Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 21 Abril |
Santo Apolônio
home iconAtualidade
line break icon

Racismo versus democracia racial no Brasil

© liveostockimages/SHUTTERSTOCK

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 06/12/20

Os dados estatísticos, goste-se ou não deles, busque-se ou não justificativas, estão aí

O Brasil é um país racista? Ou, pior ainda, o povo brasileiro é racista? Como uma outra pergunta que já nos fizemos, se havia cristofobia no Brasil, essa é uma questão difícil. Existem os dados objetivos e existe a sensibilidade das pessoas, existe a dor do discriminado, existe o descaso do preconceituoso, mas também existe a inocência de muitos (inocência que pode representar uma real posição de não discriminação ou apenas uma falta de percepção consciente). 

Os dados estatísticos, goste-se ou não deles, busque-se ou não justificativas, estão aí. Os negros ou pardos, segundo a terminologia adotada pelo IBGE, representam 55% da população brasileira (segundo os dados publicados em 2017), mas representam 75,5% das vítimas de homicídio no País, cerca de 65% dos trabalhadores desocupados ou subutilizados, 75% dos brasileiros que vivem na miséria. Mesmo considerando-se o grau de instrução, os negros têm salários em média menor do que os brancos e mais dificuldade de ocupar cargos gerenciais (todos esses dados podem ser visto no estudo Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil, do IBGE)…

Talvez o leitor ou a leitora já estejam saturados de ler sobre essas coisas. A repercussão dos assassinatos dos negros George Floyd, nos EUA, e João Alberto Silveira Freitas, no Brasil, mais a Semana da Consciência Negra (em novembro), inundou as mídias de textos sobre racismo. Contudo, ainda existem alguns aspectos polêmicos que gostaria de comentar, infelizmente (pois o ideal seria que o racismo não existisse e não precisássemos falar nele).

Racismo estrutural e supremacismo

As pesquisas de opinião pública mostram, repetidamente, que o brasileiro não se considera racista, mas acredita que o racismo existe no Brasil – ou seja, seria um defeito dos outros, mas não dele. Para entendermos isso, os conceitos de racismo estrutural e supremacismo são úteis.

Racismo estrutural é aquele que está presente nas estruturas sociais, não sendo devido à ação consciente de uma pessoa em particular. Desde a abolição da escravatura, a população negra vive na pobreza e tem menos acesso à instrução formal. Hoje em dia, esses são problemas estruturais, que não acontecem porque uma pessoa ou outra é preconceituosa, mas sim porque a estrutura da sociedade, historicamente construída, é injusta. Já o chamado supremacismo é uma ideologia segundo a qual uma pessoa julga que a sua etnia (“raça”) é melhor do que as outras e tem direito a privilégios que as outras não têm. O supremacismo, como postura consciente, é muito raro no Brasil, mas o racismo estrutural domina nossa sociedade. Daí a falsa ideia de uma “democracia racial” no Brasil.

Um aspecto ainda mais complicado é o preconceito subjetivo e inconsciente que afeta grande parte da população. Não queremos ser preconceituosos, racionalmente rechaçamos o preconceito, mas ideias preconceituosas – ouvidas exaustivamente em nossa vida, repetidas em piadas de mal gosto, usadas para ocultar os problemas estruturais da sociedade – acabam moldando nosso inconsciente. 

Há muito anos, ouvi um testemunho, de uma professora muito católica e já idosa, que ajuda a entender o que seria uma posição verdadeiramente cristã diante do racismo. Ela, quando jovem, era assistente da Juventude Operária Católica (JOC), em sua cidade no interior de São Paulo. Nos sábados à noite, saia com as amigas operárias, quase todas “de cor”, e era discriminada na cidade, chamada de comunista e censurada por se misturar com pessoas “socialmente inferiores” (para usar os termos mais empregados na época). Ela nunca se arrependeu do que fazia e de suas amizades. Contudo, me confidenciou: “elas eram todas minhas amigas, mas se meu filho chegasse em casa dizendo que iria se casar com uma jovem negra, eu teria dificuldade de aceitar, mesmo não dizendo nada – e procuro combater isso em mim”.

O modo de matar monstros

O escritor argentino Julio Cortazar, no livro Os reis (São Paulo: Civilização Brasileira, 2015), faz com que o Minotauro diga a Teseu: “só existe um modo de matar os monstros, acreditar neles”. A professora, ao realizar um tão católico e profundo exame de consciência, não se percebia menos preconceituosa do que os demais por ter uma conduta mais aberta. Pelo contrário, descobria no seu íntimo o pecado que ainda devia ser extirpado. Não negava ou minimizava o monstro, acreditava nele – e por isso tinha mais condições de vencê-lo.

Existem muitos caminhos objetivos para superar o racismo estrutural. Esse é um tema amplo, para outro artigo. Mas, para superá-lo em nossa subjetividade, temos que seguir o exemplo da velha professora. O racismo pode ser a trave em nosso olho, que não enxergamos enquanto queremos tirar o cisco do olho dos nossos irmãos (cf. Mt 7, 3-5). Permanece como desafio a nossa conversão.


CARDINAL GIANFRANCO RAVASI

Leia também:
Contra o racismo, cardeal nos recorda que “somos todos humanidade”


RACISM

Leia também:
Entenda o que é racismo estrutural e faça sua parte para combatê-lo

Tags:
Violência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
3
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
4
BENEDICT XVI
Francisco Vêneto
Em nova e extensa biografia, Bento XVI desmascara o atual “...
5
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
6
Papa Bento XVI
Francisco Vêneto
Bento XVI faz 94 anos e é o primeiro Papa a atingir essa idade na...
7
ALTAR BOY,
Un cammino chiamato famiglia
Coroinha desmaia durante Via Sacra, mas a cru...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia