Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 15 Maio |
Santo Elesbão (ou São Caleb de Axum)
home iconAtualidade
line break icon

Compreendendo as origens do ódio religioso

Public domain

Philip Jenkins - publicado em 13/01/15

Será que as origens do ódio religioso estão na ruptura brutal com as crenças familiares?

No início da minha carreira, o meu foco de atenção era o nascimento da história britânica moderna, com ênfase especial nos conflitos religiosos e na violência. Ao repassar esses estudos, eu percebo cada vez mais a existência de paralelos entre aquele tempo e as manifestações de ódio religioso e de intolerância que tanto perturbam o nosso mundo contemporâneo. Embora aqueles eventos históricos do início da modernidade britânica já estejam distantes no tempo, eles ainda têm muito a nos dizer hoje em dia.

A Grã-Bretanha, no século XVII, era oficialmente uma nação protestante anglicana, que penalizava as práticas católicas de maneira implacável. Mesmo assim, minorias dissidentes, ou seja, os católicos da resistência, sobreviviam em certas regiões, principalmente a norte e oeste do país. Em períodos normais, eles eram mais ou menos deixados em paz, mas, de vez em quando, eram submetidos a surtos ferozes de violência e de perseguição. A pior dessas crises de violência aconteceu entre os anos de 1678 e 1682, quando muitos católicos, tanto clérigos quanto líderes leigos, foram presos e dezenas deles foram executados, em resposta a um surto de histeria paranoica que se tornou conhecido como "Complô Papista". De longe, a maior dessas selvagerias ocorreu numa área de fronteira entre a Inglaterra e o País de Gales, nos condados de Monmouth e Hereford.

Cinco sacerdotes daquela região morreram no cadafalso e vários outros na prisão. Três deles foram caçados até a morte, "sendo martirizados pela miséria e pelos sofrimentos dos seus esconderijos nas montanhas, nos bosques, nas tocas e nas cavernas". Muitos leigos católicos também sofreram. Alguns magnatas locais, convertidos ao protestantismo anglicano, se tornaram caçadores de sacerdotes católicos em tempo integral, dedicando-se a extirpar qualquer tipo de manifestação do catolicismo. E conseguiram grandes sucessos nessa empreitada. Naquela mesma área de fronteira, por exemplo, uma missão jesuíta que estava prosperando com força acabou sendo completamente eliminada.

Mas por que esse fanatismo todo, que, em termos contemporâneos, equivale ao "antipapado", foi tão extremo e assassino assim? A resposta, surpreendente, ficou mais clara para mim quando eu observei com atenção as origens dos piores desses fanáticos.

Em praticamente todos os casos, os extremistas protestantes tinham origens católicas. Mais do que isso: em anos anteriores, eles próprios tinham ajudado e abrigado sacerdotes católicos. No geral, tratava-se de homens de famílias divididas entre o protestantismo e o catolicismo; famílias que, inclusive, tinham membros que eram padres da Igreja católica. Os casamentos mistos, entre protestantes e católicos, se tornaram bastante comuns naquela região.

Os sacerdotes que eles perseguiam não eram apenas vizinhos, mas, em boa parte dos casos, eram também parentes próximos. Os extremistas protestantes eram desertores recentes da antiga fé católica, duplamente zelosos, talvez, para justificar a sua nova visão espiritual de mundo e para extirpar aqueles que agora eram seus “inimigos”.

Um exemplo clássico desta situação foi o de um escudeiro chamado Charles Price, fanático protestante que liderou um ataque armado contra a sede local dos jesuítas e que caçou até a morte um dos sacerdotes. Mesmo depois que o padre estava morto, Charles Price insistiu em exumar o seu corpo para confirmar que ele tinha mesmo sido assassinado. O sacerdote vítima desse ódio patológico foi Walter Price: seu próprio primo. Outros sacerdotes tinham comentado, muito recentemente, sobre o grande amigo e apoiador que Charles Price tinha sido sempre. De repente, porém, Charles Price se voltara com fúria contra a sua fé anterior e passara a usar a crise política como contexto para destruir os seus antigos amigos.

  • 1
  • 2
Tags:
FamíliaPerseguiçãoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
2
Philip Kosloski
5 revelações surpreendentes do “terceiro segredo” de ...
3
Nossa Senhora de Fátima pede rezar o terço
Padre Reginaldo Manzotti
As 3 principais atitudes que Nossa Senhora de Fátima nos pediu
4
Soutane de Jean Paul II/attentat
Marzena Wilkanowicz-Devoud
Onde está a batina manchada de sangue de João Paulo II?
5
Nossa Senhora de Akita
Reportagem local
O grave alerta de Nossa Senhora de Akita sobre o maligno infiltra...
6
Reportagem local
Poderosa oração a Nossa Senhora de Fátima
7
FRANCISCO AND JACINTA MARTO
Tom Hoopes
As lições dos pastorinhos de Fátima aplicadas ao coronavírus
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia