Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 05 Maio |
Santo Hilário de Arles
home iconReligião
line break icon

Papa pede aos cardeais que não se fechem em uma ‘casta’

© Sabrina Fusco / ALETEIA

<span>Ordinary Public Consistory for the creation of new Cardinals</span>

Agências de Notícias - publicado em 16/02/15

O Papa falou de uma "encruzilhada" vivida pela Igreja hoje em dia, dividida por duas lógicas. "O medo de perder os salvados e o desejo de salvar os perdidos"

O papa Francisco pediu neste domingo aos cardeais de todo o mundo que não se convertam em uma casta, advertindo que a Igreja deve se focar na reintegração dos marginalizados e esquecidos.

"O caminho da Igreja é o de não condenar ninguém para sempre e sim difundir a misericórdia de Deus a todos", afirmou o sumo pontífice durante a homilia pronunciada na Basílica de São Pedro.

Francisco concelebrou a missa solene com cerca de 160 cardeais provenientes dos cinco continentes, entre eles os 20 que foram nomeados no sábado.

Francisco, que parecia um pouco cansado depois de uma semana intensa de reuniões com os cardeais para avaliar os avanços das reformas que promove, ilustrou com palavras claras os princípos de seu pontificado, inaugurado há dois anos.

"Jesus não tem medo de escândalos. Não tem medo de pessoas obtusas, que se escandalizam com qualquer abertura, com qualquer passo que não entre em seus esquemas, qualquer carícia que não corresponda a sua forma de pensar e sua pureza ritualista quer integrar os marginalizados, salvar os que estão fora do acampamento", afirmou.

O Papa falou de uma "encruzilhada" vivida pela Igreja hoje em dia, dividida por duas lógicas. "O medo de perder os salvados e o desejo de salvar os perdidos".

Francisco citou as resistências e hostilidades de que padeceram os dois fundadores da Igreja, São Pedro e São Paulo.

Aos novos cardeais, Francisco recordou a lógica de Jesus. "Este é o caminho da Igreja. Não apenas acolher e integrar, com o valor evangélico, aqueles que batem a sua porta. E sim sair e buscar, sem preconceitos e sem medos, os afastados, manifestando a eles gratuitamente aquilo que recebemos gratuitamente".

Francisco se dirigiu diretamente aos cardeais recém-nomeados, quase todos desconhecidos e que trabalham em cidades e regiões remotas dos cinco continentes.

"Vejam o Senhor em cada pessoa que sofre, que está desnuda, também aqueles que perderam a fé ou se declaram ateus, vejam o Senhor que está na prisão, que não têm trabalho, estão demitidos… Ao discriminado. Não descobrimos o Senhor se não acolhermos verdadeiramente o marginalizado", concluiu.

Na véspera, Francisco nomeou 20 novos cardeais procedentes dos cinco continentes, muitos deles bastante envolvidos com questões sociais, confirmando o desejo do pontífice de criar uma Igreja menos eurocentrista.

Os novos "príncipes da Igreja" receberam o barrete vermelho, assim como o título e o anel cardinalício das mãos do papa argentino e na presença do papa emérito Bento XVI, que usava uma batina branca, prerrogativa dos pontífices.

Assim como ocorreu há um ano, durante a cerimônia de investidura dos primeiros purpurados do pontificado de seu sucessor, Bento XVI estava na primeira fila.

Apesar da solenidade do ato e do lugar, Francisco lembrou aos novos cardeais que "o cardinalato não é uma distinção honorífica" "nem um acessório" ou condecoração" mas "um ponto de apoio e um eixo para a vida da comunidade".

Em seu breve discurso, o papa traçou o perfil do purpurado de seu pontificado: um religioso que conhece "a magnanimidade", que "ama o que é grande, sem descuidar do que é pequeno", que conhece "a benevolência", que vive "na caridade" e "descentrado de si mesmo", explicou.

"Quem está centrado em si mesmo busca inevitavelmente seu próprio interesse e acredita que isso é normal, quase um dever", alertou Francisco, que os convidou a deixar de lado, acima de tudo, qualquer injustiça.

"Nem mesmo a que poderia ser benéfica para ele ou para a Igreja", recalcou.

"Tampouco as dignidades eclesiásticas estamos imunes à tentação da inveja e o orgulho", agregou.

  • 1
  • 2
Tags:
CardeaisIgrejaPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Francisco Vêneto
Milagre do sangue de São Januário volta a ocorrer em Nápoles
2
Mãe de Toda a Ásia, no Monte Maria, é a maior estátua de Maria do mundo
Reportagem local
Maior estátua de Maria do mundo é inaugurada e marca sinal de esp...
3
Creche
Reportagem local
URGENTE – Jovem com facão invade creche e mata crianças e p...
4
Pe. Charles Pope
O demônio diante da Eucaristia
5
Papa Francisco reza o terço
Reportagem local
Maratona de 30 dias de oração, convocada pelo Papa, começa neste ...
6
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
7
Monsenhor Jonas Abib, fundador da Canção Nova
Reportagem local
Fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib é diagnosticado com...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia