Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 06 Março |
Bem-aventurada Rosa de Viterbo
home iconReligião
line break icon

Papa Francisco e Scalfari, como Matteo Ricci na corte da modernidade

© ServizioFotograficoOR/CPP

IHU - publicado em 03/10/13

Quem esperava que, com a entrevista à Civiltà Cattolica, o Papa Francisco tivesse alcançado a ponta mais avançada da sua campanha do outono europeu se equivocou

Como o jesuíta Matteo Ricci na corte do imperador da China no fim do século XVI, com o magistério das entrevistas, o papa jesuíta fala ao mundo contemporâneo através dos "mandarins" do areópago da comunicação.

A opinião é do historiador italiano Massimo Faggioli, professor de história do cristianismo da University of St. Thomas, em Saint Paul, nos EUA. O artigo foi publicado no sítio HuffingtonPost.it, 01-10-2013. A tradução é de Moisés Sbardelottem publicada hoje em IHU On-Line.

Eis o texto.

Quem esperava que, com a entrevista à Civiltà Cattolica, o Papa Francisco tivesse alcançado a ponta mais avançada da sua campanha do outono europeu se equivocou. Sobre algumas questões, na longa conversa publicada nessa terça-feira com o fundador do jornal La RepubblicaEugenio Scalfari, o Papa Francisco vai além da histórica entrevista concedida em meados de agosto ao padre Antonio Spadaro e publicada menos de duas semanas atrás em diversas línguas em todo o mundo.

Do ponto de vista da sua autoapresentação como cristão que se tornou papa, Francisco acrescenta detalhes significativos para compreender a sua visão do mundo, da vida e da história: uma professora comunista assassinada pelos militares, o diálogo como elemento fundamental da humanidade, uma visão reconciliada com a modernidade como fato histórico.

Do ponto de vista da sua visão da Igreja, algumas afirmações são sem precedentes, quanto à substância e quanto ao estilo: "A corte é a lepra do papado". Acerca da reforma da Cúria, Francisco vê na Cúria Romana de hoje "uma Cúria Vaticano-cêntrica que cuida dos interesses temporais do Vaticano". Sobre a chaga do clericalismo, Francisco entende e assume a reação anticlerical: "Também acontece comigo, quando eu tenho diante de mim um clerical, eu me torno anticlerical na hora".

Do ponto de vista das referências teológicas, o jesuíta Papa Francisco escolhe Agostinho e Francisco, deixando de fora São Tomás (que talvez Scalfari preferiria e que escandalizará alguns teólogos de profissão).

Do ponto de vista da concepção das relações entre Igreja e política, Francisco relança a ideia de uma Igreja a serviço da humanidade como tal, uma Igreja "serva e pobre", como Yves Congar disse nos anos doConcílio Vaticano II: "Devemos restaurar esperança aos jovens, ajudar os idosos, abrir ao futuro, difundir o amor. Pobres entre os pobres. Devemos incluir os excluídos e pregar a paz".

Sobre o Concílio Vaticano II, vítima nos últimos anos de uma verdadeira ofensiva revisionista neoconservadora, a entrevista vai mais a fundo do que qualquer outro pronunciamento anterior, desde a sua eleição, lançando um duro julgamento sobre aquilo que o pós-Concílio fez com o Concílio: "O Vaticano II, inspirado pelo Papa João XXIII e porPauloVI, decidiu olhar para o futuro com espírito moderno e se abrir à cultura moderna. Os Padres conciliares sabiam que se abrir à cultura moderna significava ecumenismo religioso e diálogo com os não crentes. Desde então, muito pouco foi feito nessa direção. Eu tenho a humildade e a ambição de querer fazê-lo".

A entrevista foi publicada nessa terça-feira, 1º de outubro de 2013, no início de uma semana crucial para o papado, com a reunião do grupo dos oito cardeais e a viagem a Assis sobre os passos do santo do qual o papa tomou o nome. Aqui também, Francisco não poupa palavras para explicar a sua ação e recuperar (se poderia dizer reabilitar) uma das figuras ostracizadas na década anterior, o cardeal de MilãoCarlo Maria Martini: "Eu decidi, como primeira coisa, nomear um grupo de oito cardeais que sejam o meu conselho. Não cortesãos, mas pessoas sábias e animadas pelos meus próprios sentimentos. Esse é o início daquela Igreja com uma organização não apenas verticalista, mas também horizontal. Quando o cardeal Martini falava disso acentuando os Concílios e os Sínodos, ele sabia muito bem como era longo e difícil o caminho a percorrer nessa direção. Com prudência, mas com firmeza e tenacidade".

Sobre a política, o papa se detém várias vezes, definindo-a como "a primeira das atividades civis [que] tem um campo de ação próprio que não é o da religião". Mas a visão da política de Francisco não é procedimental, e a expressão de respeito pela distinção dos âmbitos não é ritual: "Pessoalmente, penso que o chamado liberalismo selvagem só torna os fortes mais fortes, os fracos mais fracos, e os excluídos mais excluídos. É preciso uma grande liberdade, nenhuma discriminação, sem demagogia e muito amor. São necessárias regras de comportamento e também, se necessário, intervenções diretas do Estado para corrigir as desigualdades mais intoleráveis".

As consequências desse papado são cada vez mais difíceis de prever: em alguns âmbitos, o choque é palpável, e não faltam aqueles que tentam deslegitimar esse papa, detendo-se somente um milímetro antes da acusação de heresia. É preciso entendê-los: a Igreja, segundo o Papa Francisco, deve voltar à cena sem constrangimentos, sem cautelas, sem álibis.

Como o jesuíta Matteo Ricci na corte do imperador da China no fim do século XVI, com o magistério das entrevistas, o papa jesuíta fala ao mundo contemporâneo através dos "mandarins" do areópago da comunicação.

Mas não é propaganda ou publicidade o que essas entrevistas transmitem. Teologicamente, a ideia de diálogo volta ao centro do ser "Igreja-mundo" na modernidade. Politicamente, a Igreja volta a se fazer parte com quem não tem parte alguma. Abandonadas as sirenes da apocalíptica, o papado volta à profecia.

(Publicado em IHU On-Line, no dia 3 de outubro de 2013)

Tags:
EntrevistasPapa Franciscoreforma
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
MIRACLE
Maria Paola Daud
Mateo se perdeu no mar… e apareceu nos braços do pai
2
MADONNA
Maria Paola Daud
A curiosa imagem da Virgem Maria protetora contra o coronavírus
3
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
10 coisas sobre São José que você precisa saber
4
Reportagem local
Santo Sudário, novo estudo: “Não é imagem de morto, mas de ...
5
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
6
Santo Sudário
Aleteia Brasil
Manchas do Santo Sudário são do sangue de alguém que sofreu morte...
7
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
Quantos anos tinha São José quando Jesus nasceu?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia