Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Eu decidi levar a gravidez adiante

© Phil Jones/SHUTTERSTOCK
Compartilhar

Confidências de uma mãe diante do diagnóstico de má-formação congênita da filha

Ela diante de mim, com um olhar cheio de dor, mas firme: “Eu decidi tê-la”.

Não tenho palavras, uma coisa assim não se pode dizer com a carne. Agora, o abraço. Decidiu tê-la, depois de dias de tormento, de perguntas e de lágrimas, compartilhados com seu esposo, com os pais, com os amigos.

Agora compartilhado também comigo, que acreditava apenas conhecê-la.

Anna espera seu segundo filho, uma menina, que é doente. Uma má-formação congênita, Trissomia 18, doença rara que deixa poucas esperanças de sobrevivência.

A notícia caiu como um raio sobre a pequena família deles, junto à necessidade de decidir se enfrentar os longos meses de espera pelo parto, na perspectiva de um percurso doloroso, ou interromper a gravidez, como muitos lhe sugeriram, repetindo os argumentos de sempre: "Mas por que você deveria sofrer ainda por tanto tempo assim?", "E se levar até o fim, depois também o parto, para quê?", "Não terá futuro, e se tiver, não será um futuro normal!", "Não é apenas para o seu bem, é também para o dela, é uma questão de bom senso" etc.

A mãe suspira:

"Sabe, acho que foi o próprio apelo ao bom senso que me incomodou mais. É possível decidir uma coisa assim com base no bom senso? Agora, o Franco e eu somos considerados como pessoas sem bom senso porque queremos manter a gravidez? Não, eu acredito que são eles que não compreendem, com toda a lógica deles."

Um momento de silêncio, depois continua:

"Se agora decido que não a quero, porque não é perfeita, como poderei contar ao seu irmão, quando for maior, que nós o recebemos como um dom, que sabíamos que o teríamos amado por si só, do jeito que ele fosse, e que o amaremos sempre da mesma maneira?"
 
(Artigo de Assunta Steccanello, publicado originalmente por Vino Nuovo)

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.