Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Ela tem 91 anos e está indo a pé ao santuário de Luján

© La Voz
Compartilhar

São 1.200 quilômetros e ela já passou da metade do caminho. Mais ainda: ela faz isso desde os 70 anos. Por um motivo muito especial.

Uma rápida busca no Google seria suficiente para conhecer a distância entre as cidades e desistir de percorrer alguns trechos a pé, certamente.
 
No entanto, Emma Morosini, uma italiana de 91 anos, já passou da metade do caminho que vai da cidade de Tucumán, ao norte da Argentina, até o santuário nacional de Nossa Senhora de Luján, a poucos quilômetros de Buenos Aires. São 1.200 quilômetros, cerca de 250 horas, segundo o buscador.
 
Esta não é a primeira peregrinação de mais de mil quilômetros que Emma faz. Há 23 anos, os médicos lhe disseram que não havia mais esperança para sua saúde. "Naquele momento, prometi à Mãe de Deus que, se me recuperasse, iria a Lourdes", contou ela a um jornal polonês, em uma de suas peregrinações a Jasna Gora.
 
A peregrinação a Lourdes, quando Emma tinha 70 anos, tocou seu coração. Naquela ocasião, ela caminhou da sua casa, na Itália, até o santuário da França. Desde então, empreendeu caminhos de mais de mil quilômetros até Fátima, Terra Santa, Aparecida e Guadalupe.
 
De segunda a sábado, ela começa sua caminhada às 6h da manhã e caminha cerca de cinco horas, levando sua maleta improvisada e um guarda-chuvas.
 
Em suas peregrinações, Emma não caminha aos domingos. Ela dedica esse dia à oração e, certamente, ao descanso. Por isso, aos sábados, sua prioridade é encontrar um hotel. Nos demais dias, ela costuma se virar alugando um quartinho ou dormindo inclusive ao ar livre.
 
Tanto sacrifício… para quê?
 
"Para Nossa Senhora, pela paz do mundo, pela juventude e por todas essas famílias que hoje estão divididas. Muitos estão separados, alguns convivem mas não são esposos ou não têm filhos. É muito triste", declarou ao jornal "La Voz".
 
Na terra do Papa Francisco, Emma comentou também que gostaria de conhecê-lo quando voltar à Itália. Mas ainda lhe falta um longo trecho: cerca de 100 horas sozinha com seu casaco laranja, seu carrinho com a maleta, seus 91 anos e o motor de tudo: sua fé inabalável.
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.