Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Carta de Cristóvão Colombo é devolvida ao Vaticano

Christopher Columbus
Domenico Stinellis | AP
A reprinted copy of Christopher Columbus original letter written in 1493 about the discovery of the New World is displayed during a press conference in Rome, Wednesday, May 18, 2016. The United States has returned to Italy a letter written by Christopher Columbus in 1493 about his discovery of the New World that was stolen from a Florence library and unwittingly acquired by the Library of Congress. (AP Photo/Domenico Stinellis)
Compartilhar

Documento endereçado a reis católicos "sumiu" dos arquivos vaticanos e foi parar nas mãos de um colecionador

A embaixadora dos Estados Unidos junto à Santa Sé, Callista Gingrich, devolveu ao Vaticano uma cópia original da carta escrita por Cristóvão Colombo quando ele retornou de sua primeira viagem à América.

O documento substituiu a cópia falsa que o Vaticano mantinha desde 1921. O texto original passou por várias mãos até chegar a uma família de colecionadores de Atlanta, que decidiu entregá-la à Santa Sé.

A carta escrita em 1493 foi endereçada aos reis católicos. Nela, Colombo contava suas descobertas na América e solicitava fundos para suas viagens seguintes. Depois de um tempo, a carta, que estava redigida em espanhol, foi traduzida ao latim e ao italiano.

Uma cópia da carta chegou ao Vaticano em 1921 como parte de uma coleção. Em 2011, o Departamento de Segurança dos Estados Unidos recebeu um telefonema de um especialista em livros raros e manuscritos que indicava que a missiva guardada nos arquivos da Santa Sé poderia ser falsa.

 

Foi feita uma investigação e descobriu-se que a cópia original estava nas mãos do americano Robert Parsons, que a comprou de um vendedor de livros raros em 2004. Parsons não sabia que a carta era roubada.

Em dezembro de 2013, Parsons fez com que um especialista analisasse a carta e concluiu-se que era uma cópia original. Em junho de 2016, outro especialista explicou que a cópia original foi vendida por Massimo De Caro, um conhecido ladrão italiano que atualmente cumpre pena de sete anos de prisão por roubar cerca de 4 mil livros antigos de bibliotecas públicas e privadas na Itália.

O Sr. Parsons faleceu e a viúva revisou as provas que demonstravam que a carta tinha sido roubada, por isso decidiu restitui-la ao Vaticano.

A cerimônia de devolução do documento aconteceu no dia 14 de junho de 2018.

 

Com informações de ACI Digital