Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 27 Novembro |
São Máximo de Lérins
home iconAtualidade
line break icon

Reféns turcos libertados no Iraque; milhares de curdos em fuga

<p>Primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu (E), recebe reféns libertados no Iraque no aeroporto da cidade de Sanliurfa, sul da Turquia</p>

Agências de Notícias - publicado em 21/09/14

Os serviços de inteligência estrangeiros interceptaram uma conversa em árabe sobre um possível ataque ao Vaticano

Quarenta e nove turcos foram libertados neste sábado após três meses de sequestro no Iraque, mantidas sob cativeiro do grupo Estado Islâmico (EI), que avançou na Síria e obrigou dezenas de milhares de curdos a buscar refúgio na Turquia.

O governo da Turquia anunciou a libertação dos 49 cidadãos capturados pelo EI em 11 de junho durante a tomada do consulado geral turco em Mossul, nos primeiros dias da ofensiva dos jihadistas no norte do Iraque.

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan afirmou que a libertação aconteceu graças a uma "operação de resgate" dos serviços de inteligência (MIT).

"Começou durante a noite e acabou esta manhã", disse.

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, anunciou que os reféns já estão no país. Entre as vítimas estavam o cônsul geral e sua esposa, vários diplomatas e seus filhos, e integrantes das forças especiais turcas.

Desde junho, as autoridades turcas afirmavam manter "contatos" para obter a libertação dos compatriotas.

O governo conservador islâmico turco apoia a oposição ao presidente sírio Bashar al-Assad e, em várias ocasiões, foi acusado de armar grupos islamitas hostis ao regime de Damasco, como o EI. Ancara nega.

A Turquia se recusou a participar nas operações militares organizadas pela coalizão que combate os jihadistas, alegando que priorizava a proteção da vida dos reféns. Uma explicação que gerou suspeitas.

Quase 40 países decidiram participar, de uma ou outra maneira, na coalizão contra o Estado Islâmico.

Avanço fulgurante na Síria

Em dois dias, o grupo sunita extremista conseguiu um avanço significativo no norte da Síria, com o controle de 60 localidades curdas nas imediações de Ain al-Arab (Koban em idioma curdo), afirmou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Por medo das atrocidades cometidas pelo EI, quase 45.000 curdos buscaram refúgio na Turquia desde quinta-feira, anunciou o vice-primeiro-ministro turco, Numan Kurtulmus.

Outros milhares permaneciam na fronteira.

O OSDH informou que pelo menos 18 jihadistas morreram durante a noite nos combates com as forças curdas. Os confrontos prosseguiam neste sábado.

Segundo o OSDH, pelo menos 300 combatentes curdos entraram na Síria a partir da Turquia e se uniram às milícias curdas YPG em Koban para combater o EI.

"Não temos informações sobre o destino de 800 habitantes destas localidades", afirmou a ONG.

Um deslocado afirmou ao canal Haber-Türk que os jihadistas mataram várias pessoas e cometeram estupros.

Reforço da luta contra o EI

Diante da ofensiva do EI, o Conselho de Segurança da ONU pediu à comunidade internacional que reforce o apoio ao governo iraquiano.

O secretário de Estado americano, John Kerry, espera derrotar a organização jihadista com a "campanha mundial" iniciada por seu país. Ele chegou a declarar que o Irã, que já foi considerado o inimigo número um de Washington, tem um "papel" a desempenhar contra o EI, mas não explicou qual seria.

A coalizão mobilizada por Washington ganhou força nas últimas 48 horas com os primeiros bombardeios franceses no Iraque e a aprovação do Congresso americano para ajudar os rebeldes na Síria.

O EI estaria integrado por 35.000 homens na Síria e no Iraque. O grupo já cometeu uma série de atrocidades nas regiões sob seu controle nos últimos meses, além de ter reivindicado a decapitação de três reféns ocidentais.

Os países ocidentais temem o retorno dos jihadistas que combateram na Síria e no Iraque.

Os serviços de inteligência estrangeiros interceptaram uma conversa em árabe sobre um possível ataque ao Vaticano, informa um jornal italiano. A imprensa belga afirma que as autoridades do país impediram vários atentados.

Neste contexto, as autoridades da Albânia organizam um dispositivo de segurança reforçada para a visita do papa Francisco ao país, no domingo.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
MARADONA
Pablo Cesio
Pelé sobre Maradona: "Espero que um dia jogue...
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
John Burger
A melhor maneira de contar a seus filhos a ve...
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
POINSETTIAS,CHRISTMAS,ALTAR
A. J. Clishem
O segredo do grau de inclinação da cabeça de ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia