Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 22 Fevereiro |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Sim, é real: alunos que falam em latim, vivem em harmonia e recebem educação humanística clássica – e gratuita

Accademia Vivarium Novum

Accademia Vivarium Novum

Aleteia Vaticano - publicado em 28/04/15

Conheça a Vivarium Novum e sua proposta de formação integral inspirada nos ideais do humanismo

É bastante notável que os programas de educação em vigor atualmente não estão conseguindo formar nem a quantidade necessária de profissionais altamente qualificados nem cidadãos plenamente comprometidos em transformar a sociedade numa verdadeira família humana.

Entre as causas da deficiente formação dos nossos jovens, é cada vez mais clamorosa a grande lacuna deixada pelo descuido da formação humanística. Os alunos, em geral, não são incentivados a esculpir em si próprios o ideal da pessoa integral, mas, em muitos casos, apenas a cumprir a formalidade de passar pela escola, obter um certificado de papel cada vez menos significativo e chegar a um mercado de trabalho que reduz ainda mais a pessoa a uma simples executora de funções dissociadas do “resto da vida real”.

Neste contexto de desumanização, há iniciativas que vão firmes contra a corrente. É o caso, entre outros, da Academia Vivarium Novum, fundada em 1991, na Itália, com a proposta de ajudar jovens talentosos do mundo inteiro a conquistar uma sólida formação cultural que corrobore neles os valores da humanitas e da dignitas hominis. Os alunos da academia têm a oportunidade de aprender latim e grego antigo, as línguas clássicas da cultura ocidental, a fim de dialogar, sob a orientação de professores experientes, com os grandes escritores da nossa história sobre os grandes problemas que até hoje afligem a humanidade.

A Vivarium Novum retoma a grande tradição das escolas humanísticas, o seu método de ensino e de formação e a visão de mundo livre e crítica que essa educação consegue desenvolver. Como fundamento, a instituição assume a ideia da dignitas hominis, a ser conquistada através do contínuo trabalho de domínio de si próprio, voltado a libertar das baixas paixões e a tornar o formando cada vez mais senhor da genuína humanitas. Os fundadores da academia têm a convicção de que tal refinamento do indivíduo e de toda a sociedade humana não pode acontecer sem o diálogo fecundo com quem nos precedeu nesta breve estação terrena; grandes homens cujas vozes ainda estão presentes e vivas nas obras e no pensamento que eles legaram.

Em vez de um humanismo genérico e nebuloso, a academia propõe aos seus alunos, primordialmente, um acesso real ao imenso patrimônio dos textos clássicos, medievais, humanísticos e pós-humanísticos transmitido nas línguas que são o fundamento e o veículo da cultura ocidental. Os alunos da Vivarium Novum se dedicam de modo intenso e sério, portanto, ao sólido aprendizado do latim e do grego, aprendendo a dominá-los como uma segunda ou terceira língua própria. É assim, no parecer da academia, que eles podem penetrar nas cortes dos antigos homens e combinar o particular com o universal, a sublime utopia do espírito com o honesto desencanto de quem sabe unir res e verba e jamais separar a scientia litterarum da experientia rerum.

Durante o ano, os estudantes analisam e discutem milhares de páginas de autores clássicos, cristãos, da idade medieval, do renascimento, penetrando na obra dos grandes para refletir de maneira profunda sobre os maiores desafios que o mundo atual apresenta ao indivíduo e à coletividade. O clássico e o humanístico, porém, não são uma norma a cujo ditame conformar-se, nem um modelo a imitar de modo servil; a proposta é que o aluno torne próprio o debate dos maiores e o transforme num germe que floresça em formas sempre novas, capazes de responder às exigências que os tempos e a história nos propõem.

OS CURSOS

As aulas, que vão de segunda a sábado, começam na primeira quinzena de outubro e terminam no final de junho do ano seguinte. Os estudantes ainda aprendem fora das aulas, graças às conversas cotidianas com os companheiros e professores: toda comunicação na academia deve ser em latim ou, ocasionalmente, em grego antigo. O hábito de falar em latim aumenta e melhora o aprendizado e permite aos alunos aceder rapidamente aos textos literários originais. Os aspirantes devem ter, portanto, um conhecimento básico da gramática, da sintaxe e do léxico latino, podendo comunicar, com palavras e frases simples e claras, os seus pontos de vista sobre os temas discutidos.

O programa do curso abrange latim básico e grego antigo básico para os principiantes e passa em seguida a incluir composição latina, língua e literatura grega, história da literatura latina antiga e moderna, filosofia antiga, história da poesia e métrica latina, seminários de leitura de textos clássicos latinos e gregos, história romana antiga e história da literatura italiana.

ADMISSÃO

A academia é uma espécie de pequena república em que os alunos que já chegaram aos níveis mais altos ajudam os menos experientes. Os estudantes e educadores da academia procuram educar-se nas artes liberais à maneira dos humanistas, considerando, inclusive, que há entre os alunos também jovens com preparação pobre ou inconsistente, cuja educação é e será sempre o dever mais importante do instituto.

A seleção dos candidatos leva em conta, primeiro, a condição econômica: é dada preferência aos mais pobres, a quem são concedidas bolsas de estudo e de hospedagem integral. O segundo critério dá preferência aos que têm boa preparação e sabem comportar-se adequadamente na academia. Este fator é crucial porque, além dos conteúdos intelectuais, o que a Vivarium Novum propõe é um modo de vida completamente diferente daqueles que são divulgados pelos meios modernos de comunicação e apreciados pela maioria das pessoas formatadas pela cultura contemporânea. A academia não é uma escola de gramática ou de filologia onde as letras são tratadas como se divorciadas do resto da vida: a instituição é voltada a pessoa que pretendem cultivar livremente as humanidades e com elas enriquecer a sua vida e a do próximo, exercitando a mente no debate e no diálogo com quem nos precedeu nessa tarefa e com aqueles que, hoje, procuram avançar nos mesmos campos.

Entre as normas gerais da instituição, o site da Vivarium Novum destaca, por exemplo:

I. O uso da língua latina deve ser diário e constante.
II. Não são permitidas bebidas alcoólicas, drogas de qualquer espécie nem cigarros.
III. Não são toleradas palavras obscenas e vulgares em nenhuma circunstância.
IV. Só deve ser ouvida e estudada a música clássica.
V. Na roupa e no estilo, não devem adotar-se os comportamentos típicos de quem deseja apenas chamar a atenção.
VI. Devem-se respeitar os horários das refeições, das aulas e dos trabalhos domésticos.
VII. Após as onze da noite, deve-se manter absoluto silêncio nos quartos para não perturbar o sono dos outros.
VIII. Os alunos são vivamente convidados a usar o seu tempo com sabedoria, dedicando-se com afinco ao estudo sem desperdiçar energia em distrações fúteis.


Estas regras devem ser respeitadas não apenas dentro da academia, mas também fora dela: seria incoerente abster-se de palavras de baixo calão em casa e empregar todo tipo de vulgaridade no jardim ou na cidade, assim como abster-se na academia das músicas da moda e, na cidade, optar por casas noturnas que as tocam. As meras aparências, como declarou Cícero, não são coisa digna de pessoas honestas que aspiram à virtude e se esforçam para alcançá-la com toda a sua força.

Estas poucas e simples regras devem ser observadas porque, em todos os momentos da vida, é enriquecedor cuidar não apenas de si mesmo, mas também ocupar-se do bem dos outros. São hábitos que não costumam ser cultivados pela cultura atual, mas a academia acredita que as pessoas capazes de autocontrole e que não cedem aos impulsos emocionais são tenazes diante de toda dificuldade.

Tags:
EducaçãoVirtudes
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia