Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 19 Outubro |
Santos Mártires Canadenses
Aleteia logo
home iconEstilo de vida
line break icon

A política do filho único destruiu a família chinesa

Trey Ratcliff

Steven W. Mosher - Aleteia Vaticano - publicado em 09/06/14

Cada vez mais chineses rejeitam a vida familiar

Não muito tempo atrás, a família chinesa ideal era grande e reunia várias gerações vivendo juntas. O autor Lao She, por exemplo, deu ao seu best-seller sobre a vida em Pequim durante a ocupação japonesa um título significativo: “Quatro gerações sob o mesmo teto”.

Mas isso foi antes que a política do filho único dizimasse as famílias chinesas, desestimulando o casamento entre os jovens, forçando abortos, esterilizando centenas de milhões de mulheres e deixando os idosos desprovidos de filhos e netos que os amassem e cuidassem na velhice.

A desestruturação provocada pela intervenção do Partido-Estado na vida privada dos seus cidadãos se reflete num novo relatório da Comissão Nacional Chinesa para a Saúde e o Planejamento Familiar, departamento encarregado de fiscalizar o cumprimento da política do filho único. Sem surpresas, o relatório mostra que o tamanho das famílias está encolhendo rapidamente na China: de 5,3 membros, na época da revolução comunista, para apenas 3 hoje em dia.

O motivo principal do declínio, naturalmente, é a política do filho único, que proíbe os casais urbanos de ter mais do que um filho e os casais rurais de terem mais do que dois. A tendência foi acelerada pelo êxodo rural dos jovens que partem à procura de oportunidades econômicas, deixando nas aldeias do interior somente as pessoas muito idosas e as jovens demais.

Há hoje dezenas de milhões de jovens trabalhadores solteiros nas cidades e nas periferias, junto com um grande número de casais que atrasaram o nascimento do filho ou decidiram não ter filho nenhum. Além disso, a população de idosos chineses que vivem sozinhos ou apenas com o próprio cônjuge já é enorme e continua crescendo.

O relatório, escrito pelos próprios aplicadores do controle populacional, não reconhece a culpa do Partido-Estado. Mas a culpa é dele, sem dúvida, em todos os casos.

O relatório prefere culpar os jovens por adiarem o casamento a fim de priorizar a carreira, poupar para comprar carro e casa, viver outro estilo de vida ou esperar para achar o parceiro ideal. O documento se esquece, porém, da principal razão que leva os jovens a esperar: casar cedo, na China, é contra a lei. As regras impedem os homens de se casarem antes dos 26 ou 27 anos, e as mulheres não podem se casar até completarem pelo menos 23.

Além disso, por causa do aborto seletivo e do infanticídio de dezenas de milhões de meninas, há um número equivalente de homens jovens que jamais conseguirão se casar: é que as mulheres que iriam se casar com eles ​​foram abortadas ou assassinadas depois de nascerem.

O bombardeio constante de propaganda antipopulacional também teve efeitos contrários à natalidade. Quando os jovens finalmente são autorizados a se casar, muitos optam por adiar a vinda do filho único ou por nem sequer tê-lo. O número de casais com filhos, de acordo com o relatório, caiu "significativamente", enquanto cresce o número de famílias que adotam a mentalidade do "sem filhos, renda dupla".

Finalmente, há o envelhecimento rápido e contínuo da população chinesa, consequência direta das políticas estatais de restrição do número de bebês que podem nascer. Fiel à forma comunista, o relatório trata longamente do fato de milhões de jovens chineses trabalharem em cidades distantes da casa paterna ou optarem por viver em apartamentos próprios em vez de morar com os pais. O documento tenta jogar a culpa pela epidemia de solidão entre os idosos nas costas do jovem egoísta, tachado de não ter tempo para visitar os próprios pais anciãos.

Mas… Se você só permite que os casais tenham um ou no máximo dois filhos, não é você mesmo que está criando um problema de negligência no tocante aos idosos?

  • 1
  • 2
Tags:
AbortoFamíliaFilhosMundoVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
3
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
4
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
5
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
6
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
7
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia