Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Festividade do dia

terça-feira 19 fevereiro
Beato José Zaplata

Mártir (†1945)

CHILD
Compartilhar
Santo do dia

José Zaplata nasceu em 05 de marco de 1904, na aldeia de Jerka, perto Kościan, uma cidade na voivodia de Grande Polônia, no condado de Kościański, e foi batizado na igreja paroquial de Lubin. Por causa da pobreza de seus pais, que trabalhavam no campo, ele não pôde estudar além da escola fundamental.
Em 1927, após servir o exército de seu país, ingressou na Congregação dos Frades do Sagrado Coração de Jesus, sendo acolhido pelo próprio fundador, frei Stanisław Andrzej Kubiak. Emitiu os votos simples com a idade de vinte e quatro anos no dia 8 de setembro de 1928, em Poznan. Nesta mesma cidade emitiu, dez anos depois, seus votos solenes, em 10 de março de 1938.
Foi designado para trabalhar na Cúria do Arcebispo de Poznan, estando em contato próximo com o Cardeal August Hlond (cujo processo de beatificação está em andamento). Segundo uma testemunha, que o conheceu na época, “o amor a Deus e ao próximo eram transparentes em todos os momentos de sua vida cotidiana”. Posteriormente, foi nomeado sacristão da igreja de Santa Isabel em Lviv (no oeste da atual Ucrânia), onde ao mesmo tempo acumulou a função de superior da comunidade local de seus irmãos.
Desde o princípio da ocupação nazista na Polônia, em 3 de setembro de 1939, a atenção dele pelos seus compatriotas despertou a atenção da Gestapo. Ao ser preso, foi transferido para o campo de concentração de Mauthausen e depois para o campo de Gusen.
Finalmente, em 8 de julho de 1940, foi enviado para o campo de concentração de Dachau, onde passou todo o período da guerra, marcado com o triângulo vermelho que identificava os presos políticos, acompanhado pelo “P” que sinalizava sua nacionalidade. Seu número de identificação era 22.099.
Em fevereiro de 1945, poucos meses antes da libertação, uma epidemia de tifo espalhou-se pelo campo. Frei José ofereceu-se para cuidar dos doentes e moribundos, mantidos em isolamento em um quartel especial. Ele sabia que corria o risco de ser infectado, mas quis servir os doentes até o fim, oferecendo o sacrifício de sua vida para obter o retorno à Polônia do cardeal Hlond, que fora forçado ao exílio.
Finalmente, devido ao tifo e à privação, morreu em 19 de fevereiro de 1945.
Seu processo de beatificação foi aberto em 26 de janeiro de 1992 e fechou exatamente dois anos depois, em 26 de janeiro de 1994.
A partir de 13 de outubro de 1995, foi incluído na lista mais ampla que incluía ao todo 108 possíveis mártires, mortos durante a perseguição contra a Igreja polonesa, que surgiu durante a ocupação alemã, que durou de 1939 a 1945.
A “Positio super martyrio” foi emitida em 1998 pela Congregação para as Causas dos Santos. Os consultores teológicos examinaram-no em 20 de novembro de 1998, enquanto os cardeais e os bispos do mesmo Dicastério o avaliaram positivamente em 16 de fevereiro de 1999.
Em 26 de março de 1999, o papa João Paulo II autorizou a promulgação do decreto pelo qual os 108 servos de Deus poderiam ser oficialmente declarados mártires.
O mesmo pontífice os beatificou em 13 de junho de 1999 em Varsóvia, durante sua sétima viagem apostólica à Polônia.

Descubra outros santos clicando aqui

Oração para esta manhã

A vida inteira cantaremos nossos salmos,
agradecendo ao Senhor em sua casa.
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém
Hino
Da luz Criador,
vós mesmo sois luz
e dia sem fim.
Vós nunca da noite
provastes as trevas:
Só Deus é assim.

A noite já foge
e o dia enfraquece
dos astros a luz.
A estrela da aurora,
surgindo formosa,
no céu já reluz.

Os leitos deixando,
a vós damos graças
com muita alegria,
porque novamente,
por vossa bondade,
o sol traz o dia.

Ó Santo, pedimos
que os laços do Espírito
nos prendam a vós,
e, assim, não ouçamos
as vozes da carne
que clamam em nós.

Às almas não fira
a flecha da ira
que traz divisões.
Livrai vossos filhos
da própria malícia
dos seus corações.

Que firmes na mente
e castos no corpo,
de espírito fiel,
sigamos a Cristo,
Caminho e Verdade,
doçura do céu.

O Pai piedoso
nos ouça, bondoso,
e o Filho também.
No laço do Espírito
unidos, dominam
os tempos. Amém.

Cântico Is 38,10-14.17-20
Eu sou aquele que vive. Estive morto. Eu tenho a chave da morte (Ap 1,18).

Eu dizia: ‘É necessário que eu me vá
no apogeu de minha vida e de meus dias;
para a mansão triste dos mortos descerei,
sem viver o que me resta dos meus anos’.

Eu dizia: ‘Não verei o Senhor Deus
sobre a terra dos viventes nunca mais;
nunca mais verei um homem neste mundo!’

Minha morada foi à força arrebatada,
desarmada como a tenda de um pastor.
Qual tecelão, eu ia tecendo a minha vida,
mas agora foi cortada a sua trama.

Vou me acabando de manhã até à tarde,
passo a noite a gemer até a aurora.
Como um leão que me tritura os ossos todos,
assim eu vou me consumindo dia e noite.

O meu grito é semelhante ao da andorinha,
o meu gemido se parece ao da rolinha.
Os meus olhos já se cansam de elevar-se,
de pedir-vos: ‘Socorrei-me, Senhor Deus!’

Mas vós livrastes minha vida do sepulcro,
e lançastes para trás os meus pecados.
Pois a mansão triste dos mortos não vos louva,
nem a morte poderá agradecer-vos;

para quem desce à sepultura é terminada
a esperança em vosso amor sempre fiel.
Só os vivos é que podem vos louvar,
como hoje eu vos louvo agradecido.

O pai há de contar para seus filhos
vossa verdade e vosso amor sempre fiel.
Senhor, salvai-me! Vinde logo em meu auxílio,
e a vida inteira cantaremos nossos salmos,
agradecendo ao Senhor em sua casa.

Glória ao Pai...

Leitura breve 1 Ts 5,4-5
Vós, meus irmãos, não estais nas trevas, de modo que esse dia vos surpreenda como um ladrão. Todos vós sois filhos da luz e filhos do dia. Não somos da noite, nem das trevas.

Por vosso amor, ó Senhor, ouvi minha voz, confiante eu espero na vossa palavra.
Chego antes que a aurora e clamo a vós.

BENEDICTUS
Salvai-nos, ó Senhor, da mão dos inimigos!

Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou;

e fez surgir um poderoso Salvador
na casa de Davi, seu servidor,

como falara pela boca de seus santos,
os profetas desde os tempos mais antigos,

para salvar-nos do poder dos inimigos
e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais,
recordando a sua santa Aliança

e o juramento a Abraão, o nosso pai,
de conceder-nos que, libertos do inimigo,

a ele nós sirvamos sem temor
em santidade e em justiça diante dele,
enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando a frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,

anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;

pela bondade e compaixão de nosso Deus,
que sobre nós fará brilhar o Sol nascente,

para iluminar os quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados

e para dirigir os nossos passos,
guiando-os no caminho da paz.

Glória ao Pai...

Preces
Bendigamos a Cristo, nosso Salvador, que pela sua ressurreição iluminou o mundo; e o invoquemos com humildade, dizendo:

R. Guardai-nos, Senhor, em vossos caminhos!

Senhor Jesus, nesta oração da manhã celebramos a vossa ressurreição,
e vos pedimos que a esperança da vossa glória ilumine todo o nosso dia. R.

Recebei, Senhor, nossas aspirações e propósitos,
como primícias deste dia. R.

Fazei-nos crescer hoje em vosso amor,
a fim de que tudo concorra para o nosso bem e de todas as pessoas. R.

Fazei, Senhor, que a nossa vida brilhe como luz diante dos homens,
para que vejam as nossas boas obras e glorifiquem a Deus Pai. R.

(Intenções livres)

Pai nosso ...

Oração
Senhor Jesus Cristo, luz verdadeira que iluminais a todos os seres humanos para salvá-los, concedei-nos a força de preparar diante de vós os caminhos da justiça e da paz. Vós, que sois Deus com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

Meditação do dia

Não entendes?

A religião, que é coisa das almas, tem que imitar a estrutura dos corpos; os quais, mesmo com o processo dos anos, desabrocham e se desenvolvem suas possibilidades orgânicas, permanecendo aquilo que eram antes. Há uma grande diferença entre a flor da infância e a maturidade da velhice; mas, aqueles que atingem a senilidade são os mesmos que antes foram adolescentes.
Da mesma forma, o dogma da religião cristã tem que seguir essas leis do desenvolvimento, a fim de que se consolide efetivamente ao longo dos anos, se amplie no tempo e se torne mais sublime com a transição das idades. Nossos pais plantaram, no passado, neste campo da Igreja a semente do trigo da fé: seria uma iniquidade e uma incoerência que nós, seus descendentes, substituíssemos a autêntica verdade daquele trigo pelo erro do joio. Pelo contrário, é correto e coerente que, uma vez que o primeiro e o último não podem se contradizer, recolhamos do trigo semeado numa colheita dogmática de trigo. E, sempre que, ao longo do tempo, se desenvolver algo desta semente primordial, este deve celebrado e colhido.

São Vicente de Lérins
Bispo de Lérins (†415).

Oração para esta tarde

Muita atenção, ó habitantes deste mundo;
poderosos e humildes, escutai-me,
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
como era no princípio, agora e sempre.
Amém.

Hino
Autor e origem do tempo,
por sábia ordem nos dais
o claro dia ao trabalho,
e a noite, ao sono e à paz.

As mentes castas guardai
dentro da calma da noite
e que não venha a feri-las
do dardo mau o açoite.

Os corações libertai
de excitações persistentes.
Não quebre a chama da carne
a força viva das mentes.

Ouvi-nos, Pai piedoso,
e vós, ó Filho de Deus,
que como Espírito Santo
reinais eterno nos céus.

Salmo 13(14)
Onde se multiplicou o pecado, aí superabundou a graça (Rm 5,20).

Diz o insensato em seu próprio coração:
‘Não há Deus! Deus não existe!’
Corromperam-se em ações abomináveis.
Já não há quem faça o bem!

O Senhor, ele se inclina lá dos céus
sobre os filhos de Adão,
para ver se resta um homem de bom senso
que ainda busque a Deus.

Mas todos eles igualmente se perderam,
corrompendo-se uns aos outros;
não existe mais nenhum que faça o bem,
não existe um sequer.

Será que não percebem os malvados
quanto exploram o meu povo?
Eles devoram o meu povo como pão,
e não invocam o Senhor.

Mas um dia vão tremer de tanto medo,
porque Deus está com o justo.
Podeis rir da esperança dos humildes,
mas o Senhor é o seu refúgio!
Que venha, venha logo, de Sião
a salvação de Israel!

Quando o Senhor reconduzir do cativeiro
os deportados de seu povo,
que júbilo e que festa em Jacó,
que alegria em Israel!

Glória ao Pai...

Leitura breve Rm 3,23-25a
Todos pecaram e estão privados da glória de Deus, e a justificação se dá gratuitamente, por sua graça, em virtude da redenção realizada em Jesus Cristo. Deus destinou Jesus Cristo a ser, por seu próprio sangue, instrumento de expiação mediante a realidade da fé. Assim Deus mostrou sua justiça.

Junto a vós, felicidade, felicidade sem limites!
Delícia eterna, ó Senhor.

MAGNIFICAT
Ó Senhor, fazei conosco maravilhas, pois santo e poderoso é vosso nome!

A minha alma engrandece ao Senhor
e se alegrou o meu espírito em Deus, meu Salvador;
pois ele viu a pequenez de sua serva,
desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita.

O Poderoso fez por mim maravilhas
e Santo é o seu nome!
Seu amor, de geração em geração,
chega a todos que o respeitam;

demonstrou o poder de seu braço,
dispersou os orgulhosos;
derrubou os poderosos de seus tronos
e os humildes exaltou;

De bens saciou os famintos,
e despediu, sem nada, os ricos.
Acolheu Israel, seu servidor,
fiel ao seu amor,

como havia prometido aos nossos pais,
em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

Glória ao Pai...

Preces
Louvemos a Cristo, pastor e guia de nossas almas, que ama e protege o seu povo; e, pondo nele toda a nossa esperança, supliquemos:

R. Senhor, protegei o vosso povo!

Pastor eterno, protegei o nosso Bispo N.,
e todos os pastores da vossa Igreja. R.

Olhai com bondade para os que sofrem perseguição,
e apressai-vos em libertá-los de seus sofrimentos. R.

Tende compaixão dos pobres e necessitados,
e dai pão aos que têm fome. R.

Iluminai os que têm a responsabilidade de fazer as leis das nações,
para que em tudo possam discernir com sabedoria e equidade. R.

(Intenções livres)

Socorrei, Senhor, os nossos irmãos e irmãs falecidos, que remistes com vosso sangue,
para que mereçam tomar parte convosco no banquete das núpcias eternas. R.

Pai nosso ...

ANTÍFONA MARIANA
Salve, Regina, mater misericordiae
Vita, dulcedo, et spes nostra, salve.
Ad te clamamus, exsules, filii evae.
Ad te suspiramus, gementes et flentes
in hac lacrimarum valle.

Eia ergo, Advocata nostra,
illos tuos misericordes oculos
ad nos converte.
Et Iesum, benedictum fructum ventris tui,
nobis post hoc exsilium ostende.
O clemens, O pia, O dulcis Virgo Maria.

Ora pro nobis sancta Dei Genetrix.
Ut digni efficiamur promissionibus Christi. Amen.
(Tradução)

Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida e doçura esperança nossa salve! A vós bradamos os degredados filhos de Eva.
A vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas.
Eia, pois advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa ó doce e sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém

SEJAM SANTOS!
Na escola da santidade.

Evangelho do dia

Evangelho segundo São Marcos 8,14-21.

Naquele tempo, os discípulos esqueceram-se de arranjar comida e só tinham consigo um pão no barco.
Então Jesus recomendou-lhes: «Tende cuidado com o fermento dos fariseus e o fermento de Herodes».
Eles discutiam entre si, dizendo: «Fala assim porque não temos pão».
Mas Jesus ouviu-os e disse-lhes: «Porque estais a discutir que não tendes pão? Ainda não entendeis nem compreendeis? Tendes o coração endurecido?
Tendes olhos e não vedes, ouvidos e não ouvis?
Não vos lembrais quantos cestos de bocados recolhestes, quando Eu parti os cinco pães para as cinco mil pessoas?». Eles responderam: «Doze».
«E quantos cestos de bocados recolhestes, quando reparti sete pães para as quatro mil pessoas?». Eles responderam: «Sete».
Disse-lhes então Jesus: «Não entendeis ainda?».

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.