1/12

Uma catedral adaptada

A grande catedral de Colônia foi completamente adaptada à crise da saúde para acomodar os fiéis. Ao longo do corredor central, as marcas brancas, a mais de um metro de distância, mostram onde os fiéis devem estar durante a comunhão. Durante a celebração, há no máximo duas pessoas por banco e elas ficam nos extremos.
2/12

Barreiras de segurança

Geralmente implantadas fora das celebrações, as barreiras de segurança agora são usadas na Catedral de Colônia 24 horas por dia, mesmo durante as missas. Somente padres, servidores de altar e leitores podem se aproximar do altar.
3/12

Desinfecção obrigatória

Em Colônia, os 122 fiéis que assistiram à primeira missa desde 11 de março, no domingo passado (3 de maio), tiveram a obrigação de desinfetar as mãos ao entrar na igreja. Dezenas de tubos de álcool gel foram disponibilizados. Enquanto durar a epidemia, eles serão usados antes de cada celebração.
4/12

Coleta sem contato

Nesta igreja em Trier, no oeste da Alemanha, a coleta geralmente é feita pelos servidores do altar. Durante a pandemia, eles não passam mais pelas fileiras, mas deixam as cestas na parte de trás da igreja.
5/12

Lugares assinalados

Em algumas paróquias, como esta em Kevelaer, na Alemanha, os lugares são designados pessoalmente. Os fiéis estão sentados em fileiras escalonadas e devem permanecer a um metro de distância uns dos outros. Para participar da missa, eles devem agendar previamente pela internet.
6/12

Pontos verdes indicam assentos utilizáveis

As missas públicas são agora celebradas na Catedral de Trier, na Alemanha, perto da fronteira com Luxemburgo. Para evitar a contaminação, dois grandes pontos verdes são colocados em cada banco para indicar aos fiéis onde eles podem se sentar.
7/12

Máscara obrigatória

Na Polônia, as missas públicas foram retomadas em 20 de abril. Na paróquia de São José, em Cracóvia, os fiéis não podem ficar na igreja para missa se não usarem uma máscara protetora.
8/12

Marcas no chão para a comunhão

Na Igreja de São Pedro, em Recklinghausen, no noroeste da Alemanha, marcas no chão indicam aos fiéis a distância a ser respeitada quando estão na fila da comunhão.
9/12

Fila rigorosa

Também na Catedral de Colônia, esta foto ilustra as precauções tomadas no momento da comunhão. Graças às marcas no chão, a linha se estende por vários metros. Os fiéis devem manter imperativamente uma distância de pelo menos um metro da pessoa à frente deles.
10/12

Proteção na hora da comunhão

Esta foto foi tirada na Catedral de Colônia no domingo, 3 de maio, onde 122 pessoas compareceram à missa de domingo. Para evitar a contaminação, foi através de uma tela de acrílico que o arcebispo Rainer Maria Woelki deu comunhão. Exceto durante a comunhão, os fiéis tinham de usar uma máscara protetora.
11/12

O sacerdote se desloca para a comunhão

Esta foto foi tirada nesta segunda-feira, 4 de maio, na Igreja de São Lourenço, na Baviera alemã, na cidade de Eschenbach. Aqui, para evitar as filas de comunhão, o pároco se dirigiu a cada fiel. E ele colocava a hóstia consagrada na mão de cada fiel usando uma pinça e, assim, evitava o contato físico.
12/12

Distância de segurança

Angela Merkel autorizou oficialmente as igrejas na Alemanha a receber os fiéis desde sexta-feira, 1º de maio. Em Hannover, as pessoas devem respeitar as regras de distância e higiene para os momentos de oração.