Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 03 Fevereiro |
Bem-aventurado Tshimangadzo Samuel Benedito Daswa
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

O que e é e como se formou a Mariologia ao longo dos séculos?

vergine Maria Aleteiaar – pt

أليتيا

Fr. Thiago Pereira, SCJ - Reparatoris - publicado em 24/03/14

É no agir de Maria que vemos o modelo da vida cristã

Podemos, como católicos, pensar que a Virgem Maria, na Igreja, é apenas um objeto de devoção e esquecemos que ela também teve e tem um papel muito importante na obra da Salvação e, por isso, é digna de ser – além de cultuada – estudada. Para isso, existe uma matéria que chamamos de mariologia.

O que é mariologia? É a disciplina que, dentro da teologia, estuda o locus (lugar) da Virgem Maria na obra da Salvação.

Maria nos primeiros séculos de cristianismo: A mariologia como tratado separado é fruto da Idade Média. O primeiro milênio de cristianismo conhece Maria, mas sempre numa relação com Jesus Cristo, onde este era o protagonista dos discursos e homilias – lembremo-nos que a Patrística era o período das grandes controvérsias teológico-cristológicas, salvos alguns relatos piedosos, como o “protoevangelho de Tiago” (início do século III) e a “Vida de Maria”, do monge Epifânio.

Mariologia medieval: Na Idade Média, após os dogmas cristológicos serem definidos, a piedade marial ganhou espaço. Basta que nos lembremos do surgimento do santo Rosário, das inúmeras devoções marianas e das revelações privadas que ocorreram a vários santos. O Tratado da Santíssima Virgem, de São Bernardo de Claraval (+ 1153), é a obra mariológica que marca este período.

No período medieval, ainda, percebemos grandes controvérsias mariológicas, principalmente no que diz respeito à Imaculada Conceição de Maria. As universidades eram verdadeiros polos de discussão entre teólogos franciscanos e dominicanos. Apesar destes últimos carregarem o rosário no hábito e terem todo um histórico devocional mariano – devido ao seu fundador, São Domingos de Gusmão – eram os frades menores que defendiam a imaculada concepção de Maria, encontrando a sua figura mais expressiva no Beato João Duns Scotus. Por esse motivo é que Santo Tomás não fez um tratado de mariologia, visto que era dominicano e, portanto, fruto de uma época e de uma escola de pensamento.

Mariologia Sistemática na Idade Moderna: O período Moderno é marcado pela teologia sistemática. E, a mariologia entra dentro deste campo. Diante da Reforma Protestante, que promoveu “um corte radical na devoção aos santos e, sobretudo, a Maria […] a Contra-Reforma católica retoma com mais vigor a figura de Maria” (MURAD, Afonso. Maria, toda de Deus e tão humana. 2. ed.. São Paulo: Paulinas; Valência: Siquem, 2006. p. 14). Com isso, Francisco Suarez (1584) cria o primeiro tratado mariano e Plácido Nígido (1602) cria a palavra “mariologia”.

Mariologia devocional, fruto do iluminismo: Diante do Iluminismo dos séculos XVIII e XIX surge “uma mariologia devocional, de cunho afetivo, na qual se misturam elementos simbólicos e racionais” (MURAD, 2006, p. 14). Assim, nasce O Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, de São Luís Maria Grignion de Montfort. Salvo a linguagem hiperbólica do autor, Montfort busca mostrar que a verdadeira forma de ser livre é se tornar escravo daquele que é o Senhor da Liberdade, Jesus Cristo. Mas, para que façamos isso da melhor maneira é preciso que o façamos pelas mãos de Maria, tendo em mente que é mais fácil perceber as virtudes que santificaram a Virgem Mãe, do que perceber as virtudes que nos levaram à salvação (presentes em Cristo (já santificado)). Assim, nasce a escravidão de Jesus por Maria, que marcou muitos institutos religiosos surgidos nesta época.

Mariologia no século XX: Nos anos sessenta do século XX inicia-se um movimento um movimento de retorno às fontes do cristianismo (Sagradas Escrituras, Patrística e Sagrada Liturgia), conhecida como Nouvelle Theologie, que encontra seus maiores expoentes em Joseph Ratzinger, Hans Urs von Balthasar e Henry de Lubac. Assim, toda “mariologia armada somente sobre argumentos da tradição” (MURAD, 2006, p.15), principalmente do raciocínio escolástico e do seu método dedutivo, cai por terra. Era preciso que se voltasse às raízes e se considerasse a Virgem Maria como sendo verdadeiramente Senhora, mas também criatura, para o pesar do tomismo leonino de Lagrange, cardeal Ottaviani, dentre outros. E, também para o pesar de certos teólogos liberais, que queriam mostrar apenas o labor da “Maria de Nazaré”, aquela que tinha uma vida comum, sem nada de extraordinário, com as dificuldades corriqueiras de qualquer ser humano, mas que se esqueceram que a dimensão interior (espiritual) de Maria era aquela que a tornava grande, a ponto de ser assunta ao Céu, em corpo e alma (dogma de 1950).

Anos 70 e a “Maria de Nazaré”: Vem, na década de 70, uma espécie de minimalização da figura da Virgem Maria, chegando ao absurdo de “afirmar: ‘Já se falou demais sobre Maria. Agora, é tempo de se calar’” (MURAD, 2006, p. 15). O pensamento moderno desacredita a figura da Mãe de Deus sob pretextos sociologizantes e psicologizantes.

A devoção mariana hoje: Alguns mariólogos acreditam que ainda estamos dentro de uma crise, visto que alguns grupos de fiéis têm-se voltado aos grandes tratados marianos de Montfort, Bernardo ou de Ligório. Entretanto, é preciso que olhemos a realidade atual com um olhar mais atento. O que estes grandes tratados afirmam são profundamente verdadeiros e eficazes para o cultivo da fé cristã católica. Não há nada de falso. Porém, é, por vezes, hiperbólico na linguagem, onde Maria é extremamente exaltada (cf. o dito latino De Maria nunquam satis). De fato, se objetivo um fim que me é muito caro, não posso transferir a razão do meu agir para o meio, entretanto, devo estar extremamente atento ao meio para que eu chegue ao fim. Ora, o fim é Jesus e o meio é Maria. Devo estar atento às disposições de Maria, como ela nos demonstrou em Caná. É preciso que fiquemos atentos à voz atenta de Maria que conhece a realidade mais do que a nós, simples servos; pessoas limitadas por natureza. Neste sentido as aparições de Nossa Senhora jamais deixam de ser confirmadas biblicamente, já que Ela é a Senhora que sabe daquilo que os “recém-casados” precisam. Ela sabe como Deus quer que vivamos e, por isso, nos diz: “fazei tudo o que Ele vos disser”.

Modelo de vida cristã: É no agir de Maria que vemos o modelo da vida cristã. As Sagradas Escrituras estão repletas de pessoas que falaram e nos mostraram o caminho através de suas palavras e pregações, como Jonas, Isaías, Jeremias, João Batista, dentre outros, mas existem aqueles que falaram de Deus sem pronunciar uma só palavra, como foi o caso de Abraão, Jó, José e Maria. Agora, quem pode dizer qual destes foram mais importantes? São Francisco de Assis dizia: “preguem, mas se necessário usem palavras”. O testemunho de vida é a pregação mais eficaz. Neste sentido é que a Virgem Maria se faz para nós modelo a ser imitado, porque não imita a si mesma, mas a Deus. Ela pode afirmar com mais razão: “já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim”.

Com a consciência daquilo que é Jesus, Deus, e daquilo que é Maria, modelo de vida cristã, podemos ler até mesmo os tratados mais exaltados sobre a Santíssima Virgem. Não nos fará idolatrá-la. Mas, se não tenho essa consciência, profundamente assumida e vivida, a menor Ave-Maria que eu rezar, me transformará num idólatra, porque não busco a glória de Deus sobre todas as coisas, mas apenas um amuleto que me faça adquirir a minha própria honra e glória. 

(Reparatoris)

Tags:
DoutrinaMaria
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia