Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 03 Fevereiro |
Bem-aventurado Luís Andritzki
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

O papel da mulher na Igreja, segundo a jornalista que entrevistou o Papa Francisco

Franca Giansoldati and Pope Francis – pt

© ServizioFotograficoOR/CPP

May 31, 2014: Pope Francis meets the journalist of the "Messaggero" Franca Giansoldati in the Apostolic Palace in the Vatican.

Ary Waldir Ramos Díaz - publicado em 09/07/14

Falamos com Franca Giansoldati, a jornalista que quebrou um tabu secular e realizou uma das mais importantes entrevistas com o Papaà

O jornal da Santa Sé, L’Osservatore Romano, escreveu que “é a segunda vez que isso acontece na história do papado: a primeira foi em 1892 quando, no ‘Figaro’ do dia 4 de agosto, foi publicada a entrevista de Séverine (Caroline Rémy), a Leão XIII”; a segunda entrevista a um pontífice foi publicada no último dia 29 de junho no jornal italiano “Il Messaggero”, concedida pelo Papa Francisco a Franca Giansoldati. 

A Aleteia entrevistou a jornalista que quebrou este tabu no Vaticano. A jornalista Franca Giansoldati, formada pela Universidade de Bolonha, tem 25 anos de experiência profissional. Ela escreveu seu primeiro artigo quando tinha 18 anos. Quando trabalha na agência de notícias Adnkronos, começou a cobrir assuntos da Igreja e do Vaticano. Colaborou também com a agência ANSA. No próximo dia 16 de agosto festejará seus 50 anos de idade, no voo papal que levará o Papa Francisco à Coreia do Sul.

Quais ideias passaram por sua mente considerando que foi a primeira jornalista a “quebrar” um recorde mundial das informações vaticanas?

Estou feliz, ao menos por ter sido a segunda [mulher a entrevistar um papa na história]. Eu não sabia disso até o momento em que li no L’Osservatore Romano. É curioso. De qualquer modo, acho que seja singular que exista um recorde deste tipo. Talvez o Papa deveria ter sido entrevistado por uma mulher muito antes. Não consigo entender por que o Vaticano é tão singular. Os presidentes estrangeiros são entrevistados por jornalistas mulheres. No Vaticano este fato é curioso. É singular que eu seja a primeira multar nos tempos modernos a entrevistar um Papa.

Como se explica?

Penso que a Igreja tenha muita estrada para percorrer. Não falo das questões teológicas relativas ao sacerdócio feminino, é uma coisa velha, e a questão é o fechamento. Penso que se trata de uma questão cultural. A Igreja é formada por 1,2 bilhão de fiéis no mundo, mais da metade são mulheres. Podemos questionar qual é a voz da mulher na cúpula da Igreja.

Podemos pegar como referência o organograma do Vaticano. Outro dia li  sobre a primeira mulher nomeada reitora da Universidade Pontifícia Antonianum, de Roma (Irmã Mary Melone, S.F.A), mas estamos em 2014! O organograma do Vaticano é exclusivamente masculino. Conheci no Vaticano mulheres muito bem preparadas, com vários títulos acadêmicos, que falam 3 ou 4 línguas e têm encargos secundários, marginais. São raros os casos nos quais uma mulher é nomeada para um cargo importante, mas deveria ser normal. Não podemos ficar surpresos se um Papa nomeasse uma mulher como presidente de um decastério vaticano. 

Não me refiro à Congregação para o Clero, mas para o Pontifício Conselho para os Leigos espero a nomeação de uma mulher, ou talvez no Pontifício Conselho das Famílias, porque não se pode nomear um casal. É sobre isso que me refiro. 

Em sua entrevista com o Papa Francisco, fala-se do mal das grandes cidade, da corrupção, da “bandeira” dos pobres (roubada na Igreja de Marx), da exploração de pessoas, da pedofilia… Qual destes temas é o mais destacado de sua entrevista e por quê?

Depende da sensibilidade de quem lê. Em Roma, sei que se está desenvolvendo uma reflexão positiva, por exemplo, sobre palavras que o Papa usou para ilustrar a degradação moral da sociedade, na qual se chega a tolerar as aberrações dos clientes das crianças prostitutas. Pela primeira vez, Francisco fez cair um tabu e definiu os clientes desses meninas como pedófilos. Fala-se de crianças entre 13 e 14 anos, e que colocam saltos altos, crianças com uma consciência frágil e que devem ser protegidas, não desfrutadas. Quem aproveita delas são os pedófilos. O Papa tem razão.

As palavras utilizadas pelo Papa para a cidade romana foram um soco no estômago e estão suscitando as devidas reflexões. Uma sociedade deve defender as próprias crianças.

Um outro aspecto que poderia ser relembrado é o exercício do governo deste pontífice. O Papa disse que não decide sozinho, mas segue o mandato que lhe foi dado pelos cardeais. Os purpurados antes do Conclave realizaram reuniões a portas fechadas para delinear o caminho do futuro Papa. Francisco, sem tantos giros de palavras, ressaltou o trabalho do Conselho dos Cardeais, que o está ajudando a ter as mudanças que se desejam para a Igreja. Afirma que são o fruto de uma decisão pré-conclave e que ele apenas adotou.

Um outro elemento é a corrupção. O Papa Francisco disse que “o corrupto não tem amigos, somente cúmplices”, e isto nos faz compreender que a corrupção política, econômica e em outros setores é um mal que se combate respeitando as consciências. A ideia do cúmplice relembra a participação em um crime. O fato de fechar os olhos diante da corrupção faz com que o mal se multiplique. É um crime contra a consciência. 

A senhora fez uma pergunta para o Papa sobre o papel das mulheres na Igreja. Como mulher, está satisfeita com a resposta do pontífice?

O Papa foi muito simpático. Deu-me esperança dizendo que a teologia da Igreja deve ser mais estudada por uma perspectiva feminina. Parece que não tenha respondido de maneira aprofundada, brincou, sabemos que é uma pessoa interiormente livre e alegre. 

Quais eram as suas expectativas em relação a esta pergunta?

Sinceramente esperava que andasse além do diagnóstico da posição das mulheres na Igreja. Esperava que me fizesse entender que considera o problema. A pergunta era: “Qual é a posição que ocupam as religiosas?”, mas o Papa Francisco preferiu restringir o campo sem descer aos detalhes. O que significa que esse tema o coloca em desconforto, ou que tem uma reflexão à parte e não pode falar, não sei. 

Quem você tinha diante de você nesta entrevista: um pastor, uma instituição ou um sacerdote?

Tive a oportunidade de entrevistar vários personagens famosos, desde atores ao presidente, mas é estranho o que me aconteceu com o Papa, no dia 24 de junho, quando o encontrei. Pessoalmente, estava diante de um homem de coração bom. Um homem que segurava a minha mão. Não era uma pessoa da qual queria extrair qualquer coisa. Eu propunha as perguntas e ele me respondia com liberdade e uma sinceridade desarmante. Nós, jornalistas, jogamos e medimos as coisas, enquanto neste caso era secundário, porque aquilo que me dizia Bergoglio era imediato, espontâneo. É singular. Tenho a presunção de pensar que também ele se sentiu aliviado porque foi uma conversa que fluiu de maneira muito espontânea.

Por qual razão você acredita que o Papa tenha concedido esta entrevista?

O Papa concedeu outras entrevistas. Ele queria falar à sua diocese, à diocese de Roma. “Il Messaggero” é um jornal da cidade de Roma e é lido todos os dias. Não creio que tenha concedido a entrevista porque era eu, acredito que não sabia que fosse eu. O Papa lê o jornal para saber o que acontece em Roma, quais problemas existem na cidade. O Papa Francisco me disse que conhece pouco a cidade. É diferente de Wojtyla, que viveu e estudou em Roma.

Cf.Papa Francisco: "as mulheres são a coisa mais bela que Deus fez"

Tags:
EntrevistasPapa FranciscoVaticano
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia