Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 01 Agosto |
home iconEstilo de vida
line break icon

Ativista Katha Pollitt defende que “abortar faz parte do fato de ser mãe”

Picador

Theresa Bonopartis - publicado em 21/10/14

Em novo livro, ela afirma que importar-se com os filhos significa, às vezes, optar por matá-los

Na semana passada, causou alvoroço em diversos meios de comunicação nos Estados Unidos o recente livro da ativista pró-aborto Katha Pollitt, “Pro: Reclaiming Abortion Rights” ["Pró-escolha: Em defesa do direito ao aborto"]. A autora publicou no Huffington Post em 16 de outubro um excerto intitulado “The Abortion Conversation We Need to Have” [“A conversa que precisamos ter sobre o aborto”].

Os dicionários definem "conversa" como um intercâmbio de sentimentos, observações, opiniões, ideias. Infelizmente, o trecho publicado por Pollitt não tem nada de conversa: é apenas uma tentativa unilateral de convencer a sociedade a aderir à sua ideologia. Não há no texto nenhuma troca honesta de ideias em que ela apresente os argumentos pró-vida antes de contestá-los.

Pollitt afirma: "Precisamos conversar sobre a interrupção da gravidez como coisa comum e até normal na vida reprodutiva das mulheres". Acontece que o aborto não é "normal", independentemente da sua frequência, e não há acúmulo de textos ou discursos que seja capaz de algum dia torná-lo normal. É por isso que o aborto continua sendo um assunto tão controverso. A ativista tenta justificar a sua posição afirmando que os abortos acontecem no mundo todo e têm existido ao longo de toda a história. Se isto é um argumento, o fato é que os estupros e os assassinatos também acontecem no mundo todo e têm existido ao longo de toda a história. No entanto, o mero fato de que uma ação aconteça de modo generalizado não quer dizer que ela seja aceitável ou “normal”.

A insistente mentira que diz que o aborto legalizado é “seguro” também se mostra insustentável: são muitíssimas as mulheres que apresentam danos físicos, emocionais e espirituais por causa do aborto a que se submeteram. Além disso, mesmo após a legalização, já aconteceram dezenas, talvez centenas de mortes de mães em decorrência do aborto “seguro”.

O pensamento distorcido em torno desta questão aponta para o desespero do lobby pró-aborto. E as suas tentativas de manipular as pessoas e fazê-las pensar que o aborto é um gesto necessário e até mesmo "tão moralmente aceitável quanto a decisão de ter um filho", felizmente, não parece sensato para a maioria das pessoas.

A tentativa de argumentação da autora é extremista: ela afirma que abortar "faz parte do fato de ser mãe e de cuidar dos filhos, porque importar-se com os filhos implica saber quais momentos não são oportunos para trazê-los ao mundo". Ora, se uma mulher está grávida, ela já é mãe e seu filho já está no mundo. Será que, por acaso, a autora parou para ouvir o que ela própria está dizendo? Como é que “ser mãe” pode significar ao mesmo tempo “ser não-mãe” mediante o ato menos maternal imaginável, que é o de exterminar o próprio filho? Como é que importar-se com os próprios filhos implica matá-los? E, radicalizando de vez: se não trazer os filhos ao mundo é “oportuno” e se esta decisão cabe somente às mães, então por que deveríamos parar no nascimento? Se isto fizesse algum sentido, as mães teriam o “direito” de “se importar” com seus filhos matando-os inclusive depois de já nascidos, não?

Mas o maior problema dessa conversa unilateral de Pollitt sobre os “direitos ao aborto” é que um número incontável de mulheres que viveram o aborto por experiência própria sabem que nada disso é verdade. Elas sucumbiram a essa linguagem dos direitos, da escolha pessoal e do "siga a sua vida" só para descobrir da maneira mais difícil que tudo aquilo era um monte de mentiras. Essas mulheres estão sofrendo. Essas mulheres estão em busca de reconciliação e de paz. E muitas das mulheres que encontraram a reconciliação através da misericórdia de Jesus Cristo e do ministério da Igreja estão agora se aproximando de outras mulheres que ainda estão perdidas e que sofrem silenciosamente, para que elas também encontrem a paz.

  • 1
  • 2
  • 3
Tags:
AbortoFilhosMaternidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
3
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
4
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
5
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
6
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
7
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia