Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 04 Agosto |
São João Maria Vianney
home iconReligião
line break icon

O papa Francisco une ou divide?

FILIPPO MONTEFORTE / AFP

Tom Hoopes - publicado em 30/09/14

Alguns aspectos a levar em consideração antes de responder a essa pergunta

Desde que George Bush propôs, durante uma entrevista, uma distinção entre “unificadores” e “divisores”, a mídia norte-americana vem se perguntando continuamente sobre cada presidente dos Estados Unidos: "Será que ele é um unificador ou um divisor?".

É interessante perguntarmos o mesmo sobre o papa Francisco. Ele une ou divide?

Há quem considere que ele chegou ao papado para salvar a Igreja católica, com a sua abertura e com o seu amor. Há quem ache, porém, que ele veio para miná-la, mexendo rápido e perigosamente demais nas suas regras. Outros pensam que ele está irremediavelmente preso à doutrina; outros, ainda, opinam que ele não vê a hora de deixar para trás os ensinamentos tradicionais da Igreja.

Eu acho, em última análise, que Francisco veio para unir.

Mas de uma forma particular.

O papa é um "reunidor de sonhos": nós projetamos nele os nossos sonhos de unidade ou divisão.

A reputação de um papa não se constrói estritamente em cima do que ele diz e faz; a sua batina branca funciona como uma tela sobre a qual nós projetamos as nossas próprias expectativas e desejos.

O papa São João XXIII é um bom exemplo. Ele é citado como uma inspiração pelos dissidentes, mas foi ele o papa que disse: "Assim como os fiéis estão sujeitos aos seus sacerdotes, assim os sacerdotes estão sujeitos aos seus bispos… E cada bispo, também, está sujeito ao Romano Pontífice". Quando João XXIII disse "Eu quero abrir as janelas da Igreja", aquilo significava "Eu quero que a Igreja mude mais pessoas". Mas houve quem pensasse que ele pretendia dizer "Eu quero que mais pessoas mudem a Igreja".

Consideremos, também, o papa Bento XVI. Ele é pintado como um tradicionalista radical porque favoreceu trajes e liturgia tradicionais. Mas ele foi o papa cuja primeira encíclica mencionou os "eros" de Deus e cuja última encíclica fez uma crítica mordaz à economia do Ocidente. Ele foi o papa que estendeu a mão às vítimas de abusos sexuais cometidos por clérigos: em seus sinceros encontros com eles, o papa ia às lágrimas. Ele foi o papa cujos modos gentis conquistaram a sinagoga de Colônia. Ele foi o papa que renunciou ao próprio cargo, uma das maiores rupturas da tradição já protagonizadas por um papa em toda a história.

O papa Francisco também está sendo julgado com base em suas roupas e em seu estilo, o que alimenta os desejos de algumas pessoas de que ele ceda em todas as “antiquadas” doutrinas da Igreja. Mas, se você prestar atenção às suas reais palavras, perceberá um homem muito diferente disso.

Sobre o problema da comunhão para os divorciados que se casaram novamente sem passar pela anulação matrimonial, ele declarou com toda a clareza: "Não existe problema nenhum. Se eles estão numa segunda união, eles não podem". Sobre o motivo de pregar o evangelho, ele explica: "Não sejam ingênuos. Temos que aprender com o evangelho a lutar contra Satanás".

Então, por que tanta gente cultiva uma compreensão tão diferente dele?

O papa “divide” e une ao mesmo tempo porque ele é, acima de tudo, pastor.

Desde o início, a mensagem do papa Francisco foi clara. Jesus nos disse que um bom pastor dedicaria o seu tempo a ir atrás das ovelhas perdidas, não a ir atrás das que nunca se desgarraram.

Como observou o cardeal Raymond Burke, "o Santo Padre, parece-me, quer remover todo obstáculo concebível que as pessoas possam ter inventado para não responder ao chamado universal de Jesus Cristo à santidade".

É por isso que muitos críticos estão inquietos quanto a alguns dos movimentos de Francisco no tocante ao casamento. Antes da citação referida acima sobre a comunhão, Francisco falou longamente de estender a mão a quem precisa de um caminho para voltar para a Igreja. E ele está ocupado abrindo esses caminhos: não por meio da alteração da doutrina, mas da ajuda para que mais pessoas acatem as demandas da doutrina.

  • 1
  • 2
Tags:
Papa Franciscoreforma
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
5
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia