Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 05 Dezembro |
São Saba
home iconReligião
line break icon

Instituições religiosas: como não desperdiçar o dinheiro dos pobres?

© DR

Ary Waldir Ramos Díaz - publicado em 13/08/14

A reforma do Papa Francisco continua, convidando as congregações religiosas a serem transparentes na gestão dos bens

O Vaticano publicou este mês os princípios para a administração de recursos ao serviço da caridade. Neste sentido, os institutos de vida consagrada e as sociedades de vida apostólica receberam uma carta circular com as indicações do Papa Francisco com as orientações para a gestão dos bens.

O documento, que exorta a usar o campo da economia como instrumento da ação missionária, leva a assinatura do cardeal João Braz de Aviz, prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada, e do arcebispo José Rodríguez Carballo, secretário do mesmo dicastério.

A poucos passos da Basílica de São Pedro e por apenas dois euros é possível adquirir o documento de orientação que aconselha os consagrados a colaborar com técnicos e leigos profissionais em economia, fiscalização e direito, entre outras novidades.

A carta foi publicada pela Livraria Editora Vaticana e é o documento de preparação para a celebração do Ano da Vida Consagrada, que começará no próximo dia 30 de novembro e se estenderá até o dia 2 de fevereiro de 2016.

Porque, a quem muito se deu, muito se exigirá.
Quanto mais se confiar a alguém, dele mais se há de exigir.
(Lc 12, 48)

Uma fonte do Vaticano revelou que este é um documento essencial para todas as comunidades e reflete as novas disposições do Papa Francisco em matéria econômica.

Três são os pontos principais: gestão dos bens, colaboração com a Igreja local e formação. Vejamos cada um deles:

Gestão dos bens

O documento pede fidelidade ao carisma, mas ao mesmo tempo convida a buscar a caridade evangélica como objetivo comum. Orienta a organizar as obras por prioridades, fazer planejamento, orçamento e balanço, controlar a gestão, preparar planos plurianuais, considerar a sustentabilidade e criar estruturas de fácil gestão.

Colaboração com a Igreja local

Como ponto importante das novas disposições, o documento sublinha o diálogo entre a Igreja local, os institutos e os assessores em situações muito concretas: fechamento de casas ou obras, alienação de bens, conservação de uma presença religiosa em harmonia com as necessidades da cidade e da diocese.

Uma novidade importante é que o documento garante que é quase impossível prescindir da colaboração com técnicos, leigos e membros de outros institutos. Isso robustece a exigência de formar a Igreja não somente com padres e consagrados, mas também com leigos preparados e dispostos para o serviço comum.

Isso implica aspectos mais complexos, como resolver problemas legais, econômicos, fiscais, e assessoria para gastar eficazmente o dinheiro.

Formação

O documento também defende uma formação econômica para garantir opções missionárias inovadoras e proféticas. Confiar a uma só pessoa – por exemplo, o ecônomo da instituição – a responsabilidade exclusiva gerou um desinteresse pela economia dentro das comunidades.

Isso acabou gerando uma perda do contato com os custos da vida e os cansaços que a gestão supõe. Da mesma maneira, lamenta-se uma falta de formação dos ecônomos para acompanhar as novas instâncias.

Por último, o dicastério vaticano confirma que as orientações do Papa Francisco servem para viver evangelicamente a dimensão econômica e impulsionar a missão da Igreja no mundo.

"A Igreja não é uma ONG", disse o Papa no Rio de Janeiro. No entanto, é uma instituição terra que administra hospitais, orfanatos e doações, entre outros recursos. Seu serviço aos mais necessitados requer eficácia e responsabilidade.

Esta sempre foi a concepção de São Vicente de Paulo (1581-1660), santo da caridade, que confirmava que não há caridade que valha sem uma boa organização.

Tags:
Papa FranciscoValoresVaticano
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
HUG
Dolors Massot
Médico abraça paciente com Covid-19 que chora...
PADRE NO ALTAR DA MISSA
Reportagem local
Missa de Crisma é interrompida por policiais ...
Missa de Crisma
Reportagem local
Arcebispo detona interrupção de Missa: "Ocorr...
BOKO HARAM NIGÉRIA
Francisco Vêneto
Terroristas islâmicos degolam mais de 100 pes...
Bispo brasileiro Dom Antônio Carlos Rossi Keller
Reportagem local
Mais um bispo brasileiro detona: "Autoridades...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia