Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Domingo de Ramos: Jesus aclamado e depois crucificado

Domingo de Ramos
CC
Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Compartilhamentos

Entenda por que um dos piores inimigos da Igreja é a tentação do poder

Não somente a antiga tradição das procissões da Semana Santa, mas inclusive o ancestral fenômeno social das manifestações e aclamações públicas têm seu principal paradigma na entrada de Jesus em Jerusalém. Ele entra com humildade, em um jumento.

Cristo é aclamado como rei, como o esperado de todos os tempos para satisfazer todas as expectativas do povo de Israel. A Missa do Domingo de Ramos nos recorda esta passagem no início, na procissão de entrada, mas, na Liturgia da Palavra, ouvimos o relato da Paixão.

Pouco depois de ser aclamado, as pessoas o insultam, Jesus é flagelado, torturado, recebe uma coroa de espinhos, cospem nele e zombam dele.

A Igreja de Cristo vive permanentemente o mistério do seu Senhor. Somente quando seus filhos não são fiéis a Ele, conseguem se livrar do mesmo destino, mas também se livram da salvação. Seus filhos, suas instituições, suas obras, todas as suas empresas humanas.

Entrar em Jerusalém é fácil. Muitos o fazem. Mas Jesus, antes de entrar, advertiu seus discípulos: Vocês estão dispostos a beber do cálice que eu beberei? (cf. Mt 20, 22). O Evangelho não engana, nem à Igreja, nem ao mundo. Se nos aplaudem, cuidado: prelúdio de perseguição. E se a cruz não chega, vale a pena perguntar-se: será que realmente estamos seguindo Jesus?

A maior ameaça para a Igreja não vem de fora, de inimigos externos, mas do seu interior, dos pecados que existem nela, recordou várias vezes Bento XVI. E o Papa Francisco repete isso quase diariamente, quando nos fala da mundanização da Igreja. E um dos piores inimigos da Igreja está na tentação do poder.

Entrar hoje na Jerusalém deste mundo globalizado e dividido, descrente e interessado, adulador e trapaceiro, não é fácil. Nem um só compromisso com o poder, e muito menos cair na ilusão de acreditar que nos âmbitos do poder político, econômico ou cultural está a solução para a sórdida rejeição da fé.

O único caminho da Igreja é o ser humano, em sua radical pobreza, despojado de todo poder. O único caminho da Igreja está em um amor assim, como o daquele que foi aclamado e depois crucificado; daquele que acolhe, perdoa, que não pretende nada de ninguém, que não ensina partindo do poder, mas da fraqueza.

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições