas e sem poderem ver-se, viveram pacíficos e serenos em Cristo, na defesa da verdade e no amor à Igreja de Roma. Sua antiga amizade era consolidada no sofrimento, trocando cartas de sublime espiritualidade.
A sentença de São João Fisher foi executada no dia 22 de junho de 1535 na Torre de Londres. O mártir proclamou diante do povo: “Eu vim aqui para morrer pela fé na Igreja Católica e em Cristo”. Seu corpo nu permaneceu exposto durante todo o dia no cadafalso e foi enterrado, sem cerimônia, em um túmulo anônimo no cemitério de Ognissanti. Posteriormente seria transferido para a capela de San Pietro in Vincoli na Torre de Londres.
Foi contado entre os cinquenta e quatro mártires ingleses proclamados beatos por Leão XIII em 29 de dezembro de 1886 e que posteriormente seriam canonizados pelo papa Pio XI em 19 de maio de 1935.

Descubra outros santos clicando aqui

Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes,
povos todos, festejai-o!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
No céu refulge a aurora
e nasce um novo dia.
As trevas se dissipem:
a luz nos alumia.

Bem longe os fantasmas,
os sonhos e ilusões!
Do mal que vem das trevas
quebremos os grilhões.

Na aurora derradeira
possamos, preparados,
cantar de Deus a glória,
na sua luz banhados.

Louvor e glória ao Pai,
ao Filho seu também,
e ao Divino Espírito
agora e sempre. Amém.

Salmo 116(117)
Eu digo: ... os pagãos glorificam a Deus, em razão da sua misericórdia (Rm 15,8.9).

Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes,
povos todos, festejai-o!

Pois comprovado é seu amor para conosco,
para sempre ele é fiel!

Glória ao Pai...

Leitura breve Fl 2,14-15
Fazei tudo sem reclamar ou murmurar, para que sejais livres de repreensão e ambiguidade, filhos de Deus sem defeito, no meio desta geração depravada e pervertida, na qual brilhais como os astros do universo.

A vós grito, ó Senhor, a vós clamo e vos digo: Sois vós meu abrigo!
Minha herança na terra dos vivos.

BENEDICTUS
Iluminai, ó Senhor, os que jazem nas trevas e na sombra da morte.

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Invoquemos a Deus, que elevou a Virgem Maria, Mãe de Cristo, acima de todas as criaturas do céu e da terra; e digamos cheios de confiança:

R. Interceda por nós a Mãe do vosso Filho.

Pai de misericórdia, nós vos damos graças porque nos destes Maria como mãe e exemplo:
– por sua intercessão, santificai os nossos corações. R.

Vós, que fizestes de Maria a serva fiel e atenta à vossa Palavra,
– por sua intercessão, fazei de nós servos e discípulos de vosso Filho. R.

Vós, que fizestes de Maria a Mãe do vosso Filho por obra do Espírito Santo,
– por sua intercessão, concedei-nos os frutos do mesmo Espírito. R.

Vós, que destes fortaleza a Maria para permanecer junto da cruz, e a enchestes de alegria com a ressurreição de vosso Filho,
– por sua intercessão, confortai-nos nas tribulações e reavivai a nossa esperança. R.

(Intenções livres)

Pai nosso...

Oração
Senhor nosso Deus, fonte de salvação, fazei que o testemunho de nossa vida exalte sempre a vossa glória e mereçamos cantar nos céus vosso louvor eternamente. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

“Ninguém pode servir a dois senhores”

No começo do mundo, Deus todo-poderoso fez do paraíso um lugar de verdadeira alegria. E, daquele lugar saia um rio que se dividia em quatro vertentes, significando as quatro virtudes capitais: justiça, temperança, prudência e fortaleza, com as quais toda a alma podia ser lavada e tornada agradável como muitas tantas águas. Mas, ao contrário, o diabo concebeu e fez outro paraíso de prazeres corporais e sensuais, e daí vieram quatro outros rios, muito diferentes dos quatros primeiros: o fluxo da cobiça contrária à justiça, o fluxo da gula contra a temperança, o fluxo do orgulho contra a prudência e o dilúvio da luxúria contra a fortaleza. Quem se afoga em qualquer uma dessas enchentes acha difícil voltar-se para Deus pela verdadeira contrição, pois a fúria deles é muito grande e transbordante. Por esta razão [...] aqueles que têm todos os prazeres deste mundo e são, em certo sentido, afogados neles, não devem se aproximar do Deus Todo-Poderoso para sua salvação. No entanto, qual é o remédio para nós que estamos no meio de todas essas inundações? Para onde podemos voar? Verdadeiramente, Deus é o único remédio e refúgio, pois sem a sua ajuda ninguém pode escapar sem se afogar. Houve muitos que, por sua ajuda em tempos passados, escaparam muito bem do perigo e do perigo dessas inundações. Abraão e Jó eram homens de grande riqueza e posses mundanas, mas esses prazeres não lhes eram prejudiciais, porque, apesar de tudo, eram homens santos e perfeitos. Embora fossem ricos, não tinham mente cobiçosa, nem desejo cobiçoso de bens materiais mundanos, mas estavam sempre contentes com o que quer que Deus lhes mandasse, prosperidade ou adversidade. Eles não fixaram suas mentes em ouro ou riquezas. O que o sábio disse pode ser dito de ambos: Bem-aventurado o homem que não coloca sua mente em ouro ou riquezas (Eclo 31, 8). Sempre que eles estavam mais cercados pelos prazeres do mundo, eles levantavam suas mentes para o Deus Todo-Poderoso, que os sustentava e era a sua salvaguarda do afogamento.

São João Fisher
Cardeal mártir (†1535).


I Vésperas

No Senhor ponho a minha esperança,
espero em sua palavra!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
Ó Deus, fonte de todas as coisas,
vós enchestes o mundo de dons
e, depois de criar o universo,
concluístes que tudo era bom.

Terminando tão grande trabalho,
decidistes entrar em repouso,
ensinando aos que cansam na luta,
que o descanso é também dom precioso.

Concedei aos mortais que suplicam,
os seus erros lavarem no pranto
e andarem nos vossos caminhos,
descobrindo da vida o encanto.

Deste modo, ao chegar para a terra
a aflição do temível Juiz,
possam todos, repletos de paz,
se alegrar pela vida feliz.

Esse dom concedei-nos, Deus Pai,
pelo Filho Jesus, Sumo Bem,
no Espírito Santo Paráclito,
que reinais para sempre. Amém.

Salmo 129(130)
Ele vai salvar o seu povo dos seus pecados (Mt 1,21).

Das profundezas eu clamo a vós,
Senhor, escutai a minha voz!
Vossos ouvidos estejam bem atentos
ao clamor da minha prece!

Se levardes em conta nossas faltas,
quem haverá de subsistir?
Mas em vós se encontra o perdão,
eu vos temo e em vós espero.

No Senhor ponho a minha esperança,
espero em sua palavra.
A minh’alma espera no Senhor
mais que o vigia pela aurora.

Espere Israel pelo Senhor
mais que o vigia pela aurora!
Pois no Senhor se encontra toda graça
e copiosa redenção.

Ele vem libertar a Israel
de toda a sua culpa.

Glória ao Pai...

Leitura breve 2Pd 1, 19-21
Assim se nos tornou ainda mais firme a palavra da profecia, que fazeis bem em ter diante dos olhos, como lâmpada que brilha em lugar escuro, até clarear o dia e levantar-se a estrela da manhã em vossos corações. Pois deveis saber, antes de tudo, que nenhuma profecia da Escritura é objeto de interpretação pessoal, visto que jamais uma profecia foi proferida por vontade humana. Mas, foi sob o impulso do Espírito Santo que homens falaram da parte de Deus.

Do nascer do sol até o seu ocaso, louvado seja o nome do Senhor!
Sua glória vai além dos altos céus.

MAGNIFICAT
E vós, quem dizeis que eu sou? Simão Pedro então respondeu: Tu és o Ungido de Deus!

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,

como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Invoquemos a Jesus Cristo, alegria de todos os que nele esperam; e digamos:

R. Ouvi-nos, Senhor e atendei-nos!

Testemunha fiel e dentre os mortos primogênito, que nos purificastes do pecado com o vosso sangue,
– fazei-nos sempre lembrar as vossas maravilhas. R.

Aqueles que escolhestes como mensageiros do vosso evangelho,
– tornai-os fiéis e zelosos administradores dos mistérios do reino. R.

Rei da paz, mandai o vosso Espírito sobre aqueles que governam os povos,
– a fim de que olhem com mais atenção para os pobres e necessitados. R.

Socorrei os que são vítimas da discriminação por causa da raça, cor, condição, língua ou religião,
– e fazei que sejam reconhecidos os seus direitos e a sua dignidade. R.

(Intenções livres)

Aos que morreram em vosso amor, tornai participantes da felicidade eterna,
– juntamente com a Virgem Maria e todos os santos. R.

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Salve, Regina, mater misericordiae
Vita, dulcedo, et spes nostra, salve.
Ad te clamamus, exsules, filii evae.
Ad te suspiramus, gementes et flentes
in hac lacrimarum valle.

Eia ergo, Advocata nostra,
illos tuos misericordes oculos
ad nos converte.
Et Iesum, benedictum fructum ventris tui,
nobis post hoc exsilium ostende.
O clemens, O pia, O dulcis Virgo Maria.

Ora pro nobis sancta Dei Genetrix.
Ut digni efficiamur promissionibus Christi. Amem.
(Tradução)

Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos os degredados filhos de Eva.
A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.
Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho segundo São Mateus 6,24-34.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro.
Por isso vos digo: Não vos preocupeis, quanto à vossa vida, com o que haveis de comer, nem, quanto ao vosso corpo, com o que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento e o corpo mais do que o vestuário?
Olhai para as aves do céu: não semeiam nem ceifam nem recolhem em celeiros; o vosso Pai celeste as sustenta. Não valeis vós muito mais do que elas?
Quem de entre vós, por mais que se preocupe, pode acrescentar um só côvado à sua estatura?
E porque vos inquietais com o vestuário? Olhai como crescem os lírios do campo: não trabalham nem fiam;
mas Eu vos digo: nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles.
Se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada ao forno, não fará muito mais por vós, homens de pouca fé?
Não vos inquieteis, dizendo: "Que havemos de comer? Que havemos de beber? Que havemos de vestir?"
Os pagãos é que se preocupam com todas estas coisas. Bem sabe o vosso Pai celeste que precisais de tudo isso.
Procurai primeiro o reino de Deus e a sua justiça, e tudo o mais vos será dado por acréscimo.
Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, porque o dia de amanhã tratará das suas inquietações. A cada dia basta o seu cuidado».

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.