Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 20 Outubro |
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

2014, ano catastrófico para civis vítimas de conflitos

AP-Photo-Rodrigo-Abd

Agências de Notícias - publicado em 25/02/15

O ano passado registrou o maior número de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial

O ano de 2014 foi "catastrófico" para as vítimas civis dos conflitos, relata a organização Anistia Internacional em seu relatório anual divulgado nesta quarta-feira, classificando como "escandalosa e inoperante" a resposta da comunidade internacional a essa violência.

Segundo a ONG, 2014 foi "excepcionalmente" carregado de conflitos, em meio a tragédias e sangrentos confrontos em Síria, Ucrânia, Gaza, Nigéria, entre outros territórios, com "milhões de civis mortos" e "15 milhões" de pessoas deslocadas.

"Este é, provavelmente, o maior número de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial", denunciou o secretário-geral da Anistia, Salil Shetty, em entrevista coletiva em Londres.

"2014 foi catastrófico para pessoas presas na violência", alertou.

O relatório da organização analisa o estado dos direitos humanos em 160 países e aponta violações em 35 deles por parte de grupos armados como os jihadistas do Estado Islâmico e do Boko Haram.

"Isso pode e deve mudar", insistiu Shetty, que considerou "escandalosa e inoperante" a resposta da comunidade internacional às violações das liberdades fundamentais.

"Infelizmente, os líderes mundiais fracassaram na hora de proteger os mais desamparados", acusa a organização.

A Anistia é particularmente severa com as Nações Unidas.

"O Conselho de Segurança das Nações Unidas, um organismo que foi criado para proteger os civis e garantir a paz e a segurança, infelizmente, fracassou", denunciou Shetty.

Segundo ele, "os cinco membros permanentes (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, China e Rússia), na nossa opinião, abusaram constantemente do poder e dos privilégios do direito a veto para promover seus próprios interesses políticos, ou geopolíticos, em detrimento da proteção dos civis".

Renunciar ao direito a veto

Por esse motivo, a Anistia promete adotar "um código de conduta" para que os "membros do Conselho de Segurança renunciem, voluntariamente, a fazer uso de seu direito a veto para bloquear a ação do Conselho de Segurança, em caso de genocídio, crimes de guerra, ou crimes contra a humanidade".

Essa proposta não é nova, mas a Anistia espera fazer a ideia avançar com o apoio de seus sete milhões de membros no mundo.

"Ao renunciar a seu direito a veto, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança ampliariam a margem de manobra das Nações Unidas e enviariam uma mensagem aos responsáveis pelas atrocidades maciças de que o mundo não permanecerá com os braços cruzados", justificou Shetty.

Para o diretor para Oriente Médio e África do Norte da Anistia, Philip Luther, uma renúncia desse tipo teria permitido, por exemplo, que o Tribunal Penal Internacional perseguisse os responsáveis por crimes de guerra e por crimes contra a humanidade na Síria.

Além dessa proposta, a organização pede que se impeça a chegada de armas aos países onde esses equipamentos podem cair nas mãos de grupos armados. A Anistia também insta aos Estados que ratifiquem o Tratado sobre Comércio de Armas, que entrou em vigor em 2014.

A Anistia Internacional encerra sua análise com um tom pessimista em relação às perspectivas para os direitos humanos em 2015. Segundo a ONG, a previsão é que cada vez mais civis serão obrigados a viver sob controle de grupos armados brutais, agravando a crise humanitária dos refugiados.

(AFP)

Tags:
ConflitosGuerraRefugiadosViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
4
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
5
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
6
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
7
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia