Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Festividade do dia

segunda-feira 22 abril
São Teodoro de Siceão

Bispo (†613)

Antoine Mekary / ALETEIA
Compartilhar

San Teodoro nasceu em Sykeon, na Galácia (Ásia Menor), por volta de 530, durante o Império de Justiniano. A mãe e a tia dirigiam um hotel, que também servia como bordel, até que um cozinheiro cristão chegou e com sua arte culinária foi tão capaz de atrair clientes que as duas mulheres, felizmente, não precisaram mais ganhar a vida com a prostituição. Sua mãe se converteu ao cristianismo; mais tarde, quando nasceu Teodoro, ela o batizou, criando-o na fé cristã.
O cozinheiro, que era uma pessoa muito devota, também encorajou o jovem Teodoro a frequentar igrejas, ensinou-o a rezar e apresentou-o à prática ascética do jejum. Desde menino mostrou particular interesse pelas coisas sagradas e desenvolveu um profundo espírito de oração e mortificação. A direção espiritual do cozinheiro muito o influenciou. Aos treze anos, ele esculpiu uma caverna com as próprias mãos, sob a igreja dedicada a São Jorge, onde se refugiou por dois anos. Após este período decidiu tornar-se um eremita, em Arkea, a cerca de doze quilômetros dali.
Sua reputação de santidade atraía visitantes, que até lhe atribuíram o dom especial de exorcismo contra os maus espíritos. Para evitar que sua fama se espalhasse ainda mais, ele preferiu se retirar para as montanhas e tentar viver em uma caverna murada, conhecida apenas por outra pessoa.
Passou longos períodos em solidão, desde o Natal até o Domingo de Ramos. Por causa de sua conduta de vida tão austera e feita apenas de oração e jejum (ele se alimentava apenas aos sábados e domingos, e apenas com frutas e ervas), ele adoeceu e, estando em péssimo estado de saúde, foi levado à casa do bispo de Anastasiopoli, chamado Teodósio. O bispo fez com que ele tratasse de suas feridas e, desde que era profundamente admirado por sua santidade, em apenas cinco dias ele lhe conferiu as ordens sagradas, além de regra canônica. Assim, com apenas dezoito anos, ele recebeu a ordenação sacerdotal; após isso, foi rumo a Jerusalém, como um peregrino, onde recebeu o hábito monástico.
Ao retornar da Terra Santa, Teodoro inaugurou um novo estilo de vida extremamente austero, semelhante ao dos estilitas, e passou a viver em cestas suspensas. Todos os tipos de milagres foram atribuídos à sua intercessão, que mais uma vez atraiu visitantes e discípulos; para estes, foi necessário organizar um mosteiro, um albergue e uma igreja.
Embora contra sua vontade, foi eleito bispo de Anastasiopoli, cargo que ocupou por dez anos, até que obteve permissão para renunciar. Seu episcopado foi caracterizado principalmente por milagres e maravilhas. Não há notícias de sua “Acta” episcopal, senão de traços de brigas, que Teodoro tentou apaziguar, entre algumas aldeias das propriedades diocesanas, que haviam sido confiadas a leigos, que maltratavam e oprimiam as populações. Ele, finalmente, renunciou para poder dedicar-se de corpo e alma à oração e ao cuidado de seus monges, que durante sua ausência assumiram costumes bem relaxados. Alojou-se perto de Heliópolis, mas então foi convocado a ir até Constantinopla para receber grandes honras do imperador, já que ele, Teodoro, havia curado seu filho.
Passou o resto de seus dias no mosteiro, fazendo milagres e recebendo visitas. Foi um grande exemplo para seus discípulos, tanto no zelo da prática ascética, quanto no estudo das escrituras sagradas. Muitos foram os milagres que realizou, o que lhe valeu o apelido de milagreiro. Morreu no mosteiro de Siceão, em 22 de abril de 613, véspera do mártir São Jorge, a quem dedicou grande devoção durante toda a sua vida. Seu nome foi inserido tanto no menólio de Basílio quanto no Martirológio romano no dia 22 de abril.

Descubra outros santos clicando aqui

Cantai ao Senhor Deus um canto novo,
e o seu louvor na assembleia dos fiéis!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
Desdobra-se no céu
a rutilante aurora.
Alegre, exulta o mundo;
gemendo, o inferno chora.

Pois eis que o Rei, descido
à região da morte,
àqueles que o esperavam
conduz à nova sorte.

Por sob a pedra posto,
por guardas vigiado,
sepulta a própria morte
Jesus ressuscitado.

Da região da morte
cesse o clamor ingente:
‘Ressuscitou!’ exclama
o Anjo refulgente.

Jesus, perene Páscoa,
a todos alegrai-nos.
Nascidos para a vida,
da morte libertai-nos.

Louvor ao que da morte
ressuscitado vem,
ao Pai e ao Paráclito
eternamente. Amém.

Salmo 149
Os filhos da Igreja, novo povo de Deus, se alegrem no seu Rei Cristo Jesus (Hesíquio)

Cantai ao Senhor Deus um canto novo,
e o seu louvor na assembleia dos fiéis!
Alegre-se Israel em quem o fez,
e Sião se rejubile no seu Rei!
Com danças glorifiquem o seu nome,
toquem harpa e tambor em sua honra!

Porque, de fato, o Senhor ama seu povo
e coroa com vitória os seus humildes.
Exultem os fiéis por sua glória,
e cantando se levantem de seus leitos,
com louvores do Senhor em sua boca
e espadas de dois gumes em sua mão,

para exercer sua vingança entre as nações,
e infligir o seu castigo entre os povos,
colocando nas algemas os seus reis,
e seus nobres entre ferros e correntes,
para aplicar-lhes a sentença já escrita:
Eis a glória para todos os seus santos.

Glória ao Pai...

Leitura breve Rm10,8b-10
A palavra está perto de ti, em tua boca e em teu coração. Essa palavra é a palavra da fé, que nós pregamos. Se, pois, com tua boca confessares Jesus como Senhor e, no teu coração, creres que Deus o ressuscitou dos mortos, serás salvo. É crendo no coração que se alcança a justiça e é confessando a fé com a boca que se consegue a salvação.

Este é o dia que o Senhor fez para nós;
alegremo-nos, e nele exultemos. Aleluia.

BENEDICTUS
Ide logo dizer aos discípulos: o Senhor ressurgiu. Aleluia.

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Glorifiquemos a Cristo Jesus, constituído pelo Pai herdeiro de todos os povos; e rezemos:

R. Salvai-nos, Senhor, pela vossa vitória!

Cristo, que pela vossa ressurreição, rompestes as portas do inferno, destruindo o pecado e a morte,
– dai-nos, hoje e sempre, a vitória sobre o mal. R.

Vós, que expulsastes a morte, dando-nos vida nova,
– fazei-nos hoje caminhar na novidade dessa vida. R.

Vós, que fizestes passar todo o gênero humano da escravidão do pecado para a gloriosa
liberdade de filhos de Deus,
– concedei a vida eterna a todos os que encontrarmos neste dia. R.

Vós, que confundistes os guardas de vosso sepulcro e alegrastes os discípulos com a vossa ressurreição,
– enchei de alegria pascal todos aqueles que vos amam e servem. R.

(Intenções livres)

Pai nosso...

Oração
Ó Deus, que unis os corações dos vossos fiéis num só desejo, dai ao vosso povo amar o que ordenais e esperar o que prometeis, para que, na instabilidade deste mundo, fixemos os nossos corações onde se encontram as verdadeiras alegrias. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Alegrai-vos...

No caminho das mulheres, o Senhor veio ao encontro delas e disse: “Alegrai-vos”. Ele veio ao encontro delas e não as assustou com seu poder, mas veio ao encontro delas com o ardor de seu amor. Ele não as assustou com sua autoridade, mas as abordou com uma saudação. Ele as coloca sob a lei de um marido, não sob o direito de um senhor; pelo contrário, ele as honra com o afeto de um irmão que partilha da mesma sorte.
Ele não espera ser reconhecido, ele não procura ser compreendido, ele não convida a que lhe façam perguntas. Ele se entrega inteiramente em sua salvação, ele se dedica fervorosamente e cumpre sua missão pela salvação dos homens. Ele o fez, porque a força do amor triunfa e prevalece acima de tudo. E, também, porque, como Igreja, Cristo a salva, ele a fez sua, sendo como a sua própria carne e ele a acolheu em seu próprio corpo.
Em outra ocasião, ele chamou Maria, a própria mulher que chorou por ele como por um homem morto, e ele lhe recusou o direito de tocá-lo. Mas, agora ele encontra as mulheres, tão perfeitas, tão firmes na fé e atraídas pelo mistério, tão ardentes buscando pelo Senhor com toda a sua fé, que para ser reconhecido, ele se entrega a elas com esta fórmula: “Alegrai-vos”, que é como se dissesse: “Reconheçam-me”. Em outra ocasião não foi dada a Maria a permissão nem mesmo de tocá-lo; nesta ocasião foi totalmente permitido não apenas o direito de tocá-lo, mas de abraçar seus pés.

São Pedro Crisólogo
Arcebispo de Ravena (†450).

Celebrai o nosso Deus servidores do Senhor!
E vós todos que o temeis, vós os grandes e os pequenos!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
Às núpcias do Cordeiro
em brancas vestes vamos.
Transposto o mar Vermelho,
ao Cristo Rei cantamos.

Por nós no altar da cruz
seu corpo ofereceu.
Bebendo deste sangue,
nascemos para Deus.

Seu sangue em nossas portas
afasta o anjo irado.
Das mãos dum rei injusto
seu povo é libertado.

O Cristo, nossa Páscoa,
morreu como um Cordeiro.
Seu corpo é nossa oferta,
Pão vivo e verdadeiro.

Ó vítima verdadeira,
do inferno a porta abris,
livrais o povo escravo,
dais vida ao infeliz.

Da morte o Cristo volta,
a vida é seu troféu.
O inferno traz cativo
e a todos abre o céu.

Jesus, Pascal Cordeiro,
em vós se alegra o povo,
que, livre pela graça,
em vós nasceu de novo.

A glória seja ao Cristo
da morte vencedor.
Ao Pai e ao Santo Espírito
o nosso igual louvor.

Cântico Ap 19,1-2.5-7

Aleluia!
Ao nosso Deus a salvação
honra, glória e poder!
Pois são verdade e justiça
os juízos do Senhor.
Aleluia!

Aleluia!
Celebrai o nosso Deus
servidores do Senhor!
E vós todos que o temeis,
vós os grandes e os pequenos!
Aleluia!

Aleluia!
De seu reino tomou posse
nosso Deus onipotente!
Exultemos de alegria,
demos glória ao nosso Deus!
Aleluia!

Aleluia!
Eis que as núpcias do Cordeiro
redivivo se aproximam!
Sua Esposa se enfeitou,
se vestiu de linho puro.
Aleluia!

Glória ao Pai...

Leitura breve Hb 8,1b-3a
Temos um sumo-sacerdote tão grande, que se assentou à direita do trono da majestade, nos céus. Ele é ministro do Santuário e da Tenda verdadeira, armada pelo Senhor, e não por mão humana. Todo o sumo-sacerdote, com efeito, é constituído para oferecer dádivas e sacrifícios.

Este é o dia que o Senhor fez para nós;
alegremo-nos, e nele exultemos. Aleluia.

MAGNIFICAT
Jesus veio ao encontro das mulheres e as saudou; Convosco esteja a paz! Abraçaram seus pés e o adoraram.

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,

como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Invoquemos a Jesus Cristo, que vivificado pelo Espírito Santo, tornou-se fonte de vida para toda a humanidade; e digamos cheios de alegria:

R. Senhor, renovai todas as coisas e dai-nos vida nova!

Cristo, Salvador do mundo e Rei da nova criação, orientai toda a nossa vida para o reino da glória celeste,
– onde estais sentado à direita do Pai. R.

Senhor, que viveis na vossa Igreja até o fim dos tempos,
– conduzi-a pelo Espírito Santo ao conhecimento da verdade perfeita. R.

Fazei com que os doentes, sofredores e agonizantes sintam o vosso amor misericordioso;
– confortai-os e fortalecei-os com vossa bondade. R.

(Intenções livres)

Cristo, luz que não se apaga, aceitai o louvor que vos oferecemos ao cair desta tarde,
– e fazei brilhar, para os nossos irmãos e irmãs que partiram desta vida, a luz da vossa ressurreição. R.

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Regina coeli, laetare, alleluia.
Quia quem meruisti portare, alleluia.
Resurrexit, sicut dixit, alleluia.
Ora pro nobis Deum, aleluia

(Tradução)
Rainha dos céus, alegra-te, aleluia.
Porque aquele que mereceste levar em teu seio, aleluia.
Ressuscitou, segundo predisse, aleluia.
Roga a Deus por nós, aleluia.

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho segundo São Mateus 28,8-15.

Naquele tempo, Maria Madalena e a outra Maria, que tinham ido ao túmulo do Senhor, afastaram-se a toda a pressa, cheias de temor e de grande alegria, e correram a levar aos discípulos a notícia da Ressurreição.
Jesus saiu ao seu encontro e saudou-as. Elas aproximaram-se, abraçaram-Lhe os pés e prostraram-se diante d’Ele.
Disse-lhes então Jesus: «Não temais. Ide avisar os meus irmãos que partam para a Galileia. Lá Me verão».
Enquanto elas iam a caminho, alguns dos guardas foram à cidade participar aos príncipes dos sacerdotes tudo o que tinha acontecido.
Estes reuniram-se com os anciãos e, depois de terem deliberado, deram aos soldados uma soma avultada de dinheiro,
com esta recomendação: «Dizei: "Os discípulos vieram de noite roubá-l’O, enquanto nós estávamos a dormir".
Se isto chegar aos ouvidos do governador, nós o convenceremos e faremos que vos deixem em paz».
Eles receberam o dinheiro e fizeram como lhes tinham ensinado. Foi este o boato que se divulgou entre os judeus até ao dia de hoje.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.