Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 18 Setembro |
São José de Cupertino
home iconEstilo de vida
line break icon

Meu filho é gay e quer trazer seu namorado à minha casa. Devo acolhê-los?

© PASCAL PAVANI / AFP

Pe. Henry Vargas Holguín - publicado em 24/02/15

Uma pergunta delicada respondida pelos especialistas da Igreja

A homossexualidade não é uma virtude nem uma conquista. A orientação homossexual é uma circunstância da pessoa, difícil de explicar. Não sabemos por que algumas pessoas têm estas tendências homossexuais, mas sabemos que sempre houve, há e haverá pessoas com estas tendências.

Em cada pessoa, as causas são diferentes. Não há unanimidade entre os especialistas sobre isso. Serão fatores, hormonais, genéticos, químicos, biológicos, ambientais, carências no início do desenvolvimento psicossexual? Algum desses fatores será predominante e influenciará os outros? Ainda não sabemos

Precisamos ser conscientes de que, até o momento em que, voluntária ou obrigatoriamente, as tendências homossexuais de alguém saem à luz, é provável que tal pessoa tenha tido um itinerário difícil, longo e solitário.

Este itinerário continua depois, em muitos casos em meio a desprezos, vergonhas e culpas, que o tornam ainda mais doloroso. E o sofrimento da pessoa dobra.

Portanto, começando pela família, é preciso ser muito amáveis e compreensivos. Os pais devem lembrar que seus filhos com tendências homossexuais costumam precisar, acima de tudo, do carinho e da aceitação dos seus pais, sejam quais forem as circunstâncias.

Independentemente de suas tendências e atos, o filho deve ter um lugar no coração dos seus pais e estes, ao abordar a questão (e sempre) precisam buscar seu bem, junto ao da família inteira. Se ele vier com seu namorado, isso o beneficiará em sua integridade? Poderia prejudicar o resto da família? Estas são perguntas para a reflexão dos pais.

Então, se um filho quer levar seu parceiro homossexual à casa dos pais, em princípio eles devem ser acolhidos, mas levando em consideração fatores como sua idade, a “solidez” da relação com esse parceiro, a possível presença de irmãos pequenos que poderiam ser afetados pela situação etc.

A caridade começa em casa. E, para entender o que é a caridade, é preciso ler o capítulo 13 da 1ª Carta aos Coríntios: “Se não tenho amor, nada sou”.

Todas as pessoas, pelo simples fato de serem pessoas, possuem uma dignidade. As pessoas com tendências homossexuais são tão dignas quanto as que não possuem tal tendência. Compreensão, ajuda, acolhimento e caridade: estas são as atitudes de um cristão diante de qualquer pessoa, independentemente de sua tendência sexual.

O acolhimento é a atitude mais óbvia para as famílias cristãs e para a Igreja. O conselho para os pais é: aceitar e amar seu filho como ele é. Fazer o melhor que puderem e colocar tudo nas mãos de Deus.

Precisamos evitar a rejeição e a discriminação. A inclinação homossexual, “objetivamente desordenada, constitui, para a maior parte deles, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á, em relação a eles, qualquer sinal de discriminação injusta” (Catecismo, 2358). Este é o ensinamento da Igreja.

No entanto, cabe recordar que o acolhimento das pessoas com tendências homossexuais não significa aprovação de tal tendência.

Este é o motivo pelo qual o magistério da Igreja não fala de “homossexuais”, mas de “pessoas” com tendências homossexuais, distinguindo entre “pessoa” e “tendência”. Esta é uma distinção importante, explicada nos documentos da Igreja.

A Igreja, como tal, nunca rejeitou nem nunca rejeitará as pessoas com tendências homossexuais pelo simples fato de as terem. Mais ainda: muitas dessas pessoas que trabalham na pastoral são pessoas de fé, estão unidas à Igreja. Todos nós temos a mesma identidade fundamental: ser criaturas e, por graça, filhos de Deus, herdeiros da vida eterna.

Estas pessoas não deixam de ser filhas de Deus, não deixam de ser pessoas que podem receber os sacramentos, sempre e quando estiverem em graça de Deus – como qualquer pessoa com qualquer tendência sexual. Impossível isso? Não. Difícil? Talvez sim, mas isso já é outra história.

  • 1
  • 2
Tags:
homossexuaisIgrejaSexualidadeValores

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BEATRIZ
Reportagem local
Mistério do sumiço de uma mulher em Aparecida já dura 9 anos
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
4
Papa Francisco pede homilias mais curtas
Francisco Vêneto
Papa Francisco pede aos padres: façam homilias mais curtas
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa reafirma: casamento sacramental é só entre homem e mulher
6
Berthe and Marcel
Lauriane Vofo Kana
O segredo do casal que tem a união mais longa da França
7
tentativa suicídio depoimento
Reportagem local
EM IMAGENS: A cara da depressão profunda e do suicídio é não ter ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia