Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Estilo de vida

Um dos maiores cirurgiões do mundo, desconhecido por ser negro

© public domain

Javier Ordovás - publicado em 03/06/14

Dr. Hamilton Naki: quando Deus é o único espectador

Além do natural desejo de progredir e aperfeiçoar-se, em quase tudo o que fazemos está implícito o desejo inconsciente de ser reconhecidos pelos outros, admirados, aplaudidos. Este não é o caso do chamado “cirurgião clandestino”.

HamiltonNaki, que faleceu em 2005, aos 89 anos, começou como jardineiro na Universidade de Cidade do Cabo. Depois foi auxiliar de limpeza de jaulas do Departamento Médico e, após um tempo, trabalhou como anestesista de animais. O mais importante é que sua destreza tornou possível o primeiro transplante de coração humano.

A morte de Naki, condenado durante quase quatro décadas ao anonimato por ser negro, nos recorda um dos episódios mais vergonhosos da história da medicina moderna.

Na África do Sul racista do apartheid, onde havia diferenças no sistema jurídico em função da cor da pele, foi Christian Barnard – sul-africano branco – quem, em 1967, recebeu todas as honras por levar a cabo o primeiro transplante de um coração humano. Mas foi Naki, o humilde caronista, quem, naquela noite, tornou possível o que durante séculos foi um desafio impossível para a medicina.

Em 2 de dezembro de 1967, Denise Darvaald, uma jovem branca atropelada ao cruzar a rua, foi transferida com caráter de urgência ao Groote Schuurhospital, onde lhe foi diagnosticada morte cerebral, ainda que seu coração continuasse batendo.

Em outro leito do mesmo hospital, Louis Washkansky, um lojista de 52 anos, esgotava suas últimas esperanças de viver. Então, o Dr. Barnard decidiu tentar o transplante. Em uma épica intervenção de 48 horas, as duas equipes conseguiram extrair o coração da jovem e implantá-lo no corpo de Louis. Os assistentes recordam a delicadeza com que Naki limpou o órgão de todo vestígio de sangue antes de que Barnard voltasse a fazê-lo bater no peito do homem.

Mas o que fazia Naki, um cidadão de segunda categoria, que havia abandonado os estudos aos 14 anos por necessidade, no meio de uma das cirurgias mais destacadas do século? Talvez as palavras do célebre Barnard, pouco antes da sua morte, resumam isso: “Ele tinha mais perícia técnica do que eu jamais tive. É um dos maiores pesquisadores de todos os tempos no campo dos transplantes, e teria chegado muito longe se as condições sociais tivessem permitido”.

Nascido em 1926, em uma aldeia do antigo protetorado britânico do Transkei, tudo parecia condená-lo – como ao resto dos seus conterrâneos negros – a uma existência mísera no iníquo regime do apartheid. Pouco a pouco, suas capacidades foram lhe permitindo chegar a cargos de responsabilidade.

De limpar jaulas, passou a intervir em cirurgias de animais do laboratório, onde teve a oportunidade de anestesiar, operar e, finalmente, transplantar órgãos em animais como cachorros, coelhos e galinhas. De maneira encoberta, Naki havia se tornado técnico de laboratório.

O frequentemente ingrato trabalho de fazer experimentos com animais lhe permitiu desenvolver suas habilidades cirúrgicas: “Agora posso me alegrar por que tudo seja conhecido. A luz foi acesa e já não há escuridão”, disse esse herói clandestino ao receber, em 2002, a ordem de Mapungubwe, uma das maiores honras do seu país, pela sua contribuição à ciência médica. Até seus últimos dias, um dos maiores cirurgiões do século sobreviveu com um modesto salário de jardineiro.

O melhor que podemos desejar é que Deus seja o espectador das nossas ações. Ninguém é capaz de olhar para nós com melhores disposições, penetração e discernimento. É consolador saber que Deus conhece o mais íntimo dos nossos pensamentos, ações e sentimentos.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
medicina
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia