Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Domingo de Ramos: Jesus aclamado e depois crucificado

Domingo de Ramos
CC
Compartilhar

Entenda por que um dos piores inimigos da Igreja é a tentação do poder

Não somente a antiga tradição das procissões da Semana Santa, mas inclusive o ancestral fenômeno social das manifestações e aclamações públicas têm seu principal paradigma na entrada de Jesus em Jerusalém. Ele entra com humildade, em um jumento.

Cristo é aclamado como rei, como o esperado de todos os tempos para satisfazer todas as expectativas do povo de Israel. A Missa do Domingo de Ramos nos recorda esta passagem no início, na procissão de entrada, mas, na Liturgia da Palavra, ouvimos o relato da Paixão.

Pouco depois de ser aclamado, as pessoas o insultam, Jesus é flagelado, torturado, recebe uma coroa de espinhos, cospem nele e zombam dele.

A Igreja de Cristo vive permanentemente o mistério do seu Senhor. Somente quando seus filhos não são fiéis a Ele, conseguem se livrar do mesmo destino, mas também se livram da salvação. Seus filhos, suas instituições, suas obras, todas as suas empresas humanas.

Entrar em Jerusalém é fácil. Muitos o fazem. Mas Jesus, antes de entrar, advertiu seus discípulos: Vocês estão dispostos a beber do cálice que eu beberei? (cf. Mt 20, 22). O Evangelho não engana, nem à Igreja, nem ao mundo. Se nos aplaudem, cuidado: prelúdio de perseguição. E se a cruz não chega, vale a pena perguntar-se: será que realmente estamos seguindo Jesus?

A maior ameaça para a Igreja não vem de fora, de inimigos externos, mas do seu interior, dos pecados que existem nela, recordou várias vezes Bento XVI. E o Papa Francisco repete isso quase diariamente, quando nos fala da mundanização da Igreja. E um dos piores inimigos da Igreja está na tentação do poder.

Entrar hoje na Jerusalém deste mundo globalizado e dividido, descrente e interessado, adulador e trapaceiro, não é fácil. Nem um só compromisso com o poder, e muito menos cair na ilusão de acreditar que nos âmbitos do poder político, econômico ou cultural está a solução para a sórdida rejeição da fé.

O único caminho da Igreja é o ser humano, em sua radical pobreza, despojado de todo poder. O único caminho da Igreja está em um amor assim, como o daquele que foi aclamado e depois crucificado; daquele que acolhe, perdoa, que não pretende nada de ninguém, que não ensina partindo do poder, mas da fraqueza.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.