Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 07 Março |
home iconAtualidade
line break icon

Pela primeira vez em 1.600 anos, não houve missa em Mossul no domingo passado

Karim Sahib/AFP

Jason Jones e John Zmirak - Aleteia Vaticano - publicado em 04/07/14

O radicalismo islâmico traz de volta os tempos sombrios em que o nazismo ameaçava os outros povos

"Pela primeira vez em 1.600 anos, não houve missa em Mossul no domingo passado", afirmou o arcebispo caldeu Bashar Warda. A cidade do norte do Iraque já foi um importantíssimo centro de vida cristã no Oriente Médio. Hoje, em Mossul, o acesso aos sacramentos é praticamente proibido e seus milhares de cristãos fogem do reinado de terror religioso implantado pelos radicais sunitas.

Se a ocupação dos extremistas continuar, a última igreja de Mossul acabará fechada e a última hóstia consagrada ali será consumida enquanto a cidade cai, privada de Cristo.

Imagine a sua própria cidade. Visualize o que significaria para você ver cada igreja e cada capela sendo fechada. Vislumbre o seu bispo colocando o último cibório no porta-malas do carro e tendo que ir embora. A cidade não iria parecer diferente para você?

Pense nas cidades da Alemanha depois da Noite dos Cristais, quando não restou nenhuma sinagoga sem as janelas despedaçadas, sem ter sido lambida pelas chamas de livros sagrados incendiados. Pense naquelas cidades da Polônia, da Rússia, da Grécia, onde os judeus tinham vivido durante centenas ou milhares de anos e onde os templos vazios e os cemitérios abandonados são hoje os únicos vestígios daqueles primos de Jesus – e nossos. Walker Percy escreveu, em “A Síndrome de Tânatos”, que o ódio aparentemente insondável e sem sentido dos nazistas pelos judeus tinha um motivo real e relativamente compreensível: o desejo de tornar a humanidade um deus, com a conseguinte necessidade de apagar todos os sinais concretos do verdadeiro Deus e do Seu povo escolhido.

O nosso foi um século sombrio e sangrento e, se não aprendermos as suas lições, reviveremos todos os seus crimes.

Mas os cem anos que se passaram desde 1914 não foram exclusivamente do mal. Se olharmos para trás, para os massacres dos séculos anteriores, veremos que a explosão da violência racista no século XX foi menos uma inovação hedionda do que o ressurgimento de uma tentação profundamente humana. O nosso impulso obscuro a excluir e a vitimar o outro só pode ser mantido sob controle se, conscientemente, cultivarmos o nosso senso de humanidade comum.

Pode ser que o inusitado não seja o tribalismo, mas o seu oposto: o universalismo, a aceitação de uma dignidade humana que une toda a família humana. O esforço da empatia é dispendioso e a tarefa de reavivar e reafirmar os direitos universais do homem é dura para cada geração. E essa tarefa não se torna nem um pouco mais fácil quando os principais setores da sociedade nos países mais poderosos do planeta são moralmente aleijados por causa de uma visão sub-humanista do homem, que prejudica todo e qualquer argumento em prol do sacrifício pessoal e dissolve as normas morais transcendentes no ácido relativista.

Pode ser verdade que os brancos ocidentais se sintam muito culpados ou socialmente constrangidos na hora de exprimir inquietações raciais. Mas, com as sociedades ocidentais se tornando cada vez mais diversificadas, esse tabu está ruindo. Partidos xenófobos estão crescendo com força pela Europa toda, em resposta ao abraço imprudente que as elites europeias deram ao multiculturalismo forçado e à descontrolada imigração em massa.

Além disso, os novos grupos que migram para as terras ocidentais são completamente isentos dessa “culpa branca” e se sentem tranquilos para trazer consigo os seus próprios fanatismos. Na ausência de um discurso moral vital, que reforce a humanidade comum e os direitos humanos, não há razão para esperar que esses novos moradores do Ocidente sejam magicamente imunes à tentação humana histórica do pensamento de grupo, racista e violento. A violência do conflito racial entre nativos afro-americanos e imigrantes mexicanos em cidades como Los Angeles, por exemplo, oferece uma janela para vislumbrarmos esse futuro pan-ocidental. Além disso, é claro que as lições aprendidas pelo Ocidente com os excessos racistas do século XX são lamentavelmente incompletas, já que mal passam do seguinte:

  • 1
  • 2
Tags:
ConflitosDiálogoGuerraMundo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
MIRACLE
Maria Paola Daud
Mateo se perdeu no mar… e apareceu nos braços do pai
2
MADONNA
Maria Paola Daud
A curiosa imagem da Virgem Maria protetora contra o coronavírus
3
Reportagem local
Santo Sudário, novo estudo: “Não é imagem de morto, mas de ...
4
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
10 coisas sobre São José que você precisa saber
5
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
6
Santo Sudário
Aleteia Brasil
Manchas do Santo Sudário são do sangue de alguém que sofreu morte...
7
BABY BORN
Reportagem local
Bebê “renasce” após ser batizado por uma médica
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia