Aleteia
Festividade do dia

Sexta-feira 3 Julho
Bem-aventurada Ana Mogas Fontcuberta

Fundadora (†1886)

JESUS
Compartilhar

Filha de ricos fazendeiros, Maria Ana Pellegrina Mogas nasceu na região de Barcelona (Corró de Vall) em 1827. Aos sete anos de idade passou pela trágica experiência de perder o pai. Seis anos depois, foi a vez de sua mãe: faleceu no ano de 1834, de modo que Maria Ana se encontrou órfã e teve que morar com a tia e madrinha em Barcelona. Aí continuou seus estudos. Em 1848 ela se uniu a um grupo de noviças Capuchinhas, exclaustradas devido à perseguição religiosa que se abatia sobre a Espanha. O pequeno grupo decidiu que deveriam construir um centro de estudos para a educação cristã da juventude. Mediante o apoio de seu diretor espiritual, o padre José Tous, elas acabaram fundando o Instituto das Terciárias Capuchinhas do Divino Pastor. Em 1850 inauguraram a casa e no dia 13 de junho, com a autorização da tia e de seu pároco, Maria Ana Mogas se tornou a primeira superiora da obra. Nos primeiros anos se dedicou à consolidação das atividades da casa. Aos poucos, as irmãs iam aumentando em seu número de modo que também o ensinamento na casa ia adquirindo cada vez mais qualidade. Aconselhando-se com o futuro Santo Antonio Maria Claret, Maria Ana conseguiu manter firma sua obra. Com o passar dos anos, outras casas iam se abrindo, sempre dedicadas ao ensinamento e à assistência social. Em 1869, com o apoio do Arcebispo Antonio Claret, conseguiu abrir uma casa na capital, em Madrid. Apesar das ampliações, nem tudo era tranquilidade: com o passar do tempo foram surgindo desavenças internas que culminaram com a separação da comunidade: houve uma parte das irmãs que, junto com Madre Mogas fundaram as “Franciscanas Missionárias da Mãe do Divino Pastor”, ao passo que a outra parte acabou fundando as “Capuchinhas da Mãe do Divino Pastor”. Essa divisão foi um grande dissabor na vida de Madre Mogas. Apesar disso, ela mesma fundou outras sete casas até que, em 1878, foi acometida por um ataque e apoplexia. A partir daí, sua saúde foi se minando aos poucos. Sua morte sobreveio no dia 3 de julho de 1886 em Madrid. São João Paulo II a proclamou Bem-aventurada no dia 6 de outubro de 1996.

Descubra outros santos clicando aqui

Ao Senhor, Rei dos Apóstolos, vinde, adoremos.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
Tu fulguras qual luzeiro
entre os doze, São Tomé;
oh! recebe prazenteiro
o louvor de nossa fé!

O Senhor te fez sentar
sobre um trono só de luz.
O amor levou-te a dar
tua vida por Jesus.

Relataram os irmãos
que o Senhor tornara à vida;
queres vê-lo e, com as mãos,
apalpar suas feridas.

Que alegria quando o viste
redivivo em seu fulgor;
e com fé o adoraste
como Deus e teu Senhor.

Entre nós, que não o vemos,
nossa fé por ti floresça,
o amor com que o buscamos
dia a dia sempre cresça.

Seja ao Cristo honra e vitória!
Que a teus rogos ele dê
vê-lo vivo em sua glória
a quem anda à luz da fé!

Salmo 62(63),2-9

Vigia diante de Deus, quem rejeita as obras das trevas (cf. 1Ts 5,5)

Sois vós, ó Senhor, o meu Deus!
Desde a aurora ansioso vos busco!
A minh'alma tem sede de vós,
minha carne também vos deseja,
como terra sedenta e sem água!

Venho, assim, contemplar-vos no templo,
para ver vossa glória e poder.
Vosso amor vale mais do que a vida:
e por isso meus lábios vos louvam.

Quero, pois, vos louvar pela vida,
e elevar para vós minhas mãos!
A minh'alma será saciada,
como em grande banquete de festa;
Cantará a alegria em meus lábios,
ao cantar para vós meu louvor!

Penso em vós no meu leito, de noite,
nas vigílias suspiro por vós!
Para mim fostes sempre um socorro;
de vossas asas à sombra eu exulto!
Minha alma se agarra em vós;
com poder vossa mão me sustenta.

Glória ao Pai...

Leitura breve Ef 2,19-22
Já não sois mais estrangeiros nem migrantes, mas concidadãos dos santos. Sois da família de Deus. Vós fostes integrados no edifício que tem como fundamento os apóstolos e os profetas, e o próprio Jesus Cristo como pedra principal. É nele que toda a construção se ajusta e se eleva para formar um templo santo no Senhor. E vós também sois integrados nesta construção, para vos tornardes morada de Deus pelo Espírito.

Fareis deles os chefes por toda a terra.
Lembrarão vosso nome, Senhor, para sempre.

BENEDICTUS
Acreditaste, Tomé, porque me viste.
Felizes os que crêem sem ter visto! Aleluia.

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Irmãos caríssimos, tendo recebido dos apóstolos a herança celeste, agradeçamos a Deus, nosso Pai, todos os seus dons; e aclamemos:

R. O coro dos apóstolos vos louva, Senhor!

Louvor a vós, Senhor, pela mesa do vosso Corpo e Sangue que recebemos por intermédio dos apóstolos;
– por ela somos alimentados e vivemos. R.

Louvor a vós, Senhor, pela mesa de vossa Palavra, preparada para nós pelos apóstolos;
– por ela recebemos luz e alegria. R.

Louvor a vós, Senhor, por vossa santa Igreja, edificada sobre o fundamento dos apóstolos;
– com ela formamos um só Corpo. R.

Louvor a vós, Senhor, pelos sacramentos do Batismo e da Penitência que confiastes aos apóstolos;
– por eles somos lavados de todo pecado. R.

(Intenções livres)

Pai nosso ...

Oração
Deus todo-poderoso, concedei-nos celebrar com alegria a festa do apóstolo São Tomé, para que sejamos sempre sustentados por sua proteção e tenhamos a vida pela fé no Cristo que ele reconheceu como Senhor. Que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo.

Felizes aqueles que creem sem ter visto
“Põe teu dedo, aqui tens minhas mãos com o sinal dos cravos”. Tomé toca-as e toda sua desconfiança desaparece. Cheio de fé sincera e de todo o amor que ele deve a Deus, ele exclama: “Meu Senhor e meu Deus!”. E o Senhor lhe diz: “Porque me viste, acreditaste? Bem-aventurados os que creem sem ver”. Tomé, leva a boa notícia de minha ressurreição para aqueles que não me viram. Arrasta a terra inteira para crer no que não veem, em tua palavra. Percorre as aldeias e as cidades distantes. Ensina-os a carregar sobre seus ombros, não as armas, mas a cruz. Não deixes de me anunciar: eles acreditarão e me adorarão. Eles não exigirão outras evidências. Dize-lhes que são chamados pela graça, e tu, contempla a fé deles: “Felizes, de fato, aqueles que creem sem ter visto!”. Esse é o exército seduzido pelo Senhor; esses são os filhos da piscina batismal, as obras da graça, a colheita do Espírito. Eles seguiram a Cristo sem tê-lo visto, o procuraram e nele creram. Eles o reconheceram com os olhos da fé, não com os do corpo. Eles não colocaram o dedo nas marcas dos cravos, mas se uniram a sua cruz e abraçaram seus sofrimentos. Eles não viram o lado aberto do Senhor, mas, pela graça, tornaram-se membros de seu corpo e tornaram sua a palavra sua: “Felizes são aqueles que creem sem ter visto!”.
Basílio de Selêucia
Sermão da Ressurreição, 1-4.
Foi arcebispo na Ásia Menor e amigo de São João Crisóstomo († 458).

Ao Senhor, Rei dos Apóstolos, vinde, adoremos!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
Exulte o céu com louvores,
e a terra cante vitória:
Dos enviados de Cristo
os astros narram a glória.

Ó vós, juízes dos tempos,
luz verdadeira do mundo,
dos corações que suplicam
ouvi o grito profundo.

Dizendo só uma palavra,
os céus fechais ou abris.
Mandai que sejam desfeitos
de nossa culpa os ardis.

À vossa voz obedecem
enfermidade e saúde.
Sarai nossa alma tão frágil
e dai-nos paz e virtude.

E quando o Cristo vier
no fim dos tempos julgar,
das alegrias eternas
possamos nós partilhar.

Louvor e glória ao Deus vivo,
que em vós nos deu sua luz,
o Evangelho da vida
que para o céu nos conduz.

Salmo 115(116 B)

Por meio de Jesus, ofereçamos a Deus um perene sacrifício de louvor(Hb 13,15).

Guardei a minha fé, mesmo dizendo:
'É demais o sofrimento em minha vida!'
Confiei, quando dizia na aflição:
'Todo homem é mentiroso! Todo homem!'

Que poderei retribuir ao Senhor Deus
por tudo aquilo que ele fez em meu favor?
Elevo o cálice da minha salvação,
invocando o nome santo do Senhor.
Vou cumprir minhas promessas ao Senhor
na presença de seu povo reunido.

É sentida por demais pelo Senhor
a morte de seus santos, seus amigos.
Eis que sou o vosso servo, ó Senhor,
vosso servo que nasceu de vossa serva;
mas me quebrastes os grilhões da escravidão!

Por isso oferto um sacrifício de louvor,
invocando o nome santo do Senhor.
Vou cumprir minhas promessas ao Senhor
na presença de seu povo reunido;
nos átrios da casa do Senhor,
em teu meio, ó cidade de Sião!

Glória ao Pai…

Leitura Ef 4,11-13
Cristo instituiu alguns como apóstolos, outros como profetas, outros ainda como evangelistas, outros, enfim, como pastores e mestres. Assim, ele capacitou os santos para o ministério, para edificar o corpo de Cristo, até que cheguemos todos juntos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, ao estado do homem perfeito e à estatura de Cristo em sua plenitude.

Anunciai entre as nações a glória do Senhor.
E as suas maravilhas entre os povos do universo.

MAGNIFICAT
Coloquei os meus dedos na fenda dos cravos, coloquei minhas mãos em seu lado aberto
e exclamei: Meu Senhor e meu Deus, aleluia!

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,
como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Irmãos, edificados sobre o fundamento dos apóstolos, roguemos a Deus Pai todo-poderoso em favor de seu povo santo; e digamos:

R. Lembrai-vos, Senhor, da vossa Igreja!

Vós quisestes, ó Pai, que o vosso Filho, ressuscitado dos mortos, aparecesse em primeiro lugar aos apóstolos;
– fazei de nós testemunhas do vosso Filho até os confins da terra. R.

Vós, que enviastes vosso Filho ao mundo para evangelizar os pobres,
– fazei que o Evangelho seja pregado a toda criatura. R.

Vós, que enviastes vosso Filho para semear a palavra do reino,
– concedei-nos colher na alegria os frutos da palavra semeada com o nosso trabalho. R.

Vós, que enviastes vosso Filho para reconciliar o mundo convosco pelo seu sangue,
– fazei que todos nós colaboremos na obra da reconciliação de toda a humanidade. R.

(Intenções livres)

Vós, que glorificastes vosso Filho à vossa direita nos céus,
– recebei no reino da felicidade eterna os nossos irmãos e irmãs falecidos. R.

Pai nosso...

ANTÍFONA MARIANA
Salve, Regina, mater misericordiae
Vita, dulcedo, et spes nostra, salve.
Ad te clamamus, exsules, filii evae.
Ad te suspiramus, gementes et flentes
in hac lacrimarum valle.

Eia ergo, Advocata nostra,
illos tuos misericordes oculos
ad nos converte.
Et Iesum, benedictum fructum ventris tui,
nobis post hoc exsilium ostende.
O clemens, O pia, O dulcis Virgo Maria.

Ora pro nobis sancta Dei Genetrix.
Ut digni efficiamur promissionibus Christi. Amen.
(Tradução)
Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos, degredados filhos de Eva.
A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.
Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho segundo São João 20,24-29.
Naquele tempo, Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus.
Disseram-lhe os outros discípulos: «Vimos o Senhor». Mas ele respondeu-lhes: «Se não vir nas suas mãos o sinal dos cravos, se não meter o dedo no lugar dos cravos e a mão no seu lado, não acreditarei».
Oito dias depois, estavam os discípulos outra vez em casa e Tomé com eles. Veio Jesus, estando as portas fechadas, apresentou-Se no meio deles e disse: «A paz esteja convosco».
Depois disse a Tomé: «Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos; aproxima a tua mão e mete-a no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente».
Tomé respondeu-Lhe: «Meu Senhor e meu Deus!».
Disse-lhe Jesus: «Porque Me viste, acreditaste: felizes os que acreditam sem terem visto».

Boletim
Receba Aleteia todo dia