Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
São Sálvio
Religião

A Igreja que descobri ao batizar minha filha

© ServizioFotograficoOR/CPP

January 12,2013: Pope Francis leads a special Baptism ceremony at the Sistine Chapel in the Vatican.

Alfa y Omega - publicado em 13/06/14

“Eu nunca havia sido tão bem tratada”, conta a mãe, que vive em união livre

Como acolher pais não casados ou afastados da Igreja que pedem o Batismo para sua filha? Esta é uma das problemáticas que serão abordadas no sínodo dos bispos sobre a família.

A paróquia Bom Sucesso, de Madri, foi o cenário da seguinte história:

“É que nunca haviam me tratado tão bem assim, com tanto carinho…” A mulher chorava. Chorava muito. Mas sorria também, atrás dos seus óculos coloridos. Até seu companheiro, que ainda não é seu marido, mas sim pai da criança, pensa agora que “a Igreja não é o que parecia ser”.

A menina tem 3 anos. Depois de um longo tempo afastada dos sacramentos, afastada da Igreja, a mãe foi até uma paróquia que lhe haviam indicado e que não estava muito longe da sua casa.

Havia algo nela que lhe indicava o caminho correto: sua filha frequenta um colégio católico. As freiras não haviam influenciado diretamente no Batismo da menina, mas sim sutilmente. E sua avó levava três anos tentando com menos sutileza… O Espírito Santo sabe o que faz.

No dia em que nos conhecemos, na primeira entrevista de catequese, a atitude de Elena era reservada, expectante, um pouco defensiva. Ela chegou solicitando uma data para o Batismo e acabou encontrando algumas condições: sessões de catequese e revisão da cerimônia com o celebrante. Ou seja, não seria algo imediato.

Essa primeira sessão complicou um pouco mais as coisas, pois, dada a situação dos pais (não casados, afastados da Igreja), era preciso trabalhar um pouco mais. E pedir que o pai também participasse da catequese. E revisar quem seriam os padrinhos. Mas houve algo muito bom: eles haviam se sentido rejeitados em outros lugares e aqui nós os acolhemos.

Porém, uma coisa é acolher e outra, dar a razão. Na segunda sessão, o casal expressou toda a sua agressividade e raiva contra todos: padres, Igreja, sociedade… Todos os tópicos possíveis e imagináveis vieram à tona na conversa.

Mas eles não encontraram respostas igualmente agressivas, e sim refutação ou alternativa, uma a uma, para cada argumento. Respeito e carinho. A Igreja é mãe e, como tal, ama e acolhe. A Igreja é mãe porque é esposa. Duas coisas que continuam ressoando na cabeça de Elena.

Na terceira sessão, já pudemos abordar a catequese pré-batismal propriamente dita (para os pais, claro). O que mais os desconcertou, por assim dizer, foi compreender que iriam conviver com uma santa durante alguns anos.

A pequena Lola é incapaz de fazer o mal, e estaria em graça de Deus quando recebesse o Batismo: ou seja, seria santa. O que se faz e como se convive com um santo?

A educação da menina como cristã não era somente tarefa do colégio. Os pais vivem uma situação particular, mas devem dar exemplo, estar dispostos a conversar e abordar os temas do dia a dia como cristãos; devem saber reconhecer e valorizar o compromisso dos seus filhos.

Os pais e padrinhos são os responsáveis por que a fé da menina cresça depois do Batismo. Esta é a única maneira de evitar que a Primeira Comunhão se torne uma celebração pagã, apenas com lista de presentes e festa.

Ainda chorando, com seu companheiro ao lado – calado, em paz; ainda agradecendo, ela pediu conselho para regularizar sua situação matrimonial. Esta é outra tarefa que exige trabalho, porque o matrimônio não é uma pena para nenhum tipo de delito.

Estão no bom caminho. E a Igreja, esposa e mãe, cuida deles, os ama e os ajuda. Como a qualquer um dos seus filhos.

(Artigo de Jaime Nogueira, publicado originalmente por Alfa y Omega)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
BatismoIgreja
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia