Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 25 Julho |
home iconEstilo de vida
line break icon

A regra fundamental: não se deixe entediar!

© g-stockstudio/SHUTTERSTOCK

Heather King - Aleteia Vaticano - publicado em 05/07/14

Manter o frescor do dia-a-dia é o segredo de uma vida boa

Meu amigo dom Terry Richey, da arquidiocese de Los Angeles, é conhecido pela bondade, sabedoria e sagacidade. Certa vez, eu perguntei a ele qual era a sua dica para um bom retiro espiritual.

"Eu só tenho uma regra", respondeu ele. "Eu não me deixo entediar".

Quanto mais eu pensava nisso, mais compreendia o que ele queria dizer. “Reflita sobre o que você vai falar. Fale de coração. Não reduza as suas palavras, pensamentos e ações a uma fórmula”. E quanto mais eu pensava nisso, mais percebia que não me deixar entediar é uma boa regra para a vida toda!

Eu não me deixo entediar na oração.
Eu não me deixo entediar nas conversas.
Eu não me deixo continuar num trabalho que me entendia, podendo escolher outro.
Eu não me deixo entediar na minha fé.

Isto não significa, é claro, que devamos nos obrigar a sentir um frenesi de louco entusiasmo todas as manhãs. O pe. Terry também diz o seguinte: "É sinal de sanidade não sair por aí de rosto acalorado berrando sobre Deus aos quatro ventos".

O que eu acho é que nós devemos, na medida do possível, manter o frescor da nossa fé.

É um sinal da graça de Deus que, independentemente do quanto estejamos sofrendo, do quanto nos sintamos sobrecarregados, do quanto o nosso progresso pareça lento, ainda assim estejamos dispostos a ser surpreendidos; ainda assim sejamos capazes de perceber a luz que brilha, a comida na mesa, os rostos dos nossos vizinhos, que muitas vezes também sofrem!

Estive recentemente no norte de Ontário, no Canadá. Eu pensava numa ideia que tinha ouvido havia pouco tempo: que Deus nunca se impõe a nós contra a nossa vontade. Portanto, se nós queremos ser mudados, somos convidados a nos mostrar abertos à mudança.

Todos os dias, neste vilarejo rural de Combermere, eu dou um passeio a sós. Uma tarde, descendo por uma estrada deserta de terra, só os pássaros e eu, proclamei em voz alta: "Deus, você tem a minha permissão. Pode me desmontar! Pode me desmontar e me refazer de novo do jeito que você quiser! Permissão total. Tudo o que você tiver que fazer, faça".

Eu não sei vocês, mas quando eu digo “desmontar”, vou logo pensando que Deus me faria enfrentar queimaduras de terceiro grau, ou me envolveria num acidente de carro, ou qualquer outra coisa dramática. Para fortalecer o meu caráter, enfim. Para que eu pudesse oferecer o meu sofrimento de alguma forma nova. Eu sou como a personagem do conto "Um templo do Espírito Santo", de Flannery O’Connor: "Ela nunca poderia ser santa, mas pensava que poderia ser mártir se eles a matassem rápido"…

Raramente me ocorre pensar que Deus possa me “desmontar” de um jeito tão sutil e suave que eu mal me dê conta. Nunca me ocorre que Ele possa me desmontar de tal forma que aquilo que eu sinta seja mais paz, e não menos! De uma forma que me permita não só amar mais, mas também me sentir mais amada! Para mim, é difícil aceitar que Deus possa me dar não mais sofrimento, e sim mais gratidão, mais conhecimento, mais vontade, mais alegria!

Eu digo tudo isso porque estou fazendo os exercícios espirituais inacianos de um mês, em silêncio. Passei um bom tempo longe de casa; o retiro foi precedido por dez dias de viagem, visitas, conversas, conversas, conversas. Para uma pessoa extremamente introvertida, como eu, esse tipo de atividade humana, não importa o quanto eu ame as pessoas com quem estou convivendo (e eu as amo muito, mesmo!), é uma forma real de sofrimento.

Eu estou surpresa, por isso, ao perceber o quanto eu lidei bem com essa experiência. Eu tendo a ficar mal-humorada quando não disponho do silêncio e da solidão. Desta vez, consegui me divertir, junto com família e amigos, apesar do fato de estar sofrendo. Não só isso: eu percebi, de uma forma nova, que eu não estava mais tentando mudar mentalmente, resgatar e corrigir as pessoas com quem eu entrava em contato! Eu vi que sou capaz de amar as pessoas do jeito que elas são e que elas são capazes de me

  • 1
  • 2
Tags:
EspiritualidadeOração
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
7
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia