Aleteia
Festividade do dia

sexta 28 fevereiro
Santas Marana e Cira

Eremitas († séc.V)

FAMILY
Monkey Business Images | Shutterstock
Compartilhar

Muito do que sabemos sobre a história dos santos da Igreja primitiva vem da “História religiosa” de Teodoreto de Ciro que, em muitos casos, os conheceu pessoalmente. Nesse trabalho, o bispo e o historiador eclesiástico nos dão exemplos do que era um vasto movimento ascético monástico na Síria, do qual nossas duas santas faziam parte. Teodoreto dedica um capítulo (XXIX) a Marana e Cira que ainda eram vivas, por volta de 440, quando ele escreveu sua obra..
Segundo ele, em suas próprias palavras: “A cidade delas (de Marana e Cira) era Berea (hoje Alepo), onde eram descendentes de uma ilustre família e foram educadas de acordo com sua condição socioeconômica. No entanto, desprezando todas as vantagens que lhes eram naturalmente concedidas, elas se enclausuraram em um pequeno local perto da cidade, fazendo com que fosse selada a porta de entrada. Querendo que alguns de seus servos as imitassem nesse tipo de vida, elas pediram que construíssem uma pequena casa, adjacente ao eremitério, na qual ordenaram que morassem. Observando seus atos através de uma pequena janela, elas frequentemente os faziam praticar exercícios de oração e os inflamavam no amor de Deus. Para entrar em contato com o mundo exterior, em vez de porta, elas tinham uma pequena janela através da qual recebiam o que era necessário para viver e conversavam com as outras mulheres que vinham visitá-las apenas durante o período dos 50 dias de Páscoa, passando o resto do ano em constante silêncio. Marana era a única pessoa que falava com essas mulheres. Quanto a Cira, na verdade, ninguém nunca ouviu a menor palavra de sua boca. Cira, que era de constituição mais delicada que a irmã, vivia sempre curvada, sem ter a possibilidade de se levantar. As duas irmãs vestiam roupas tão longas que cobriam os pés e na fronte portavam uma espécie de véu que descia até a cintura e cobria completamente o rosto, as mãos e o ventre”.
Quando Teodoreto escrevera estas linhas, havia quarenta e dois anos que Marana e Cira levavam essa vida como eremitas, tornando-a ainda mais dolorosa ao carregar correntes pesadas e às vezes prolongando o jejum por quarenta dias. “Impulsionadas pelo desejo de ver os lugares sagrados que Jesus Cristo honrou com seus sofrimentos, elas foram, em jejum, à Jerusalém, comendo apenas depois de terem adorado a Deus. No entanto, em seu retorno começaram a jejuar novamente, embora demorasse nada menos que vinte dias para percorrer um longo caminho”. Em outra ocasião, foram a Isáuria, da mesma forma, visitar a igreja de Santa Tecla, a protomártir. Com o tempo, Marana e Cira não diminuíram o ritmo de vida, pelo contrário, passaram a ter um ardor implacavelmente renovado em relação à coroa que Cristo, que deveria ser colocada em suas cabeças após a vitória.
Não se sabe a data exata da morte de Marana e Cira, já que Teodoreto é a única fonte disponível.

Descubra outros santos clicando aqui

Fazei-me ouvir cantos de festa e de alegria,
e exultarão estes meus ossos que esmagastes.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
Ó Cristo, sol de justiça,
brilhai nas trevas da mente.
Com força e luz, reparai
a criação novamente.

Dai-nos, no tempo aceitável,
um coração penitente,
que se converta e acolha
o vosso amor paciente.

A penitência transforme
tudo o que em nós há de mal.
É bem maior que o pecado
o vosso dom sem igual.

Um dia vem, vosso dia,
e tudo então refloresce.
Nós, renascidos na graça,
exultaremos em prece.

A vós, Trindade clemente,
com toda a terra adoramos,
e no perdão renovados
um canto novo cantamos.

Salmo 50(51)
Renovai o vosso espírito e a vossa mentalidade. Revesti o homem novo (Ef 4,23-24).

Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia!
Na imensidão de vosso amor, purificai-me!
Lavai-me todo inteiro do pecado,
e apagai completamente a minha culpa!

Eu reconheço toda a minha iniquidade,
o meu pecado está sempre à minha frente.
Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei,
e pratiquei o que é mau aos vossos olhos!

Mostrais assim quanto sois justo na sentença,
e quanto é reto o julgamento que fazeis.
Vede, Senhor, que eu nasci na iniquidade
e pecador já minha mãe me concebeu.

Mas vós amais os corações que são sinceros,
na intimidade me ensinais sabedoria.
Aspergi-me e serei puro do pecado,
e mais branco do que a neve ficarei.

Fazei-me ouvir cantos de festa e de alegria,
e exultarão estes meus ossos que esmagastes.
Desviai o vosso olhar dos meus pecados
e apagai todas as minhas transgressões!

Criai em mim um coração que seja puro,
dai-me de novo um espírito decidido.
Ó Senhor, não me afasteis de vossa face,
nem retireis de mim o vosso Santo Espírito!

Dai-me de novo a alegria de ser salvo
e confirmai-me com espírito generoso!
Ensinarei vosso caminho aos pecadores,
e para vós se voltarão os transviados.

Da morte como pena, libertai-me,
e minha língua exaltará vossa justiça!
Abri meus lábios, ó Senhor, para cantar,
e minha boca anunciará vosso louvor!

Pois não são de vosso agrado os sacrifícios,
e, se oferto um holocausto, o rejeitais.
Meu sacrifício é minha alma penitente,
não desprezeis um coração arrependido!

Sede benigno com Sião, por vossa graça,
reconstruí Jerusalém e os seus muros!
E aceitareis o verdadeiro sacrifício,
os holocaustos e oblações em vosso altar!

Glória ao Pai...

Leitura breve Is 53,11b-12
Meu Servo, o justo, fará justos inúmeros homens, carregando sobre si suas culpas. Por isso, compartilharei com ele multidões e ele repartirá suas riquezas com os valentes seguidores, pois entregou o corpo à morte, sendo contado como um malfeitor; ele, na verdade, resgatava o pecado de todos e intercedia em favor dos pecadores.

Vós nos resgatastes, ó Senhor, para Deus o vosso sangue nos remiu.
Dentre todas as tribos e línguas, dentre os povos da terra e nações.

BENEDICTUS
Quando vês o teu irmão necessitado, não o desprezes, mas estende-lhe a mão; e tua luz vai levantar-se como a aurora, caminhará tua justiça à tua frente.

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Imploremos a Cristo Salvador, que nos remiu por sua morte e ressurreição; e digamos:

R. Senhor, tende piedade de nós!

Vós, que subistes a Jerusalém para sofrer a Paixão, e assim entrar na glória,
– conduzi vossa Igreja à Páscoa da eternidade. R.

Vós, que, elevado na cruz, deixastes a lança do soldado vos traspassar,
– curai as nossas feridas. R.

Vós, que transformastes o madeiro da cruz em árvore da vida,
– concedei os frutos dessa árvore aos que renasceram pelo batismo. R.

Vós, que, pregado na cruz, perdoastes o ladrão arrependido,
– perdoai-nos também a nós pecadores. R.

(intenções livres)
Pai nosso...

Oração
Ó Deus, assisti com vossa bondade a penitência que iniciamos, para que vivamos interiormente as práticas externas da Quaresma. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

A oração chama, o jejum intercede, a misericórdia recebe

Três são, irmãos, as fontes que fazem com que a fé se mantenha firme, a devoção seja constante e a virtude permanente. Essas três fontes são: a oração, o jejum e a misericórdia. Porque a oração chama, o jejum intercede, a misericórdia recebe. Oração, misericórdia e jejum constituem uma única coisa, e se retroalimentam reciprocamente. O jejum, com efeito, é a alma da oração, e a misericórdia é a vida do jejum. Ninguém tente dividi-los, porque eles não podem ser separados. Quem possui apenas um dos três, se ao mesmo tempo não possui os outros, não possui nenhum. Portanto, quem ora, jejue; quem jejua, tenha compaixão; que ouça aqueles que desejam ser ouvidos, pois Deus presta ouvidos aos que não fecham os seus àqueles que imploram.
Que aquele que jejua entenda bem o que é o jejum; que preste atenção aos famintos que desejam que Deus preste atenção à sua fome; que ele se compadeça de quem espera misericórdia; que tenha piedade de quem a busca; que responda a quem quer que Deus responda. É um suplicante indigno que pede o que nega ao outro. Diga a si mesmo a norma da misericórdia, de acordo com a forma, quantidade e rapidez com que desejarias que tivessem misericórdia de ti. Compadece-te quando quiseres que os outros se compadeçam de ti. Consequentemente, a oração, misericórdia e o jejum devem ser como um único intercessor em nosso favor diante de Deus, um único chamado, uma única e tripla petição.
Recuperemos com jejuns o que perdemos pelo desprezo; imolemos nossas almas com o jejuns, porque não há nada melhor que possamos oferecer a Deus, de acordo com o que o profeta disse: “Meu sacrifício é um espírito quebrado: um coração quebrado e humilhado que não podes desprezar”. Homem, oferece tua alma a Deus e oferece a oferta do jejum, para ser hóstia pura, um sacrifício santo, uma vítima viva, proveitosa para ti e aceita por Deus. Quem não der isto a Deus não terá desculpa, porque não há nada que se possua que não possa ser dado.
No entanto, para que estas oferendas sejam aceitas, a misericórdia deve vir depois; o jejum não germina se a misericórdia não o irriga, o jejum se torna infrutífero se a misericórdia não o fertiliza: o que é chuva para a terra, que é misericórdia para o jejum. Por mais que aperfeiçoes teu coração, purifica tua carne, arranca os vícios e semeia as virtudes, pois não produz caudais de misericórdia, quem jejua e não colhe fruto algum.
Tu que jejuas, pensa que teu campo, fica em jejum se tua misericórdia jejuar; o que tu semeias em misericórdia, isto mesmo transbordará em teu celeiro. Para que não percas por teres guardado, recolhe a força da repartição. Ao dar ao pobre, fazes de ti mesmo uma esmola: porque o que deixas de dar para outro não terá tampouco para ti.
São Pedro Crisólogo
Sermão 43: PL 52,320.322
Bispo e Padre da Igreja (†450).

Como são grandes e admiráveis vossas obras,
ó Senhor e nosso Deus onipotente!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
A abstinência quaresmal
vós consagrastes, ó Jesus;
pelo jejum e pela prece,
nos conduzis da treva à luz.

Ficai presente agora à Igreja,
ficai presente à penitência,
pela qual vos suplicamos
para os pecados indulgência.

Por vossa graça, perdoai
as nossas culpas do passado;
contra as futuras protegei-nos,
manso Jesus, Pastor amado,

Para que nós, purificados
por esses ritos anuais,
nos preparemos, reverentes,
para gozar os dons pascais.

Todo o universo vos adore,
Trindade Santa, Sumo Bem.
Novos, por graça, vos cantemos
um canto novo e belo. Amém.

Cântico Ap15,3-4

Como são grandes e admiráveis vossas obras,
ó Senhor e nosso Deus onipotente!
Vossos caminhos são verdade, são justiça,
ó Rei dos povos todos do universo!

Quem, Senhor, não haveria de temer-vos,
e quem não honraria o vosso nome?
Pois somente vós, Senhor, é que sois santo!

As nações todas hão de vir perante vós,
e prostradas haverão de adorar-vos,
pois vossas justas decisões são manifestas!

Glória ao Pai...

Leitura breve Tg 5,16.19-20
Confessai uns aos outros os vossos pecados e orai uns pelos outros para alcançar a saúde. A oração fervorosa do justo tem grande poder. Meus irmãos, se alguém de vós se desviar da verdade e um outro o reconduzir, saiba este que aquele que reconduz um pecador desencaminhado salvará da morte a alma dele e cobrirá uma multidão de pecados.

Curai-me, Senhor, ó Deus Santo, pois pequei contra vós.
Tende piedade de mim, renovai-me!

MAGNIFICAT
Quando o esposo se ausentar, os convidados para as bodas haverão de jejuar.

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,

como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Adoremos o Salvador do gênero humano, que morrendo destruiu a morte e ressuscitando renovou a vida; e pecamos com humildade:

R. Santificai, Senhor, o povo que remistes com vosso sangue!

Jesus, nosso Redentor, conceda que, pela penitência, nos associemos cada vez mais plenamente à vossa Paixão,
- a fim de alcançarmos a glória da ressurreição. R.

Acolhei-nos sob a proteção de Maria, vossa Mãe, consoladora dos aflitos, - para podermos confortar os tristes com o mesmo auxílio
- que de vós recebemos. R.

Concedei-nos a graça de tomar parte na vossa Paixão por meio dos sofrimentos da vida,
- para que também em nós se manifeste a vossa salvação. R.

Senhor Jesus, que vos humilhastes na obediência até à morte e morte de cruz,
- ensinai-nos a ser obedientes e a sofrer com paciência. R.

Tornai os corpos de nossos irmãos e irmãs falecidos semelhantes à imagem do vosso corpo glorioso,
- e fazei-nos dignos de participar um dia, com eles, da vossa glória. R.

(Intenções livres)

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Salve, Regina, mater misericordiae
Vita, dulcedo, et spes nostra, salve.
Ad te clamamus, exsules, filii evae.
Ad te suspiramus, gementes et flentes
in hac lacrimarum valle.

Eia ergo, Advocata nostra,
illos tuos misericordes oculos
ad nos converte.
Et Iesum, benedictum fructum ventris tui,
nobis post hoc exsilium ostende.
O clemens, O pia, O dulcis Virgo Maria.

Ora pro nobis sancta Dei Genetrix.
Ut digni efficiamur promissionibus Christi. Amen.
(Tradução)

Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos os degredados filhos de Eva.
A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.
Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho segundo São Mateus 9,14-15.
Naquele tempo, os discípulos de João Batista foram ter com Jesus e perguntaram-Lhe: «Por que motivo nós e os fariseus jejuamos e os teus discípulos não jejuam?».
Jesus respondeu-lhes: «Podem os companheiros do esposo ficar de luto, enquanto o esposo estiver com eles? Dias virão em que o esposo lhes será tirado: nesses dias jejuarão.

Boletim
Receba Aleteia todo dia