Aleteia

No final das contas, com Deus, tudo sempre dá certo

Compartilhar
Comentar

Existe diferença entre "sentir medo e ser dominado por ele" e "sentir medo e ainda assim ser livre"

Eu estava ouvindo “Moderno à moda antiga” da Marcela Taís, mas não como ouço todas as vezes, dessa vez foi diferente, alguma coisa me incomodava. “São os meus medos, eles estão sendo confrontados”, pensei. E era isso. Passei tempo demais tentando domesticar os meus medos e até mesmo os alimentando. É medo, quem não sente medo? Todos sentem medo de alguma coisa.
Mas existe diferença entre sentir medo e ser dominado por ele e sentir medo e ainda assim ser livre. Medos têm suas raízes e muitas vezes só você e Deus é que sabem quais raízes são essas. Um pai que não soube ser pai. Talvez, alguém especial que prometeu ficar, mas que, na verdade, desconhece o amor. Ou um melhor amigo que não é mais amigo. E o medo é assim, deu a mão, ele puxa você por inteiro.
“Casar? Quem, eu? Para quê? Olha, isso parece ser bonito, mas não acho que seja para mim”, “Ser mãe? Ter uma família? Ah, não penso mais nisso”, “Não preciso de ninguém ao meu lado, por que precisaria? Estou muito bem assim”, “Sentir algo novo? Deixar que alcancem o meu coração? Ah, não, Deus me livre!”, “Encarar meus medos? Deixa para depois”. Corajoso pensar ou dizer coisas assim, mas triste quando são pelos motivos errados.
Às vezes, são sonhos abandonados, planos e projetos frustrados, esperança e fé enfraquecidas. Mas a parte boa é que o medo sempre se retira quando Deus se aproxima. E o que estava aprisionado pelo medo, como os sonhos, é liberto e ganha vida. Como uma faísca que se acende no coração para depois incendiá-lo por completo. No final das contas, com Ele, tudo sempre dá certo.
(via Alma com Flores)
Compartilhar
Comentar
Temas deste artigo:
confiancadeusmedo
Boletim
Receba Aleteia todo dia