Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 23 Abril |
Bem-aventurada Maria Gabriela Saghéddu
Oração do dia
Festividade do diaHistórias de Santos

São Palémon

Abade anacoreta (†sec. IV)

GIRL

Public Domain

Santo do dia

Se o nome de Palémon não caiu no esquecimento é devido à celebridade alcançada por seu discípulo Pacômio, o Grande. De fato, sua vida narra que Pacômio, impulsionado pelo desejo de levar uma vida monástica, foi bater à porta de Palémon para entrar em sua escola. Como era de costume, foi recebido com frieza, mas tratava-se da primeira provação à qual o mestre submetia um provável discípulo.
Palémon descreveu para Pacômio a severidade de sua ascese: como alimento se contentava com um pouco de pão e sal; passava metade da noite em oração e meditação, e que às vezes sua vigília se prolongava por toda a noite.
Nada disso, porém, assustou Pacômio, animado de grande zelo e confiança na ajuda do Senhor, desta forma Palémon lhe deu o hábito monástico e unidos se dedicaram à ascese, à oração e ao trabalho manual. Os monges, assim como outros cristãos, devem ser atentos ao conselho do apóstolo Paulo e pensar não apenas em sua própria subsistência, mas também na dos menos favorecidos.
Durante as vigílias noturnas, quando percebia que o sono o assaltava, Palémon saía com seu discípulo e ambos começavam a transportar areia de um lugar para outro – resistindo, assim, ao que consideravam uma tentação – para que pudessem continuar suas orações sem perigo de sonolência.
Palémon recusava qualquer desvio de seu regime frugal e em um dia de Páscoa não quis tocar no prato preparado por Pacômio para marcar o dia festivo, que consistia de erva com um pouco de óleo.
Após Pacômio ter a revelação da fundação monástica que deveria ser estabelecida em Tabenna, na Tebaida, região do Egito, ele pediu ao mestre que o acompanhasse e ele aceitou. Depois de algum tempo, Palémon propôs ao discípulo um pacto entre eles: não mais se separariam até a morte de um dos dois. E assim o fizeram.
Mas, as forças de Palémon começaram a declinar e seu corpo enfraquecia. Ele, de fato, tinha o hábito de se abster de beber se comesse e não comer se bebesse. Depois de ceder por algum tempo aos pedidos de seus discípulos, que o obrigavam a comer algo um pouco mais substancial, o velho logo retornou aos seus velhos hábitos. Ele justificava sua ascese dizendo que os mártires tinham que suportar os tormentos sofridos pela fé de Cristo até o fim e que, portanto, ele poderia suportar as pequenas misérias que lhe foram enviadas.
Pacômio nunca abandonou seu mestre e quando Palémon, ao final de seus dias, deu seu último suspiro, foi ele quem o levou para a sepultura.
A tradição escrita não transmitiu nenhum ensinamento de Palémon e as coleções do Apophthegmata Patrum não guardaram nenhum de seus ditos. Da vida de Pacômio, encontrou-se mais uma vez o nome de Palémon quando seu discípulo, ao cercar-se de outros monges, referia-se aos ensinamentos do antigo mestre, a propósito das diversas formas de organizar a oração da noite, alternando-a com o repouso.
No Ocidente, a memória de Palémon permaneceu ausente dos Martirológios históricos até que C. Baronio, a inserir no Martirológio romano em 11 de janeiro de janeiro de 2018, com o curto elogio: “In Thebaide sancti Palaemonis abbatis, magistri sancti Pachomii”.

Descubra outros santos clicando aqui
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
ROBERTO CARLOS
Ricardo Sanches
A música que Roberto Carlos cantou no próprio aniversário de 80 a...
2
Imagem de Nossa Senhora na Síria
Reportagem local
Freiras na Síria redescobrem oração de 700 anos contra epidemias
3
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
4
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma gestação rara
5
Broken Mary
Reportagem local
Nasce (e cresce) nos EUA a inspiradora devoção a “Nossa Senhora D...
6
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
7
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
Ver mais