Aleteia

Satanistas afirmam ter hóstia consagrada para ser profanada em missa negra nos EUA

Will Harvey
Compartilhar

O arcebispo dom Coakley convoca uma cruzada de oração para reagir ao evento sacrílego do grupo Dakhma de Angra Mainyu

O chefe da igreja satânica da cidade norte-americana de Oklahoma, que planeja realizar uma missa negra em um espaço público do Centro Cívico municipal no mês que vem, afirmou que a hóstia consagrada que pretende usar no ritual satânico já foi enviada a ele por um amigo.
 
"Estou farto de ouvir falar sobre essa hóstia consagrada", diz Adam Daniels, da organização Dakhma de Angra Mainyu, em resposta a perguntas enviadas por e-mail pela Aleteia. "Como a minha substituta já disse a outros inquisidores católicos, a Eucaristia foi enviada a nós por um amigo. Isso é tudo que eu vou dizer sobre esta consecução. A minha pergunta é: por que um pedaço de pão, sobre o qual um homem disse algumas palavras, é tão sagrado?".
 
Daniels, que usa o título de “dastur”, um termo equivalente a “sumo sacerdote” no zoroastrismo, confirmou que a controversa missa negra em Oklahoma será realizada conforme planejado, em 21 de setembro.
 
"A missa negra resumida [a partir dos rituais satânicos de Anton Lavey] vai acontecer", afirmou ele. "Depois, The Choke [uma banda local] vai se apresentar. Em seguida, Matthew Garman vai fazer um exorcismo arimânico [ou seja, satânico: trata-se de “expulsar” o Espírito Santo da pessoa “exorcizada”]. Kelsey e eu [Daniels] vamos presidir este rito. Antes de cada ritual, eu vou explicar o propósito de cada rito da fé arimânica [satânica]".
 
Adam Daniels prossegue: "Eu alugo um pequeno espaço uma vez por ano para ensinar o público sobre a minha religião. Isto é um direito meu, protegido pela Primeira Emenda [à constituição norte-americana], como cidadão dos Estados Unidos, e não como uma ovelha do império católico que sofreu lavagem cerebral".
 
O evento satânico acontecerá no teatro do Centro Cívico de Oklahoma, que tem capacidade para 92 pessoas. Daniels afirma que nenhuma autoridade municipal lhe pediu que reconsiderasse o caso à luz dos protestos de católicos locais, liderados pelo arcebispo, dom Paul S. Coakley. 
 
Dom Coakley está convidando os católicos a “sacudir o céu” com orações para que a missa negra seja cancelada.
 
"Apesar dos repetidos pedidos, não houve nenhuma indicação de que a prefeitura tenha a intenção de impedir este evento", escreveu o arcebispo em uma carta desta semana dirigida aos fiéis da arquidiocese. "Eu levantei as minhas preocupações em conversa com as autoridades da cidade e apontei o quanto esse ato sacrílego é profundamente ofensivo para os cristãos, especialmente para os mais de 250.000 católicos que vivem na cidade de Oklahoma".
 
Na carta, datada de 4 de agosto, memória litúrgica de São João Maria Vianney, o arcebispo se disse preocupado com os "poderes obscuros" que a missa negra invocaria no seio da comunidade local e com o "perigo espiritual que isso representa para todos os que estão direta ou indiretamente envolvidos". Embora o evento esteja sendo promovido como "apenas um tipo de entretenimento ocultista, este ritual satânico é muito sério", avisa o arcebispo. "É uma inversão blasfema e obscena da missa católica. Usando uma hóstia consagrada, obtida ilicitamente de uma igreja católica, e profanando-a da forma mais vil que podemos imaginar, os praticantes a oferecem em sacrifício a Satanás".
 
Em sua carta, o arcebispo pediu que os católicos da arquidiocese intensifiquem a oração durante as semanas que antecedem o evento. A partir do dia 6 de agosto, festa da Transfiguração do Senhor, e até a Festa dos Arcanjos, em 29 de setembro, todas as missas serão encerradas com a oração a São Miguel Arcanjo, que, antes das reformas litúrgicas do final da década de 1960, era recitada depois de cada celebração eucarística.
Boletim
Receba Aleteia todo dia