Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 06 Maio |
Bem-aventurada Anna Rosa Gattorno
home iconAtualidade
line break icon

Os políticos a favor do aborto podem comungar?

© Mi.Ti./SHUTTERSTOCK

Alvaro Real - publicado em 01/10/14

A difícil situação moral dos políticos leva a refletir sobre a diferença entre a excomunhão e a proibição de comungar

No último mês de maio, alguns grupos pró-vida reunidos em Roma pediram aos bispos que neguem a comunhão aos políticos que publicamente se posicionam a favor do aborto e, na mesma reunião, o cardeal Burke afirmou que tal comunhão acaba sendo um sacrilégio.

Não é a primeira vez que o cardeal Burke explica as consequências de comungar em pecado mortal; já em 2008, ele explicava: “Se temos um pecado mortal na consciência, precisamos primeiro confessar-nos desse pecado e receber a absolvição, e só depois aproximar-nos do sacramento eucarístico”.

A negação está clara

O tema da proibição da comunhão aos políticos que abertamente aceitam o aborto é um tema recorrente. O cardeal Arinze também já deixou claro: “Não é preciso que um cardeal responda a esta pergunta. As crianças da 1ª Comunhão sabem a resposta”.

“Realmente precisam de um cardeal do Vaticano para responder isso? Procurem as crianças que se preparam para a 1ª Comunhão e contem-lhes que uma pessoa votou pelo assassinato de bebês não nascidos e depois disse: ‘Eu votei, sim, e votarei todas as vezes que me pedirem, e estes bebês serão assassinados, não um nem dois, mas milhões deles’. E essa pessoa também diz: ‘Sou um católico praticante’. Será que essa pessoa pode receber a Comunhão no próximo domingo? As crianças da catequese lhes responderão imediatamente; vocês não precisam de um cardeal do Vaticano para responder isso.”

Por que esta negação?

O que talvez muita gente desconheça é que, quando um bispo nega a comunhão a um político que apoia iniciativas gravemente contrárias à moral da Igreja, o que o prelado está fazendo não é uma reprovação pública, mas “um ato de misericórdia”. Esta foi a explicação dada há poucos meses pelo bispo de Portsmouth (Inglaterra).

Quando os políticos, que desempenham uma importante função na vida pública, “não estão em comunhão com a Igreja Católica em temas tão centrais, como o valor da vida do não nascido ou o respeito aos ensinamentos da Igreja sobre o matrimônio e a família, então não deveriam estar recebendo a sagrada Comunhão”, explicou o prelado.

No entanto, ele não considera isso como uma condenação, mas uma maneira de esperar que esta pessoa reaja e possa voltar à comunhão com a Igreja. “Ninguém é obrigado a ser católico. Somos convidados por Cristo e Ele nos escolheu, é uma opção livre”, declarou, recordando que o seguimento livre de Cristo também traz uma responsabilidade.

Leis do aborto e falsas excomunhões

As leis do aborto proliferam em todos os países do mundo, e os bispos são claros neste tema: pedem aos políticospró-aborto que não comunguem – o que não significa que foram excomungados.

A excomunhão impede de receber todos os sacramentos: batismos, unção dos enfermos, matrimônio… e só um bispo pode cancelá-la. No caso dos políticospró-aborto, estamos diante de um caso diferente: o de permanecer em pecado mortal – e esta é a causa de não poderem comungar.

Na Bolívia, por exemplo, diante da promulgação da lei, o secretário-geral adjunto da CEB, Dom José Fuentes, declarou que as autoridades do governo que apoiam o aborto não poderiam comungar, porque isso não é coerente com a sua fé e com os ensinamentos do Evangelho e da Igreja.

Na Espanha, o então porta-voz dos bispos, Dom Martínez Camino, explicou aos jornalistas: “A eliminação de seres humanos inocentes é incompatível com a consciência cristã. Quem faz isso já não está em comunhão com a Igreja. Pois bem, na prática concreta dos sacramentos, a medida a ser tomada não pode ser generalizada. Depende de cada caso. O bispo e o pároco são os que conhecem o estado real da consciência da pessoa”.

A sempre especial comunhão dos políticos

Um documento de 2002, do então cardeal Ratzinger, como prefeito da Doutrina da Fé, insiste em que os legisladores, como todos os católicos, “têm a precisa obrigação de opor-se a toda lei que atente contra a vida humana”.

“Não podem participar de campanhas de opinião a favor de semelhantes leis, e nenhum deles está autorizado a apoiá-las com o próprio voto.”

O entanto, há uma única exceção: apoiar uma lei má como única forma de evitar outra pior.

Tags:
AbortoEucaristiaPolíticaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Francisco Vêneto
Milagre do sangue de São Januário volta a ocorrer em Nápoles
2
Mãe de Toda a Ásia, no Monte Maria, é a maior estátua de Maria do mundo
Reportagem local
Maior estátua de Maria do mundo é inaugurada e marca sinal de esp...
3
Creche
Reportagem local
URGENTE – Jovem com facão invade creche e mata crianças e p...
4
Pe. Charles Pope
O demônio diante da Eucaristia
5
Papa Francisco reza o terço
Reportagem local
Maratona de 30 dias de oração, convocada pelo Papa, começa neste ...
6
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
7
Monsenhor Jonas Abib, fundador da Canção Nova
Reportagem local
Fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib é diagnosticado com...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia